A Teoria da Gravidade em Isaac Newton



Isaac Newton.

 1642-1727.

 Seu grande valor além de ter descoberto a lei da gravidade, percebeu de forma sabiamente, que o universo todo funciona de acordo com leis governadas por princípios mecânicos.

 Além dessa descoberta magnífica procurou superar todas as formas de pensamento metafísico em justificativas de procedimentos não científicos, o mundo tomou outra configuração.

  Newton possibilitou a grande revolução na física e elaborou os preceitos básicos para física clássica, sendo superado posteriormente apenas por Einstein, mesmo assim não na sua globalidade.  

Era matemático e físico e produziu também uma grande obra filosófica, que ajudou muitos filósofos particularmente dois deles, Locke e Kant. Se não fosse Newton nenhum dos dois teriam alcançar o patamar da sabedoria em que chegaram.

A principal obra de Newton denomina-se de Filosofia natural e princípios Matemáticos, que contém a teoria da gravidade e as leis do movimento.

 Foi de fundamental importância entender o modo elaborado de Newton pensar, o universo governado por leis mecânicas insuperáveis, do mesmo modo a lei da gravidade que regula os movimentos dos movimentos espaciais em direção ao sol.  A questão da aceleração do movimento em volta do sol, objeto cabível não só a terra, mas a todos os planetas.

Naturalmente que essa concepção não é apenas uma herança de Newton, pois sabemos que ideia de movimento dos planetas em torno do sol, surgiu com Aristarco, passando pela concepção de Copérnico e Galileu, na verdade Newton cresceu sob os ombros de gênios gigantes.

A Ótica uma segunda obra, dedicou, sobretudo, a Física ótica, reflete sobre as especulações mecânicas, religião e moral, esse livro apesar do seu valor, não se compara a obra anterior que levou ao patamar da mais alta grandeza.

 Newton acabou envolvendo em uma série de discordâncias com  Leibniz, ambos muito vaidosos, cada um deles achava que era o inventor do caçulo, posteriormente, brigavam se dizendo mutuamente ter o elaborado a concepção do espaço e do tempo.

Mas o grande valor de Newton não resultou dessa relação de conflito com Leibniz, mas da sua grande concepção epistemológica, cujo sentido descreve-se o seguinte significado.

Para Newton o universo funciona segundo princípios mecânicos governados por leis.  Esse paradigma tornou se definitivo, não apenas para física clássica, mas também a moderna.  Nem mesmo Einstein teve coragem de negar essa evidência epistemológica newtoniana.  

Essa ideia influenciou por demais Locke, cuja filosofia pode ser verificada de acordo com os fundamentos da Física de Newton. Ao conhecer o trabalho elaborado pela nova Física, a Filosofia de Locke tomou um caminho definitivamente empírico.

Locke procurou explicar a sua teoria a respeito do entendimento humano de acordo com a lógica de explicação desenvolvido pela explicitação da mecânica newtoniana, desenvolvendo uma teoria de relação causal da percepção.

Tudo que existe na mente, passa existir a posteriori e só formula na mente por procedimentos empíricos, antes a mente é uma tábua rasa, como uma folha em branca, essa ideia foi herança de Newton.

Desenvolveu uma compreensão distintiva ente as qualidades primárias e secundárias em relação ao entendimento dos objetos.  A impressão pelo modelo experimental, cuja natureza destrói os princípios da metafísica.

Kant muito parecido com Locke fazendo praticamente a mesma defesa, usando quase que o mesmo nível de raciocínio, defendeu a seguinte ideia, tudo no mundo para ele.

 Tinha que ser elaborado segundo os princípios formulados por Newton, entretanto, o conhecimento para o referido tem que necessariamente ser imposto pelo aparelho psicológico da mente. No entanto, com uma pequena diferença pelo menos em síntese, a conciliação do empirismo com o racionalismo cartesiano.

 A Filosofia de Kant de certo modo ajudou Newton no debate contra Leibniz, em referência o espaço e ao  tempo como realidades absolutas, isso em referência as relações com os objetos, mas quando  tudo de certa forma estava definido eis que nasce uma nova Física.

Tudo estava praticamente definido, como se Newton tivesse vencido essa questão, mas posteriormente na Física moderna, surgiu a concepção de Einstein, com a defesa da Física relativista.

Newton criticava muito Descartes, não gostava do seu racionalismo metafísico, fruto das ideias da ideologia escolástica.

  Dizia ele ser um empirista e indutivo e que era totalmente contrário ao método dedutivo racionalista, aquele que sempre fora aplicado por diversas ciências antes da imposição empirista.

Evidentemente, que foi por meio de Newton que a Filosofia indutiva começou a ter força no mundo científico, particularmente no mundo inglês, o empirismo a respeito da Filosofia racionalista francesa.

Mas, no entanto, é necessário considerar que Newton deve  também o desenvolvimento do seu pensamento a Descartes, apesar da sua crítica,  não  se pode  desconsiderar esse aspecto.

 Descartes é indispensável a qualquer formulação filosófica  ou científica, independente da epistemologia.  Naturalmente que também sem Descartes Newton não teria elaborado a sua Física.

A questão do racionalismo deve ser entendida, que é uma prática de Filosofia epistemológica neutra, que pode ser aplicada a qualquer método, tanto ao indutivo como a prática dedutiva.

 O método indutivo está na sua formulação elementos básico do racionalismo, mesmo não sendo percebido por Newton, por esse motivo desenvolveu sua crítica a esse aspecto ingenuamente.  

Exatamente esse o grande valor da filosofia racionalista cartesiana, é praticamente impossível descartar o racionalismo como forma de fundamentação para as ciências em geral.

O que é importante na Filosofia de Descartes, ele desenvolveu um método insuperável do ponto de vista da sua utilidade prática, o racionalismo é aplicado em qualquer desenvolvimento epistemológico.

  Isso significa que depois de Descartes, não tem como a ciência não ser cartesiana, até a formulação que poderá ser denominado como anticientifico, o entendimento contrário, só poderá ser entendido a partir de uma análise racionalista.

Com efeito, o grande valor de Newton trata se da sua elaboração a respeito da teoria da gravidade, a partir da qual ele explica tudo no universo, a ideia que tudo está solto e em movimento permanente em direção ao sol.

Toda força atrai outra força, diretamente proporcional ao produto de suas massas inversamente proporcional ao quadrado da distância entre elas.

 Produzindo o fenômeno do equilíbrio entre os objetos em movimentos no espaço, razão pela qual não existem choques violentos provocando destruições.  

A lei gravitacional possibilitou a Newton entender todos os movimentos dos objetos espaciais, dos planetas as marés, das luas aos cometas.

Foi uma grande descoberta, uma das maiores contribuições ao pensamento científico, mesmo com a teoria da relatividade de Einstein.

 O que não é inteiramente convencível, dados a argumentos frágeis relativo à distância e ao movimento ao mesmo tempo, não que a compreensão antes da aceleração não fosse relativa.

Ainda hoje a mecânica de Newton perdura, para prever não só os movimentos relacionados com a gravidade, o que é muito natural.

 Mas também os movimentos em relação aos objetos e suas dinâmicas em direção ao sol, na defesa da teoria heliocêntrica transformado em um grande contribuidor para o pensamento científico.  

 Edjar Dias de Vasconcelos.

 


Autor: Edjar Dias De Vasconcelos