Um Dia Após o Outro!



Hoje, por estimativa, vejo que a melhor coisa que nos acontece é, exatamente, um dia depois do outro!

A seqüência diária ou diuturna nos permite renovar os nossos critérios e julgamentos, ao mesmo tempo em que nos livra, embora possa ser passageiro, das forças dos dissabores projetados ou, aceitos por nós, de forma dolosa e/ou, culposa!

Da mesma forma e, circunstância, também, o passar dos dias afastam de nós as vitórias e, os acontecimentos benfazejos, os deixando no ostracismo, pela passagem célere e, constante, do Tempo.

A Vida não passa por nós, pois, na verdade, somos nós que trafegamos por Ela! Esse trânsito é seqüente até o nosso final e, tem por base o nosso procedimento com Tudo o que nos rodeia, porém, sempre, doando para recebermos, em troca, a oferenda em reciprocidade!

Qualquer ato honesto, expedido ou, recebido, tem que conter em si toda uma gama de idéias e sentimentos probos, caso contrário, ocorrerão desnível, com os emissores e, receptores se enxovalhando com a falsidade dada e, recebida!

A amenidade resultante da passagem dos dias, na azáfama hodierna, é uma "válvula de escape" a nos proteger dos eventos aziagos com presságios maléficos que nos atormentam, pois, Eles, a cada hora ultrapassada, Ficam para trás, nos deixando, tão somente, a sua lembrança a se extinguir! Não fora assim, como sobreviveríamos em paz, por exemplo: com, a perda de um ente querido?

A seqüência diária só será benfazeja para quem for honesto e cumpridor dos seus deveres dignos, pois, aos bandidos e maléficos, a cada dia que passa, é um acumulatórios de feitos indignos, seqüentes e, inconseqüentes, onde, não ocorrerá o abrandamento benéfico para Eles e, sim, a reincidência do... Mal!

Por falar nisso, de uns anos para cá, tenho feito de tudo para publicar os meus 20 livros, volumosos e, inéditos (Poesias, Suspense policial, Ficção estelar e Textos), sempre me esbarrando nas parcerias pedidas pelas Editoras, onde, me falta o "maravilhoso metal!" Porém, acreditando no passar dos dias, encontrei a Editora Virtual Libri que, há poucos dias, publicou, gratuitamente, o meu livro: BARACHO O GUARDIÃO DA CHAVE! (Ficção), pelo preço de DEZ REAIS, nada me cobrando pela publicação em foco.

Peço aos amigos e, os que gostem de ficção estelar, que COMPREM o meu livro, por meio do Site: www.virtuallibri.com

A seguir, apresento uma sinopse do livro referido:

Uma Chave que se preze terá sempre uma dupla função: A de abrir alguma coisa ou... Fechar!
Às suas duas atribuições pode parecer antagônicas ante um observador precipitado ou inepto, entretanto, num exame criterioso e idôneo de um observador capaz (daqueles que dissecam tudo que lhes apresentarem como ponto passivo de entendimento pleno e, anteriormente, aceito), Ele entenderá que não haverá duplicidade antagônica numa Chave que abre e fecha algo, simplesmente, pelo fato de cada ação ser completa em si própria sem deixar lacunas para a outra função específica.
Quando abrimos qualquer coisa, descortinamos o seu interior e, quando fechamos, nos é vedado o que foi lacrado, todavia, não é a Chave que atua e, sim, o seu manuseador! De forma idêntica, ou aparente, uma arma de fogo não atira e um computador não computa, sem uma mente ou, mão a manejá-los ou, os programar.
Dessa maneira, ouso dizer, sem receio de errar ou parecer um parvo ou ateu, que, seguindo essa minha linha de raciocínio, poderemos equiparar várias situações, dentre elas, às seguintes:
—A realidade nada valerá sem a ficção para destacá-la ou, divergir, sem comprovação estilizada ou escolarizada no tirocínio atual, bem como, a ficção de nada servirá sem a realidade para dar-lhe o contencioso veraz, ou não!
—Deus, Todo Poderoso e Arquiteto do Universo! Não quis destruir o demônio ou o "Mal", justamente para não formar hostes de robôs a lhe dizerem "Amém!", preferiu que os seus filhos viessem a escolher o "Caminho para Ele" optando entre o "Bem" e o "Mal".
—Satanás, totalmente sem Deus, perderá todo o seu poder maléfico senão tiver um adepto sequer e, para conseguir a platéia, utiliza a ficção que não tiver o respaldo ou a orientação da realidade pura e indiscutível.
—"Uma maçã podre colocará o cesto a perder" se não tiver um "Cesteiro" que saiba usar a realidade e a ficção para o Bem, dessa forma, separando às ruins das boas e dando a cada uma o destino que o seu discernimento achar melhor, porém, nunca ficando com as podres!
—Os bandidos, em vários lugares, se sobressaem em relação aos bons e honestos, exatamente pelo fato de ser permitido a "mistura do podre com o são", principalmente, nas prisões e pontos defectos longe da "Luz da virtude".
Este posfácio, intencionalmente, pouco diz da obra que ele pretende encerrar, isso, pelo fato dela não acabar aqui, muito ainda o autor terá que escrever para tal, o assunto aludido no GUARDIÃO DA CHAVE! Ou...O ESCOLHIDO!  É como uma maçã sadia se relacionando com outras idênticas e... Com as podres!

A obra em pauta é ficção! Contudo... Será realmente?

Sebastião Antônio BARACHO
conanbaracho@uol.com.br
Fone:(31)3846-6195


Autor: Sebastião Antônio Baracho


Artigos Relacionados


Aos Novos CÃes Da ProvÍncia

A Perspectiva Construtivista De Ensino

A Morte Anunciada De Um Lóbulo

O Escritor... Iniciante!

O Século Xxi

As Pontuais Mudanças Trazidas Pela Lei 11.689/08 = Júri

O Ciclo Do Nitrogênio E A Camada De Ozônio