Desastres Ambientais



Às vezes, quando vemos noticiais de desastres ambientais e crimes contra a natureza, como, por exemplo, poluição de rios, matança de baleias e comércio de animais ameaçados de extinção, isso nos causa uma tristeza profunda. As pessoas sensibilizada ficam pensando até quando isso vai acontecer, por que isso está ocorrendo não só na floresta amazônica, mas em todo mundo, de maneiras desenfreadas e a olhos nus dos governantes.
Assim, ficamos perplexos e nos revoltamos pelos prejuízos que essas agressões causam à natureza e à qualidade de vida da população de modo geral. Mas, poucas vezes vemos que a busca constante que empreendemos para obter conforto e adquirir bens do capitalismo cada um de nós contribui invariavelmente para o uso desregrado dos recursos sem mesmos consultar os órgãos competentes que às vezes também fazem de conta que não percebe o que de fato vem ocorrendo todos os dias com a natureza de forma geral.
É justamente para mudar esse modo de vida que agredi o planeta que surgiu a Educação Ambiental, como uma ferramenta fundamental para a mudança comportamental relativamente ao meio ambiente. Dessa maneira, por meio da Educação Ambiental busca-se sensibilizar para tornar as pessoas predispostas à mudarem suas atitudes e posturas.
A Educação Ambiental é fundamental para a conscientização do público em geral, para uma melhoria dos comportamentos e das atitudes dos cidadãos. Cada vez mais se tem demonstrado que cidadãos sensibilizados e bem informados desempenham um importante papel para a preservação do ambiente. Cabe lembrar que educar não é um processo rápido, nem surte efeitos da noite para o dia, pois é preciso conscientizar e alterar hábitos e costumes enraizados a muitas gerações, o que implica num trabalho contínuo e intenso.
Sabe- se que mudar atitudes requer educação em longo prazo, apresentando os meios da mudança que conduzam à melhor atitude, ao comportamento adequado perante o mundo ao nosso redor, surgindo da consciência cada vez mais premente de que é necessário modificar os comportamentos humanos face às características dos espaços naturais e artificiais, restaurando-lhes o equilíbrio necessário, procurando a ética em cada ser humano.
A Educação Ambiental é um processo permanente no qual os indivíduos e as comunidades adquirem consciência do seu meio e adquirem os conhecimentos, os valores, as competências, a experiência e também a determinação que os capacita para atuar, individual e coletivamente, na resolução dos problemas ambientais presentes e futuros.
A Lei Federal nº 9.795, de 27 de abril de 1999, através de artigo 2° diz: “A Educação Ambiental é um componente essencial e permanente da educação nacional, devendo estar presente, de forma articulada, em todos os níveis e modalidades do processo educativo, em caráter formal e não-formal”. Baseando-se nisso, a Educação Ambiental formal tem sido desenvolvida em Escola pública e privadas de todo país por professores de diversas áreas (biologia, geografia, português etc.) por meio de atividades variadas, tais como: debates, palestras, workshops, dinâmicas, videoconferências, entre outras dinâmicas
Sabe- se que diversas Organizações Não Governamentais (ONG’s) e empresas privadas têm realizado ações e projetos de Educação Ambiental com a função de mobilizar e despertar o interesse da população para se envolver na proteção da natureza, mudando a atual situação de crise ambiental global, ainda é muito pouco, uma mobilização nacional seria interessante neste momento de tantas destruições e desinformação das pessoas.
Além disso, destaca-se também o papel da mídia na disseminação de informações sobre esses trabalhos, disseminando de forma ampla exemplos bem sucedidos que tem resultado em melhorias para o uso dos recursos naturais e na promoção do desenvolvimento.
Então cada um de nós precisa reconhecer seu papel na proteção do meio ambiente, contribuindo para a conservação de todos os lugares onde a vida nasce e se organiza. Não devemos só esperar o poder públicos as ONG’s que bem ou mal tem contribuído.
Autor: Rosana Fernandes Mendes