Xadrez Como Forma de Lazer em Tucuruí



Sávio Albuquerque* Najla Américo**

RESUMO: Este estudo trata do jogo de xadrez como forma de lazer no município Tucuruí, fundamentando teoricamente esse jogo e abordando seus benefícios dentro da perspectiva do lazer. Tem como objetivo principal analisar a prática desse jogo como lazer nesta cidade, verificando se os jogadores de xadrez locais têm noção dos benefícios de sua prática, e contribuindo com a comunidade acadêmica local com fonte de consulta para futuras pesquisas sobre este assunto.

PALAVRAS-CHAVE: Lazer; Xadrez; Jogo; Desenvolvimento.

ABSTRACT: This study it deals with the chess. game as form of leisure in the Tucuruí city, basing theoreticalty this game and approaching its benefits inside of the perspective of the leisure. He has as objective main to analyze the practical one of this game as leisure in this city, verifying if the local players of chess have notion of the benefits of practical its, and contributing with the local academic community with source of consultation for future research on this subject.

KEY -WORDS: Leisure. Chess. Game. Development.

INTRODUÇÃO

O presente estudo surgiu da própria paixão pelo xadrez e da experiência em ter ministrado uma oficina sobre esse jogo na IIISemana Acadêmica do Núcleo Universitário da Universidade do Estado do Pará (UEPA) de Tucuruí.

Segundo a Enciclopédia Barsa (1967), "o xadrez é um jogo apontado em geral como o mais intelectual dos praticados no mundo." O xadrez é um jogo muito antigo, já jogado na Índia no século VI d.C., e que chegou àEuropa cerca de 400 anos mais tarde, através da Pérsia e da Espanha. Os lances do xadrez estão relacionados com táticas de combate, e a expressão "xeque-mate" deriva de shah mat, que significa "o rei morreu". Acredita-se que este jogo tenha chegado ao Brasil

* Graduado em Educação Física pela Universidade do Estado do Pará (UEPA). (saviosavio333@yahoo.com.br)

** Professora Orientadora. Graduada em Educação Física e Especialista em Atividade Física e Saúde pela Universidade do Estado do Pará (UEPA). (najlamerico@bol.com.br)


já em 1500 com a chegada dos portugueses, mas foi com a vinda da Corte de D. João VI em 1808 que a prática ganhou um grande impulso.

O xadrez é jogado por dois jogadores num tabuleiro de 64 casas, com 32 peças, divididas em dois grupos de 16 peças. Geralmente as peças são de cor clara para um jogador e cor escura para o outro. Cada grupo de 16 peças é constituído de: um rei, uma dama ou rainha, duas torres, dois bispos, dois cavalos e oito peões. Cada peça só pode deslocar-se sob determinadas regras. O objetivo do jogo éromper a defesa do adversário e "aprisionar" o seu rei, o caracteriza o xeque-mate. Quem dá o xeque-mate no rei do adversário vence a partida.

Deve-se ter em mente que o xadrez reproduz uma situação de guerra, mas em um contexto lúdico. Onde o tabuleiro éo campo de batalha e cada jogador funciona como um general na condução de um exército. No entanto, suas decisões são fundamentais para ganhar ou perder a partida.

O presente artigo trata do jogo de xadrez como forma de fazer em Tucuruí, evidenciando parâmetros que consideram o jogo de xadrez como uma atividade de lazer.

O objetivo geral da pesquisa éanalisar a prática do jogo de xadrez como forma de lazer em Tucuruí.

Especificamente pretende-se:

• Embasar teoricamente a prática do xadrez como forma de lazer, bem como, pesquisar a importância e os benefícios de sua prática;

• Verificar se os enxadristas (jogadores de xadrez) locais têm conhecimento da importância e dos benefícios que a prática do Jogo de xadrez pode lhes proporcionar;

• Contribuir com a comunidade acadêmica do Núcleo Universitário da UEPA de Tucuruí 'com informações sobre o jogo de xadrez enquanto forma de lazer, bem como, fonte de consulta para futuras pesquisas sobre o assunto em questão.

