Família, Sociedade e Educação



DESENVOLVIMENTO

"O mundo mudou, e nós temos que mudar com ele."

Barack Obama

A família não é algo biológico, natural ou simplesmente dado, mas é produto de formas históricas de organização entre os humanos. Do patriarcado ao capitalismo, discutiram-se as marcas dos modelos de organização social na constituição das famílias, sendo uma das possíveis explicações para o sistema social de opressão das mulheres, por exemplo. As discriminações ditadas pelo patriarcado são uma forma de violência de gênero e de violação dos direitos humanos das mulheres.

A família, de fato, consolidou-se na Roma Antiga. A família romana era centrada na figura masculina, com as mulheres sendo, em geral, meras coadjuvantes. O patriarca tinha sob seu poder a mulher, os filhos, os escravos e os vassalos, além do direito de vida e de morte sobre todos estes.

O patriarcado é uma forma de organização social na qual as relações são regidas por dois princípios básicos: 1) as mulheres; 2) os jovens, onde todos estão hierarquicamente subordinados aos mais velhos. De modo geral, a supremacia masculina atribui o maior valor às atividades masculinas em relação às atividades femininas, legitimando o controle da sexualidade, dos corpos e da autonomia feminina. O patriarcado, enquanto teoria universal e totalizante, é tema controverso no campo dos estudos feministas. Nesta época, o senhor era a lei, e o domínio referiam-se às formas sociais simples e às comunidades domésticas. Não existia modernidade na sociedade patriarcal.

A sociedade como um todo é patriarcal. De uma forma ou de outra as mulheres estão submetidas aos homens tanto na vida privada quanto na vida pública. Na sociedade civil capitalista, há um patriarcado moderno. O patriarcado moderno alterou sua configuração, mas manteve as premissas do tradicional. O poder do pai de família teve seu reinado entre a Idade Média até o século XVII. No final desse século começa o declínio. O patriarcado moderno surge com o direito natural sobre a mulher.

É preciso revisar a idéia da hegemonia, da família e de papéis familiares, dado as configurações e papéis alternativos. As normas são opressivas, fonte de sofrimento psíquico e mal-estar na sociedade. Gerando um terreno fértil para desigualdades de gênero. E as conquistas sociais e legais das mulheres.

No século XXI, as mulheres invadiram as ciências, as artes e a política.

Freud, com relação à civilização humana, ressalta: "(...) civilização humana, expressão pela qual quero significar tudo aquilo em que a vida humana se elevou acima da condição animal e difere da vida dos animais – desprezo ter que distinguir entre cultura e civilização." Para algumas pessoas seria o mal-estar na cultura. Para ele, o que deve causar mal-estar à cultura ou à civilização. "O futuro de uma ilusão", "Totem e tabu", são chamados "Textos Sociais".

Nele são considerados os conflitos entre os instintos e as vicissitudes pelas quais ele tem de passar. O princípio da realidade: um dos princípios que regem o funcionamento mental. É parceiro do princípio do prazer e modifica-o na medida em que consegue ser um princípio regular, à procura de satisfação. Essa diferença nos capacita para sensações de desprazer que sentimos e pelas quais somos ameaçados. Para fins de desviar sensações desagradáveis.

O que é ser feliz em uma sociedade patriarcal onde a mulher é subjugada ao domínio masculino. Freud era contra a pergunta, se uma pessoa é feliz, dizia que a felicidade consistia em não fazer essa pergunta, porque não havia resposta para ela. Porque temos muitas necessidades represadas. A infelicidade é real, e menos difícil de se experimentar. O homem foge do desprazer e busca o prazer. O homem primitivo nos é conhecido por meio das ruínas e implementos que restaram dele e ainda hoje, muitos homens vivem de maneira muito próxima daquela dos primitivos.

Freud, considera que todas as manifestações 'primitivas' seja no sentido de evolução da humanidade, seja na do indivíduo, guarda uma grande aparência. Por isso há uma certa semelhança, entre o primitivo e uma criança. Como nas crianças sempre existe uma regressão, o que aproxima seus mecanismos mentais daqueles das crianças é que elas tem um paralelo com o homem primitivo. Por isso, foi tentado introduzir a Psicanálise na educação, porque o educador levaria a pessoa ao amadurecimento e a se tornar uma adulto. O que é totem? É um animal que mantém relação especial com todo o clã.

O totem é um antepassado comum do clã, é seu espírito guardião. O totem pode ser dado tanto pela linha feminina quanto pela masculina.

O sistema totênico atraiu o interesse dos psicanalistas porque nele se encontram uma lei contra relações sexuais entre pessoas do mesmo totem e conseqüentemente, contra seu casamento. Era praticada a exogamia. Seria uma proteção contra o incesto, a que a Psicanálise dá tanta importância, porque a tendência à ele faz parte do complexo de Édipo.

