O Mundo Natural e o Mundo Cultural.



O mundo da natureza e o mundo da cultura se completam.

Assim, vergando sobre o que observou Miguel Reale acerca de tal noção, é possível verificar que há uma diferença marcante entre o "ser" do mundo da natureza (do que nos é dado) e o "dever-ser" do mundo cultural, em que se abriga o Direito.

O "dever-ser" do mundo cultural caracteriza-se pela liberdade de escolha de conduta.

Esta liberdade deveria ser vista com absoluta isenção de crítica, porque a escolha, via de regra, aponta para sensações de apenas dois tipos possíveis: positivo ou negativo, como em qualquer demanda possível, também, de existir.

Mas, impregnados pela horrível tentação de julgar o semelhante, o homem envereda por conclusões das mais esdrúxulas, sem importar-se com efeitos.

Por vezes, tratamos com imensa irresponsabilidade a matéria-prima do mundo natural, forçando amalgamá-lo com tons culturais que colidem com a pura essência do que é simplesmente dado pela natureza.

São as distorções !

Falhas, em grande maioria permanentes, que estabelecem caminhos conflitantes e difíceis ao homem comum, às vezes impossíveis de serem reparados.
Autor: Carlos Henrique de Carvalho e Silva