O artigo foi construído a partir de uma pesquisa teórico-empírica com abordagem qualitativa de caráter exploratório-descritivo, pois trata de análise e compreensão dos pressupostos teóricos relacionados à prática do jogo de xadrez como forma de lazer. O objeto de estudo foram questionários com perguntas abertas, os quais foram aplicados a 15 (onze) pessoas que jogam xadrez no município de Tucuruí com faixa etária variando de 12 (doze) a 31 (trinta e um) anos de idade. Os questionários foram aplicados entre os dias 11 e 19 de outubro de 2006. Fiz observações, do tipo participante natural e uma entrevista do tipo despadronizada não dirigida, com a coordenadora do curso de Educação Física de 1ª a 4ª série do município de Tucuruí.

UMA ABORDAGEM SOBRE LAZER, XADREZ E JOGO

Para Elias e Dunning (1992, p.145, apud ALMElDA 2005), "o lazer éentendido como um tipo de atividade que éinserida no tempo livre." Para Awad (2004, p. 17), "tempo livre é o tempo do qual o indivíduo dispõe após haver realizado suas necessidades básicas e estar liberado de todas suas obrigações profissionais, familiares, sociais e religiosas." No entanto, tomando como base essas afirmações, toda e qualquer atividade, seja ela lícita ou ilícita (uso de drogas ilícitas, por exemplo), sejam as que contribuem com o processo de humanização do homem ou

com a desumanização (assaltos, seqüestros, abusos sexuais, etc.), se enquadram

como forma de lazer.

O lazer é entendido pela busca do prazer, que pode ou não ser consumado, pensando o agente como histórico e dotado de razão, que segue suas vontades, seus símbolos e padrões culturais, ou suas ações restritas às sanções e normas sociais. (GUTIERREZ, 2001 apud ALMEIDA 2005).

 

Então se qualquer pessoa estiver fazendo algo que lhe dar prazer ou que busque o prazer, pelo menos no momento da atividade, também é considerado uma forma de lazer.

A literatura enfatiza que o lazer é algo muito complexo e sua definição é bastante relativa e pessoal. Pois o que pode ser lazer para uma pessoa , já não pode ser para outra.

Moreira (2001, p. 48), diz que "o lazer éentendido, portanto, como a cultura, compreendida em seu sentido mais amplo, vivenciada no tempo disponível." Aranha (1996, p. 14), afirma: "Cultura éo resultado de tudo o que o homem produz para construir sua existência. [...] Do ponto de vista antropológico, cultura é tudo o que o homem faz, seja material ou espiritual, seja pensamento ou ação".


Desta maneira, pode-se dizer que, o lazer pode ser entendido como tudo o que o homem pensa e tudo o que o homem faz (seja atividades que contribuem com o desenvolvimento pessoal e social do indivíduo, seja atividades de mero passatempo e entretenimento; seja uma atividade sadia, seja uma atividade insana), no seu tempo livre ou disponível. Porém, é importante frisar que, Moreira ressalta:

 

O lazer é portador de um duplo aspecto educativo - veículo e objeto de educação, considerando-se, assim, não apenas suas possibilidades de descanso e divertimento, mas também de desenvolvimento pessoal e social. (MOREIRA, 2001, p. 47).

 

Partindo dessa premissa, o lazer deve ir além da possibilidade de divertimento, deve representar um desenvolvimento pessoal do indivíduo na sociedade. Nesse pressuposto o jogo de xadrez se enquadra perfeitamente com uma forma de lazer. Pois:

O aprendizado e a prática do xadrez desenvolvem várias habilidades como: a atenção e a concentração; o julgamento e o planejamento; a imaginação e a antecipação; a memória; a vontade de vencer, a paciência e o autocontrole; o espírito de decisão e a coragem; a lógica matemática, o raciocínio analítico e sintético; a criatividade; a inteligência; a organização metódica do estudo e o interesse pelas línguas estrangeiras. (PARTOS apud SÁ s/d).