A literatura sobre história da sexualidade mostra para um fenômeno importante e prevalece até o século XVIII no mundo ocidental, que a diferença entre o amorno casamento e o amor fora do casamento. O casamento tem por função – não somente entre os reis e os príncipes, mas em todos os níveis da sociedade. O novo ideal de casamento vai se constituindo aos poucos no ocidente, em que se impõe aos cônjuges que se amem ou que pareçam se amar, e que tenham expectativas a respeito do amor. O indivíduo na sociedade contemporânea é discutida e estudada o papel da aliança e o papel da sexualidade e suas implicações institucionais.

A separação conjugal pode ter efeitos construtivos para os membros de uma família, para manter o casamento é a auto-destruição e a destruição do outro. Ela leva toda a família a reestruturar os padrões de relacionamento existente buscando na terapia a ressignificação para sua vida.

Os ideais freudianos baseados na educação modelo pulsional freudiano, Pela impossibilidade de prevenir as neuroses como também de curar o mal-estar na educação. Todo saber no campo educativo perfila-se como mais uma Pedagogia moderna. Qualquer saber pedagógico moderno é, por definição, autonômico com a Psicanálise. Não há aplicação da Psicanálise à educação. É possível uma certa clareza psicanalítica da educação, uma educação esclarecida pela Psicanálise revela-se toda e qualquer reflexão pedagógica. Seria uma educação onde reconhece o desejo. A relação Psicanálise-Educação não equivale àquela pretendida entre a Psicanálise e a Pedagogia.

Uma das preocupações de Freud foi no campo da problemática da educação: o indivíduo e civilização. Segundo Freud, seu pensamento sobre a educação tida como o veículo da moral dirigida à natureza repressiva, numa transformação educativa, tendo como parâmetro o indivíduo-sociedade. Explica que as crianças experimentavam os mesmos conflitos através dos quais passaram nossos antepassados no processo de civilização. A esperança freudiana no reformismo social, via educação, é inversamente proporcional nos progressivos do modelo pulsional. Sustentando o caráter "conservador", desejável na educação.

A educação na sociedade contemporânea deveria assumir hoje uma dimensão mais criativa, porque informação temos com fácil acesso. Parece que Freud queria desenvolver pessoas com mais criatividade e mais espontaneidade. A ética e a moral e a tendência de culpar os outros inibem a criatividade tornando a pessoa mais tímida e reprimida. As raízes da falsa moral são muito profundas e alcançam o terreno da tradição e da cultura. O conceito de cidadania, democracia, justiça social e espaço público, ocupam um largo espaço na educação. A tradição cultural e a realidade econômico-política, representam a imoralidade em nossas relações sociais. Imoralidade, que revolta e provoca indiferença e conformismo. Que a educação social mediante a repressão, atinja um patamar que nos leva a pedir por uma transformação social atual, sendo preciso rever o contexto social, os preconceitos, discriminação de raça, de gênero e de classe.

Os educadores questionam e entram em conflito. Mas,k a grande saída seria a criatividade e espontaneidade. A educação nos modos tradicionais, obedecer às normas, o temor, a moral transmitida à educação e castradora. Estabelecer novos vínculos que agregam às tônicas faladas na sociedade. O indivíduo com mais liberdade, ele acaba criando. É feliz! Construindo um mundo de sonhos com alicerces e magias.

A educação hoje enfrenta dificuldades reais. Eles são sérios. Os ideais, passados de geração em geração, todos merecem encontrar felicidade através de prosperidade e da liberdade, mas não no modelo tradicional. Nossas mentes são menos inventáveis. Temos que sacudir e ter um novo começo.

O crescimento através da educação para estarmos à altura de uma nova era. O brasileiro tem memória curta, e deixa as coisas acontecerem sem reação. A imaginação se une a um objetivo comum e a necessidade se une à coragem.

Os acomodados não compreendem que o contexto mudou. O sucesso da educação estar em expandir a liberdade e o desejo. Não podemos nos desculpar por nosso estilo educacional. Devemos querer construir, evoluir com base no respeito mútuo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

FREUD, S. O futuro de uma ilusão. Obras completas de Sigmund Freud. V. XXI. Imago Editora, 1929.

_____. O mal-estar na civilização. Obras completas de Sigmund Freud. V. XXI. Imago Editora, 1927.

_____. Totem e tabu (1913). Obras completas de Sigmund Freud. V. XIII. Imago Editora, 1914.

ROUSSEAU, J. J. Exílio ou da Educação. São Paulo: Bertrand Brasil, 1992.

XAVIER, E. (1998). Declínio do patriarcado: a família no imaginário feminino. Rio de Janeiro: Record/Rosa dos Tempos, 1998..


Autor: Vívian da Mata