Separados pelo distante



Autor: JOciNNeY dos Santos

E-mails: ienicojds@gmail.com / ienicojds@hotmail.com

Foi assim que Kate e eu descobrimos o amor, através de um site de relacionamentos nos conhecemos e logo passamos a compartilhar nossas histórias.

Eu sempre fui ligado à internet, adotei o mundo virtual e passei ter uma vida totalmente diferente da vida que as pessoas viviam lá fora.

Eu ainda cursava o 3º ano do ensino médio quando resolvi me trancar no meu quarto que ficava na parte de cima da casa onde eu morava com minha mãe, minha avó e meus dois irmãos um de doze e outro de oito anos de idade. Tudo começou quando recebi um convite de uma garota que morava no leste da Europa para ser minha amiga no site de relacionamento. Eu fiquei surpreso com a idéia e eu queria saber como era que aquela garota tinha conseguido me achar no meio de tantos outros brasileiros cadastrados naquele site.

Passamos a trocar mensagens e o melhor de tudo que ela era brasileira e falava português tão bem quanto escrevia. Kate era assim que ela se chamava ou pelos menos gostava que eu a chamasse, eu disse para ela que o meu era Jonny, pois era assim que as pessoas me chamavam em casa, na rua, na escola e no site.

No começo eu não levei fé de que aquele nosso relacionamento iria durar tanto tempo assim também não pensei que fossemos viver tantas histórias emocionantes. Ela disse o nome da cidade onde morava mais eu nunca conseguir pronunciar corretamente ou escrever tal nome, só sei que a minha cidade ela conhecia muito bem. Cidade do sol no interior do Pará, a cidade onde toda a minha geração nascera e eu também. Comecei a ficar mais tempo no computador e menos tempo lá fora, eu fui mal ao último bimestre da escola, sorte que conseguir passar, pelos conselhos de Kate eu teria passado sem sufoco, ela não queria que eu deixasse de faltar um dia de aula, mas eu era teimoso para mim, passar doze horas do meu tempo teclando com ela era tudo que eu queria nessa vida que eu levava tão solitário sem amigos e sem ninguém para conversar assim tão próximo de mim. Kate me proporcionava momentos de prazer e felicidade mesmo estando tão longe. Já havia passado três meses desde o dia em que a gente se conheceu, mas até aquele exato momento eu ainda não tinha parado para pensar na distancia que separava ela de mim, talvez nem ela tivesse parado um pouco para refletir sobre o assunto.

Já estávamos no mês de Dezembro e faltavam poucos dias para o Natal. Kate prometeu me dar um presente, pediu o endereço de onde eu morava e eu me sentia tão seguro que acabei cedendo o meu endereço sem medo.

Quando ela perguntou que presente eu lhe daria, aquilo mexeu muito comigo por que eu era um garoto pobre, minha avó era aposentada e minha mãe era costureira e eu não trabalhava ainda, quer dizer, ganhava alguns trocados dando aula de reforço para os filhos do meu vizinho, mas era pouca coisa e isso só era possível nos sábados por que nos dias de semanas eu tinha que dar uma força para minha mãe nas tarefas de casa.

Minha mãe começou a estranhar o meu comportamento quando eu passei a conhecer Kate, mas eu não disse de quem se tratava. Sei que minha mãe não merecia ser esquecida assim por mim daquele jeito, mas o amor que eu sentia por Kate era maior do que tudo que eu tinha nessa vida. No dia 18 de dezembro, decidir contar algumas coisas a mais de mim para a minha amada, ela precisava saber que eu era pobre e que não tínhamos condições de viver juntos por que eu jamais iria ter dinheiro para pagar uma passagem de avião para viajar dentro do Brasil, para a Europa era um sonho impossível. Era meio dia, terminei de lavar as louças para minha mãe que se queixava de dor de cabeça, também passou a noite passada costurando camisas que um velho amigo nosso encomendara para ser entregue até dois dias antes da véspera de Natal, isso explica o grande esforço de minha mãe... Devagar subir as escadas, ela ouviu os meus passos e logo me interrompeu dizendo: - Filho já vai de novo para esse computador? Você vai acabar ficando com problemas de vista, por que não sai um pouco meu filho para tomar um ar lá...