Portanto, o xadrez não representa simplesmente mais uma opção de lazer, mas uma possibilidade de desenvolvimento através do lúdico, ou seja, a pessoa não só se diverte e sente prazer, por meio do xadrez se constroem e adquirem valores e conhecimento.

Segundo Terrash, (apud SANTANA s/d), "o xadrez é uma forma de produtividade intelectual e nisso reside seu encanto peculiar. A produtividade intelectual é uma das maiores alegrias - se não a maior - da existência humana [...]" Vale ressaltar que o jogo de xadrez abrange diversas faixas etárias. Cita Fiske, (apud SANTANA s/d), "o xadrez dá prazer ativo à juventude, sóbria satisfação àmaturidade e perpétuo consolo àvelhice".

O jogo de xadrez também proporciona a diversão, visto que distancia o tédio, como afirma Zweig, (apud SANTANA s/d), "o jogo de xadrez, tende a 'afastar o tédio', aguçar os sentidos, exaltar o espírito".

Contudo, uma vez que o jogo de xadrez pode propiciar diversos benefícios aos seus praticantes, sem dúvida alguma esse jogo representa uma ótima opção de lazer, haja vista que, através de sua prática é possível que o indivíduo desenvolva-se e se divirta ao mesmo tempo, o que vai ao encontro das idéias de muitos pesquisadores da área educacional quando dizemque, a melhor forma de aprender é se divertindo por meio de uma atividade lúdica. E o jogo de xadrez é uma atividade lúdica e saudável, podendo então, ser utilizado como objeto de ensino para ajudar na aprendizagem de crianças nas escolas.

A importância da aprendizagem pela prática do xadrez vem sendo comprovada em inúmeras pesquisas em diversos países. Tamanha é a grandiosidade da importância da prática do xadrez que alguns países como, Cuba, Romênia e Venezuela o adotam como disciplina escolar obrigatória.

No Brasil, o xadrez ainda que meio tímido, vem aumentando o seu número de adeptos. Contudo, a prática desse jogo em nosso país vem crescendo gradativamente. Tanto é que alguns estados brasileiros como, Minas Gerais, Pernambuco, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro e Paraná, vêm adotando o xadrez nas escolas como um instrumento Educacional Em Tucuruí, o xadrez também faz parte das atividades de algumas escolas como conteúdo das aulas de Educação Física.

No geral, o xadrez possui um caráter educativo. Porém, esta pesquisa procura abordar mais a questão do jogo de xadrez como forma de lazer, embora o caráter educativo esteja intrínseco.

Utilizo nesta pesquisa a expressão "jogo de xadrez", porque como forma de jogo, ele caracteriza melhor o lazer. Não quero dizer que como esporte ele não seja lazer, pois a ludicidade éinerente ao ser humano, porém se tratando de esporte de rendimento, onde o que importa são os resultados a qualquer custo, e para isso o indivíduo tende a passar a maior parte do seu tempo treinando, no caso do xadrez analisando e estudando rigorosas partidas, certamente pode perder um pouco o "ingrediente" do lúdico, o qual éum fator sumamente importante, sobretudo, nos conteúdos de lazer. Assim, afirma Schwartz, (2004, p. 112): "[...], as manifestações do lúdico que se encontram inseridas nos conteúdos do lazer passam a ser encaradas como parte integrante de um processo mais amplo de construção sacial e cultural."

Então, por assumir um caráter mais lúdico, évalorizada nesta pesquisa a expressão "jogo de xadrez". Mas segundo Costa:

O xadrez é considerado uma elevada criação do gênero humano, mesmo que voltado para o prazer (jogo = brincadeira = esporte) e que se difundiu desde sua debatida origem por praticamente todas as culturas e países do mundo. Em seu aspecto formal, o xadrez liga-se a ciência dmpregarlOo o metodo e o pragmatismo científico, une-se a arte, devido ao seu valor e impacto estético originais, derivado do esforço de se jogar bem e bonito e de seu inerente desafio de criatividade; e por fim, também ao esporte, por envolver dois adversários em luta direta a partir de condições iguais, sob regras permanentes definidas e medem entre si e os demais certas habilidades típicas. (COSTA, 2005, p. 348).

