Empresas Familiares...”cases X Lições De Casa”



Á medida que prosseguem as pesquisas que venho fazendo sobre Gestão de Negócios Familiares, com material nas línguas portuguesa, inglesa e espanhola, vou captando informações, que mostram que independente do país, os problemas deste tipo de negócio são muito parecidos. Onde existem pais, o processo de sucessão pressupõe os filhos como sucessores em primeira instância, principalmente em países como Portugal, Espanha, na Europa e os de língua espanhola, aqui na América do Sul. Alguns países tem uma grande preocupação com esse tema, como Portugal, onde o assunto é tratado em faculdades e associações de jovens empresários, com muita intensidade. Na América do Sul, Uruguai, Chile, Argentina, estão na frente, na intensidade com que tratam o tema Gestão Familiar, seja pelas universidades ou associações de classe, como de jovens empresários.



No Brasil, alguns estados, como Rio Grande do Sul e Santa Catarina parecem estar na frente, em volume de eventos realizados, nas universidades e nas associações comerciais industriais, de classe, de jovens empresários. Depois São Paulo e Rio de Janeiro também estão tratando o assunto com muita seriedade, com introdução até mesmo de disciplina de “gestão familiar”, em grades curriculares. Outros Estados, começam a buscar informações sobre o tema, a começar por Pernambuco e Bahia, onde já existem profissionais do ramo em Recife e Salvador, com atuação ainda local, mas já trazendo o tema, para universidades e associações.



Estou relatando alguns cases, com os quais tomei contato pessoalmente nas minhas atividades profissionais, os quais acredito trarão interessantes “lições de casa”, para refletirmos.



CASE I : um casal com 02 filhos homens, que desejavam criar seu próprio negócio particular....não desejando atuar no negócio dos pais...



O casal em uma rede de lojas 1,99 com mais de 40 lojas de porte, estão na faixa dos 50 anos e tem 02 filhos em torno dos 25 anos.....Numa primeira fase,ainda adolescentes, foram introduzidos na empresa, sem uma responsabilidade definida, para um primeiro contato com o negócio, orientados por um gerente..... Por razões “indefinidas”, sua vocação migrou ainda na adolescência para o desejo de atuar em rodeios, principalmente com tropas e comitivas....Como é uma região onde existem rodeios famosos, como a Festa do Peão de Barretos, A Expô de Fernandópolis e o Country Bull de Rio Preto, eram assíduos freqüentadores e provavelmente sofreram influências do sucesso de grandes tropeiros, como Paulo Emílio, do Touro Bandido e outros. O fato é que não queriam mais tocar os negócios dos pais, como opção profissional. Num primeiro momento houve uma forte reação do pai,que chegou a impor a presença deles no escritório da empresa, dando-lhes algumas atividades administrativas. Mas não funcionou, porque agiam com displicência, sem dedicação e os trabalhos não eram realizados. A mãe, pressionada pelo pai de um lado e pelos filhos de outro, optou por apoiá-los e conseguiu convencer o marido a aceitar a opção dos filhos, inclusive investindo no negócio. Felizmente, um final feliz, já estão com uma boa tropa e alugando seus equipamentos e animais para diversos rodeios, já com algum lucro.



Lição de Casa :

1. se houver compatibilidade entre vocação e atividade exercida, a possibilidade de sucesso será maior do que em outras circunstâncias...

2. os pais devem entender que seus negócios foram “originados dos seus sonhos” e que seus filhos podem ter sonhos, metas e objetivos diferentes, sem atração alguma pelos negócios da família...

3. outra faceta é enxergar os conflitos de interesse pelo lado positivo, entender que sua empresa pode ter como missão “fazer a terraplanagem da estrada” que vai levar seus filhos ao futuro...



CASE II – A família, um casal, com 02 filhas e 01 filho adolescente , com uma filha formada em Direito e querendo advogar, a outra, ainda estudante atuando na empresa e o menor, desejando atuar em outro segmento.



A família, tem um grande supermercado, que é gerenciado pela esposa, enquanto o marido atua no setor de transporte e depósito. A filha mais velha formou-se em direito e tem como sonho ser promotora ou juíza. Já vem estagiando em escritórios de advocacia na cidade, em busca do seu espaço e aos sábados vai para o supermercado ajudar a mãe e avó devido movimento. Já tem seus objetivos e metas definidos e discutiu isso várias vezes com os pais, que parecem ter aceitado, mas guardam uma pontinha de esperança lá no fundo, que ela mude de idéia..... Ao conversarmos com a menina, ela comentou que sabe onde quer chegar e vai ser juíza. A outra filha, também estudante de direito, atua no escritório do supermercado e comentou que primeiro quer se formar, para depois decidir...ainda tem dúvidas sobre as opções profissionais para seu futuro. O menino, de apenas 14 anos, alto e forte, vem brigando com os pais, porque não deseja trabalhar no supermercado e sim em sítios e fazendas. Como a família tem um sítio, nos finais de semana, quando não tem aulas, ele quer ir para o sítio lidar com os animais, porcos, vacas, galinhas, enquanto os pais querem que ele venha ajudar no supermercado...essa ajuda acaba sendo na expedição, ajudando a colocar entregas nos caminhões ou no depósito, ajudando o pai, nas descargas de mercadorias...Fisicamente, o menino é muito forte e tem porte ser peão de rodeios, que é o sonho dele, conforme comentou conosco, quando conversamos com ele a pedido da mãe...Conversamos com os pais, que ficaram de conversar mais e pensar numa decisão.



Lição de Casa :

1. vocação sempre é mais forte que imposição de qualquer atividade, simplesmente por ser da família....vocação traz prazer na realização das coisas, faz com que as coisas sejam feitas com mais qualidade e isso traz melhores resultados....

2. as famílias precisam criar a estrutura funcional (...antigos organogramas....), com visão profissional, colocando profissionais adequadamente preparados nas funções, mesmo que tenha filhos formados que possam assumir, mas que não desejem fazer isso....

3. as empresas funcionam melhor, quando não desmontam as famílias e as famílias também, quando não desmontam as empresas...nada impede que se invista em atividades diferentes do negócio da família, gerando novos negócios para herdeiros que tem certeza do que desejam...



Autor: Prof.João Mariano de Almeida, administrador de empresas, com pós em RH e mestrando em Gestão de Negócios, atuando desde 1981, em Projetos de Melhorias de Resultados (produtividade/processos/qualidade, reduzir custos/desperdícios, marketing/vendas/gerar novos negócios, RH/motivação), em negócios familiares. É autor dos áudios (cd´s/voz) “As 10 Dicas para Sucesso da Empresa Familiar” e “Sugestões para Solucionar Problemas na Gestão Familiar”, já disponíveis na região. Realiza também palestras gratuitas, com fins sociais, para recolher alimentos para entidades sociais. Cel. (17) 9702-1007 / em: pmr.mariano@bol.com.br / pmr_almeida@hotmail.com
Autor: João Mariano de Almeida


Artigos Relacionados


Reflexões E Ferramentas Para Uma Atitude “pró-resultados” Nas Empresas Familiares Ou Pessoais

A Mulher Nas Empresas Familiares

Como Devemos Começar Da Maneira Correta Um Negócio De Família?

Empresas Familiares: SÓ ''tropica Quem Anda''... SÓ ''vence Quem Corre''....

O Modelo Do Gerente De Sucesso – 10 Reflexões

Como Evitar Os Conflitos Nas Empresas Familiares

Empresas Familiares – Cases X Lições De Casa – Xi