Eu nem deixei minha mãe terminar e fui logo dizendo: - Mas... Mãe o que eu vou fazer essa hora na rua hein?

Minha mãe não disse mais nada, só balançou a cabeça fazendo sinal de negativo e eu subir silenciosamente.

Kate já havia me mandando centenas de mensagens querendo saber o que eu estava fazendo.

Nosso romance já estava tão avançado que já conversávamos em tempo real utilizando a webcam e o microfone do computador. Olhei para os olhos dela e disse: - Kate eu preciso te falar uma coisa, minha princesa.

- Sobre o que meu príncipe? Nossas viagens pela Costa Rica, Indonésia, sobre o casamento – soltou um risinho.

- Não Kate, é sobre mim, você sorrir muito e às vezes me faz até esquecer o que eu estou falando ou iria falar.

- Então fale meu amor, prometo que não vou te interromper.

- Kate, esquece as nossas viagens minha princesa.

- Esquecer por que Jonny, o que você está dizendo?

- Kate, como é que eu vou sair daqui dessa cidade tão distante para viajar com você minha princesa?

- Eu não sei, podemos dar um jeito meu amor não é?

- Kate eu sou pobre, minha família é pobre, e olha pra você? É uma garota rica, de família importante ai na Europa, o que você encontrou em mim de importante?

Nesse momento Kate ficou muda, eu poderia notar no rosto dela que aquelas minhas palavras havia balançando o seu pequeno coração, Kate era uma menina tão especial pra mim, tão bonita, tão meiga e compreensiva, mas depois de tudo aquilo que eu tinha despejado diante dela eu não tinha certeza de que ela ainda seria assim.

O silencio de Kate do outro lado do mundo fazia meu coração bater mais forte e as pupilas dos meus olhos se dilatarem com mais intensidade. O silencio dela durou tão pouco, mas para mim parecia ser uma vida toda pela frente. Kate olhou pra mim chorando, suas lágrimas me chamaram a atenção, era a primeira vez em três meses que eu a via chorar, era como um choro de um anjo inocente que só queria me fazer o bem, apenas isso.

Eu já não suportava mais aquele silencio então perguntei se ela estava bem, de imediato ela me respondeu olhando bem em meus olhos já que isso era possível:

- Jonny, quando passamos a gostar verdadeiramente de alguém, não perguntamos se esse alguém tem dinheiro, se é casado ou não, sem tem filhos, apenas perguntamos uma coisa, se é verdadeiramente o que diz ser, apenas isso. Eu gosto de você pela maneira como você é e não pelo que você tem. Será que consegue entender isso?

- Kate, nós vamos sofrer com o tempo quando a gente se der conta do quanto que nos estamos separados.

- Estamos separados pelo tempo que nos move, no entanto a força do nosso amor nos une constantemente, você precisa acreditar nisso!

- Eu sei, eu acredito todos os dias, mas eu estou em desespero por que quero te ver logo aqui perto de mim, a ansiedade é tão forte que eu só penso em você, tudo o que faço é por você minha princesa.

- Então vamos fazer assim, você pensa em mim sempre que eu pensarei em você o tempo todo meu amor e você vai descobrir que a força de nossas mentes pode fazer muito mais coisas do que podemos imaginar, nem mesmo a Ciência consegue explicar.

E a nossa conversa durou a tarde inteira até que minha mãe me chamou para ajudá-la com a encomenda que o caminhão havia deixado no portão de casa. Minha mãe era importante para mim, minha avó já sabia que eu tinha conhecido uma garota da Europa, mas ela não curtia muito esse negócio de internet, o que ela queria mesmo era escutar o programa favorito dela no rádio.

Decidir revelar a minha mãe o que estava se passando comigo, aquela conversa poderia mudar para sempre a minha vida...

- Mãe eu quero te falar uma coisa...

- Diz filho?! – minha mãe olha com cara de assustada.

- Eu... -Pigarreando- Conheci uma garota pela internet e já estamos juntos há três meses.

- O quê? Uma garota pela internet? Vai me dizer agora que o senhor está namorando uma garota virtual que nunca viu frente a frente?

- É mãe, eu nunca a vi pessoalmente, mas a gente se fala todos os dias em tempo real pela webcam.

- E de onde é a tal garota filho?

- É da... E do leste da Europa mãe!