Já que aqui o xadrez é tratado como um jogo, precisa-se de algum esclarecimento a esse respeito, como, por exemplo, adotar uma definição do que é

jogo. De acordo com Huizinga (2001):

O jogo é uma atividade ou ocupação voluntária, exercitada dentro de certos e determinados limites de tempo e de espaço, segundo regras livremente consentidas, mas absolutamente obrigatórias, dotado de um fim em si mesmo, acompanhado de um sentido de tensão e de alegria e de uma consciência de ser diferente da "vida cotidiana". (HUIZINGA, 2001, p.33).

 

O jogo em si, também foi objeto de estudo de Kishimoto (2003), e de acordo com a autora:

No jogo, nunca se tem o conhecimento prévio dos rumos da ação do jogador. A incerteza está sempre presente. A ação do jogador dependerá, sempre de fatores internos, de motivações pessoais bem como de estímulos externos, como conduta de outros parceiros." (KISHIMOTO, 2003, p. 5).

É bem sabido que o jogo promove a sociabilização, a integração e a interação entre as pessoas, o que dá mais relevância aos jogos de uma forma geral, uma vez que, nos nossos dias, a arte de viver em sociedade é cada vez mais exigida e vem ganhando mais importância. No entanto, quando praticamos jogos com outras pessoas nossa experiência se engrandece já que a sociabilidade é agregada a nossa vida, surgindo assim sentimentos morais e a consciência de grupo.

Kishimoto (2003) trata do xadrez como um jogo, e afirma:

Na partida de xadrez, há regras externas que orientam as ações de cada jogador. Tais ações dependem, também, da estratégia do adversário. Entretanto, nunca se tem a certeza do lance que será dado em cada passo do jogo. Esse tipo de jogo serve para entreter amigos em momentos de jazer, situação na qual predomina o prazer, a vontade de cada um participar livremente da partida. (KISHIMOTO, 2003, p. 1).

Uma vez que Kishimoto trata o xadrez como um jogo de regras, Piaget (1975, p. 216, apud MELLO 1989, p. 68) frisou que "o jogo de regras apresenta precisamente um equilíbrio sutil entre a assimilação ao eu - princípio de todo o jogo - e vida social".

Portanto, o xadrez merece crédito, porque nos ensina o mais importante na solução de um problema, que é saber olhar e entender a realidade que se apresenta. Ademais, posso concluir que o xadrez é uma excelente opção de lazer, visto que não contribui somente com o descanso e divertimento, também proporciona o desenvolvimento do indivíduo enriquecendo não só o nível cultural, mas também, várias outras capacidades como a memória, a agilidade no pensamento, a segurança na tomada de decisões, o aprendizado na vitória e na derrota, a capacidade de concentração, entre outros. O ensino e a prática do xadrez têm relevante importância pedagógica, na medida em que tal procedimento implica, entre outros, no exercício da sociabilidade, do raciocínio analítico e sintético, da memória, da autoconfiança e da organização metódica e estratégica do estudo.

 

RESULTADOS E DISCUSSÕES

 

O jogo não é somente a satisfação do desejo, mas também, triunfo e domínio da realidade. No caso do jogo de xadrez principalmente, pois durante uma partida, o jogador é submetido a analisar algumas jogadas, estratégia ou "posições de jogo" (termo utilizado por enxadristas), tanto suas, quanto do adversário. E depois de rigorosas análises, o enxadrista procura solucionar o problema, ou seja, encontrar a melhor continuação de jogadas que possam lhe conduzir a vitória. No entanto, a análise do jogo é feita sem tocar nas peças, pois é uma das regras, "peça tocada épeça jogada". Diante disso, o jogador desenvolve a capacidade de concentração, visualização, tomada de decisão, coragem, planejamento, análise e síntese.

Porém, em algumas situações na partida é exigido muito mais do jogador. a mesmo, precisa ser criativo e intuitivo para resolver alguns problemas. Necessita estar bem concentrado para não cometer nenhum vacilo na condução de suas peças. Por isso é que no jogo de xadrez existe uma batalha também psicológica, no entanto, muitos autores concordam que o jogo de xadrez contribui para o desenvolvimento do autocontrole, paciência, atenção, tomada de decisão, enfim, contribui com o desenvolvimento psicofísico do indivíduo.

De acordo com o depoimento dos entrevistados, todos gostam de jogar xadrez. E a grande maioria deles o praticam numa média de três vezes por semana. Alguns salientaram que costumam jogar sempre que estão com tempo disponível. Vale lembrar que dentre os entrevistados há pessoas que trabalham e estudam, e outros que só estudam ou só trabalham. Cito isso para esclarecer que nenhum dos entrevistados passa a maior parte do tempo em estado de ócio. Segundo Awad, (2004, p. 16), "ócio éo não trabalho, o 'nada fazer' de forma lúdica, positiva e opcional".

Verifiquei que todos os entrevistados consideram o xadrez como uma forma de lazer. Sendo que a maioria ao responderem, destacaram que sentem prazer e se divertem ao jogar. Porém, um dos entrevistados, comentou que considera o referido jogo uma forma de lazer porque desenvolve a mente. Esse comentário é um tanto interessante, pois é evidenciado o desenvolvimento, o que converge com as idéias de Moreira (2001) quando enfatiza o desenvolvimento dentro das atividades de lazer. E sobre o jogo em si, tende ao mesmo ponto defendido por Soler (2003, p. 43), onde cita que: "o jogo cria ambientes gratificantes e atraentes servindo como estímulo para o desenvolvimento integral do indivíduo." Dentro dessa mesma perspectiva, fundamentada por Moreira (2001) e Soler (2003), todos os entrevistados consideram o jogo de xadrez uma atividade adequada para preencher o tempo livre e muitos ressaltaram que além de preencherem o tempo livre, se divertem e trabalham a mente.

Sobre a importância do jogo de xadrez, todos responderam afirmativamente. E assim como na literatura, Soler (2003, p. 38), afirma que "o jogo é, por excelência, um integrador. [...] aprendemos no jogo como solucionar problemas na vida, [...]". O entrevistado A, de 17 anos, respondeu: "o jogo de xadrez trás benefícios como saber lidar com certas situações do dia-a-dia, desenvolve a criatividade e o raciocínio." Com base neste depoimento, o qual se assemelhou a muitos outros, fica claro que, pelo menos no senso comum, os jogadores de xadrez locais têm noção da importância e dos benefícios que a prática deste jogo pode Ihes propiciar.

Dentre as perguntas do questionário, destaco a seguinte: "Você acredita que o jogo de xadrez tem contribuído com o seu desenvolvimento pessoal e social?". Todas as respostas foram afirmativas. E o entrevistado B, de 12 anos, ressaltou: "[...] aprendi me relacionar melhor com meus amigos. As pessoas que sabem que eu jogo xadrez me convidam para jogar em grupo e assim aumento meu número de amizades." Esse depoimento constata o poder de sociabilização que o jogo de xadrez possui e ao mesmo tempo confirma o que muitos autores pregam a respeito do jogo como um agente sociabilizador e integrador. Sobre este aspecto do jogo, afirma Ferreira (2003, p. 37), "o jogo é uma atividade física e/ou mental que favorece a sociabilização, e é realizado obedecendo a um sistema de regras, visando um determinado objetivo".

Sobre se houve alguma contribuição oriunda da prática do jogo de xadrez na vida dos entrevistados, todos responderam que sim. Alguns enfatizaram a questão da percepção, outros da sociabilização e outros salientaram para as melhorias na vida estudantil, dando ênfase ao raciocínio lógico e a matemática.