- Meu Deus! Leste da Europa? Você enlouqueceu de vez meu filho? Vai amar uma garota que mora do outro lado do mundo?

- Eu já a amo mãe há muito tempo. E ninguém vai me separar dela.

- Eu vou ter que cancelar a assinatura de internet aqui em casa, você não terá mais acesso de internet aqui!

- Por favor, mãe, não faça isso! Pelo amor que tem por mim. Não faça isso comigo mãe.

- Meu filho o que vou fazer é pelo teu bem, tudo para não te ver sofrendo por aí pelos cantos da casa com esse amor que só existe no virtual...

- Não é verdade, nos amamos no real também e isso é tudo o que importa. Quanto ao meu sofrimento mãe, não adianta porque eu já estou sofrendo e se a senhora me proibir de falar com Kate o meu sofrimento só vai ser maior ainda.

Minha avó escutou a conversa e quis participar pela primeira vez daquele tipo de discussão.

- Por que não deixa o menino fazer o que tem vontade Júlia? Quantas vezes eu proibir você de namorar e isso adiantou? Responde filha?

- Mãe agora é diferente, Jonny está sofrendo por uma garota que ele nunca viu fisicamente, só pelo computador.

- O que você vai fazer com o menino se ele está amando essa tal Européia, me responde?

-Eu vou cortar a internet daqui de casa, eu não quero que meu filho sofra e tenho certeza que a senhora não quer ver seu neto chorando por ai mamãe.

- Se você cortar a tal de net eu mando ligar pra ele de novo, eu pago com dinheiro do meu bolso, mas não deixo meu neto sem se comunicar com a namoradinha dele.

- Mamãe a senhora está se deixando levar pelas histórias do seu neto, como pode haver amor virtual, me fale?

- Eu não entendo nada desse negocio de inter... Sei lá o que, só sei que meu neto não vai perder a garota dele por causa disso. Na vida eu aprendi uma coisa filha, amor que a gente sente por uma pessoa, não é só através de cartas, não é só pelo toque das mãos pela troca de olhar, pelo contato mais profundo, ou pelas palavras que saem das nossas bocas.

O amor verdadeiro vai muito mais além do que podemos sentir ou escutar, interagir e saber lidar. O amor ainda é um mistério e que tem milhares de formas para se propagar, por isso eu te aconselho filha, se ama seu filho, deixa ele curti a vida dele, com o tempo ele aprenderá a viver. - com o tempo não com as regras...

Minha mãe ficou pensando ainda em pé recostada na pia da cozinha, enquanto isso minha avó veio me abraçou e foi embora para o quarto dela.

Logo depois veio minha mãe, me pedindo desculpas, me abraçou e disse que eu podia namorar minha Kate pelo tempo que eu quisesse.

Voltei para o quarto e continuei a conversar com a minha amada, falamos por horas e horas. Detalhes – Kate nunca revelou detalhes do seu quarto ou de sua casa. Fora isso... Eu nem me dei conta que já estava noite e que eu precisava tomar banho. Kate disse que já estava com sono e que queria dormir antes que amanhecesse. Eu tinha me esquecido que onde ela morava eram cinco horas mais tarde do que aqui no Brasil.

Deixei que meu amor fosse descansar um pouquinho e comecei a pensar na chegada do Natal e no que eu iria fazer. Eu queria muito poder dar um presente a minha linda Kate, pelo mais simples que fosse o meu presente só o valor da postagem era equivalente a algo que eu não poderia pagar mesmo trabalhando tanto.

Eu fiz o que eu e ela havíamos combinado um pensar no outro o tempo todo sem para e era isso que eu fazia a todo instante. Minha vida era Kate, meus sonhos eram a Kate tudo pelo nosso amor.

Após ter tomado o meu banho, deixei um recado para Kate dizendo que eu a amava mais que tudo nessa vida e que ela não deveria nunca me esquecer.