Por meio de observação participante do tipo natural, percebi que os praticantes do jogo de xadrez deste município, possuem uma motivação própria para jogar. Foi possível perceber também que eles sentem prazer ao jogar e se empolgam com algumas jogadas, sobretudo, quando dão xeque-mate.

Cabe ressaltar que, alguns enxadristas marcam o horário e o local para jogarem, ora em alguma praça da cidade, ora na casa de um amigo. Com isso, posso dizer que os jogadores de xadrez se reúnem, assim como os de outras modalidades fazem, como, por exemplo, as pessoas que participam das "peladas" de futebol nos finais de semana.

Foi observado ainda que, geralmente quando as pessoas estão jogando xadrez, aparece alguém que não sabe jogar. Este à primeira vista, fica meio confuso ao assistir as partidas e ao mesmo tempo curioso em saber como se joga. Porém, notei que a maioria das pessoas que sabem jogar não se propõe ou não gostam de ensinar o xadrez. E pelo que presenciei, essas pessoas não possuem um embasamento pedagógico para ensinar, pois as raras pessoas que tentam ensinar, normalmente não obedecem à regra de iniciar pelo mais simples até chegar ao mais complexo. Mesmo assim, sem a colaboração de alguém para Ihes ensinar, alguns aprendem observando e tirando algumas dúvidas com quem já sabe jogar.

A coordenadora do curso de Educação Física de 1ªa 4a série informou que o xadrez faz parte das atividades de quatro escolas municipais, e tem-se uma proposta que daqui mais ou menos dois anos o xadrez seja incluso em todas as escolas do município. No entanto, isso demonstra que o nosso jogo está aumentando sua popularidade e sua importância está cada vez mais ganhando reconhecimento.

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

O lazer está relacionado àbusca pelo prazer. E, uma vez que, o prazer éum princípio determinante da vida das pessoas, o lazer toma-se essencial para a formação do caráter de qualquer indivíduo.

De modo geral temos que entender que o lazer não éalgo fútil como muitas pessoas acreditam. Para quem está praticando, qualquer que seja a atividade de lazer, ela tem seu significado e seu valor.

A prática do jogo de xadrez em Tucuruí dá-se como forma de lazer, e as pessoas que o praticam sabem da importância e dos seus benefícios.

De acordo com Requixa (1980, apud SCHWARTZ, 2004, p. 112), "o lazer acaba sendo visto como um elemento integrante e importante da vida social do indivíduo". Para Schwartz (2004):

O lazer pode ser considerado um gerador de vários benefícios ao indivíduo, dentre eles, os psicossociais, que podem ser entendidos como as possibilidades de enriquecimento pessoal e coletivo, ao valorizar e fortalecer laços afetivos, e despertar sentimentos de cooperação e de solidariedade. (Schwartz, 2004, p.112)

Esta pesquisa evidenciou que algumas pessoas têm interesse em aprender o jogo em questão, e, no entanto, não possuem apoio ou instrução para iniciá-Ia. Diante dessa realidade, sugiro que os setores públicos e privados acatem essa causa, procurando intervir de tal maneira que satisfaçam essa necessidade, como por exemplo, executando oficinas e/oumini-cursos de xadrez, trabalhando a inclusão do mesmo nos clubes já existentes na cidade, ou ainda criando clubes específicos para este fim. Uma outra maneira de incentivar a prática do xadrez neste município éincluir esta modalidade nos Jogos Estudantis Tucuruienses (JETs).

Espero que com esta pesquisa, tenho contribuído com a comunidade acadêmica deste núcleo universitário, e de uma forma geral com todos aqueles que um dia consultarão este artigo.

 

 

REFERÊNCIAS

 

 

ALMEIDA, Marco Antonio Bettine de. O lazer na reclusão: construção de novos modelos teóricos a partir da estruturação histórico-teórica do fazer. Revista Digital- Buenos Aires - Ano 10 - N° 83 - Abril de 2005. Disponível em <http://www.efdeportes.com/efd83/Iazer.htm> acesso em: 27 Set 2006.

 

 

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Filosofia da educação. 2. ed. rev. e ampl. São Paulo: Moderna, 1996.

 

 

AWAD, Hani Zehdi Amine. Brinque, jogue, cante e encante com a recreação.Jundiaí, SP: Fontoura, 2004.

 

 

COSTA, Lamartine da. (Org.). Atlas do esporte no Brasil.Rio de Janeiro: Shape, 2005.

 

 

Enciclopédia Barsa. Encyclopedia Britannica Editõres Ltda. VaI. 14. Rio de Janeiro: 1967.

 

 

FERREIRA, Vanja. Educação Física, recreação, jogos e desportos.Rio de Janeiro: Sprint, 2003.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. 5. ed. São Paulo-SP: Perspectiva, 2001.

KASPAROV, Garry. Aprenda xadrez com Garry Gasparov. 8. ed. Rio de Janeiro, RJ: Ediouro, 2005.

 

 

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. O jogo e a educação infantil.São Paulo: Pioneira, 2003.

 

 

LAKATOS, Eva Maria, MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica.6. ed. São Paulo: Atlas, 2005.

 

 

MELLO, Alexandre Moraes de. Psicomotricidade, educação física e jogos infantis.3° ed. São Paulo: Ibrasa, 1989.

 

 

MOREIRA, Wagner Wey. (Org.). Qualidade de vida: complexidade e educação. Campinas, SP: Papirus, 2001.

 

 

PIMENTA, Ciro José Cardoso. Xadrez: esporte, história e sua influência na sociedade.Disponível em: <http://www.cdof.com.br/xadrez.htm>acesso em 13 out. 2006.

 

 

SÁ, de Antônio Villar Marques. Xadrez nas Escolas (on line). Disponível em <http://www.clubedexadrez.com.br/menuartigos.asp?s=cmdview219> acesso em 06 Abr 2006.

 

 

SANTANA, Leonel Pereira. Curso de XadreL Disponível em <http://www.clubemontetrbanosjp.com.br/xadrezcurso.asp> acesso em: 28 Ago 2006.

 

 

SCHWARTZ, Gisele Maria. (Org.). Dinâmica Lúdica: novos olhares.Barueri, SP: Manole, 2004.

 

 

SOLER, Reinaldo. Jogos cooperativos.2. ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2003.

 

 

APÊNDICE A - QUESTIONÁRIO

Este questionário é um instrumento de pesquisa com intuito de analisar o jogo de xadrez como forma de Lazer na cidade de Tucuruí. Eu Sávio Ferreira de Albuquerque como acadêmico da Universidade do Estado do Pará, lhe asseguro que as informações contidas neste questionário serão utilizadas para o fim que se destina, não havendo nenhum constrangimento moral dos entrevistados que se propuserem a participar da pesquisa.

1.Nome:

2.Idade:

3.Sexo:

4.Profissão:

5.Você gosta de jogar xadrez?

6.Já faz quanto tempo que você joga xadrez?

7.Com que freqüência você costuma jogar xadrez?

8.Você conhece mais ou menos quantas pessoas que jogam xadrez em Tucuruí?

9.Você considera a prática do xadrez uma forma de lazer? Por quê?

10.Para você, a prática do xadrez éuma atividade adequada para preencher o tempo livre? Por quê?

11. Você considera o jogo de xadrez importante? Por quê?

12.Você percebe alguma contribuição oriunda da prática do xadrez na sua vida estudantil e/ou no seu trabalho? Se a resposta for afirmativa, por favor, comente um pouco.

13.Você acredita que o xadrez tem contribuído com o seu desenvolvimento pessoal e social? Se a resposta for afirmativa, por favor, comente um pouco.


Autor: Sávio Ferreira de Albuquerque


Artigos Relacionados


País De Duas Faces

Xadrez Como Forma De Lazer Em Tucuruí

A MetafÍsica Quadriculada

Envelhecer Com Saúde é Um Prêmio Pra Quem Começa A Se Cuidar Cedo

A Juventude

Educação Física Escolar

Os Jogos Na Clínica Psicopedagógica