Desliguei o computador, abrir a janela do quarto e fui me deitar na cama, no céu as estrelas mostravam um mundo tão distante que meus olhos não podiam ver tão de perto como eu tanto queria. Kate vivia tão distante, sei que naquele momento ela estava dormindo, sozinha em algum lugar e eu aqui no meu quarto me sentindo incapaz de realizar qualquer coisa que nos aproximasse além do que já existia entre nós. Eu só pensava em conseguir dinheiro para ir ao menos morar na capital do meu estado, mas isso era impossível, eu não conhecia ninguém lá em Belém, se eu fosse pra lá estaria completamente perdido. Como eu conseguiria emprego, onde eu iria morar afinal o que eu iria fazer na capital sem dinheiro? Era tanta pressão em minha volta que eu não conseguir evitar que pela primeira vez na minha vida eu chorasse por uma menina que morava do outro lado do mundo e que eu conhecera há tão pouco tempo...

Eu sabia que aos poucos eu me afundaria em um poço profundo que dilacerava a minha alma e transformava-me a um misero grão de areia perdido no vento. Faltavam poucos dias para o Natal, então desde essa noite eu pedia a Deus que trouxesse a minha Kate pra mim, eu não tinha o costume de conversar com Deus, mas de repente falar com Ele pareceu aliviar as dores que eu sentia no peito e eu começava a me sentir mais seguro.

No dia seguinte quando eu acordei, liguei o computador, Kate já havia me mandado 246 mensagens de Bom dia.

Em uma das mensagens ela também dizia que o dia de me fazer uma grande surpresa estava chegando, eu aguardava ansioso pela tão esperada surpresa. Será que era uma camisa de presente? Um relógio? Um cd com fotos dela? Meu Deus! Eram tantas coisas que eu imaginava na cabeça. Quando de repente Kate estava online e conversamos, eu até já tinha se esquecido de tomar café quando minha mãe bateu na porta do meu quarto para saber se eu estava bem, então deixei que ela entrasse e finalmente minha mãe conheceu a minha Kate, acho que ela até gostou de ter conversado um pouco com a minha princesa, pois agora ela já se referia a ela com mais delicadeza. Na verdade Kate era mesma dessas meninas que conquistava facilmente o coração das pessoas. Isso era o que eu mais admirava nela, sem contar com a beleza dela é claro!

Os dias então passaram e finalmente, véspera do Natal – A minha vida mudara completamente –

Despertei bem cedo, no relógio ainda eram seis horas da manhã, liguei o computador e surpresa: Nenhuma mensagem de Kate em minha caixa de mensagens. Aquilo era muito estranho, preocupado comecei a enviar mensagens para ela perguntando o porquê do sumiço e de não ter me mandado mensagens de Bom dia como costumava fazer sempre, fiquei esperando até ás onze horas da manhã e nada de Kate me responder.

- Meu Deus! Por que ela não responde? Por que o silêncio?

O silêncio é algo que até hoje eu tenho medo, ainda não sei quanto tempo vou precisar viver para saber enfrentar esse medo que me assombra todos os dias da minha vida. Eu sabia que alguma coisa de errado estava acontecendo, a ausência de Kate nunca tinha sido tão longa como naquele dia. Então desci até o banheiro, tomei banho, e depois de um breve café, pois já estava quase na hora do almoço, mal encontrei com minha mãe chegando do supermercado perguntando se eu não iria ajudá-la a preparar alguma coisa para o Natal. Não viria ninguém mesmo, era só a família como ocorrera nos anos anteriores, eu só disse a ela que eu não estava me sentindo muito bem, que mais tarde eu viria ajudá-la. Imediatamente voltei para o quarto e nada de Kate responder alguma mensagem. O dia foi se passando e eu em meu desespero me consumia, era como me atirar de um abismo – Era uma sensação dolorosa- Que esmagava o meu peito e esganava o meu coração.

- Kate por que não me responde? Já chega da brincadeira, era essa a surpresa que você queria fazer pra mim? Então já chega, não gostei da brincadeira, aparece agora, por favor.

Era tão difícil acreditar que o meu Natal seria tão doloroso assim, fiquei com ódio de mim mesmo, fechei a porta do quarto e tranquei na chave para minha mãe não me perturbar. Fechei as janelas do quarto, desliguei o computador, e chorei, chorei de raiva, de ódio, de medo, de dor, choro de solidão. Era terrível o que eu sentia naquele momento, era uma descarga de emoções, tive vontade se chorar lágrimas de sangue, tive vontade de morrer. Foi então que eu lembrei-me da frase que minha mãe havia me dito anteriormente: "uma menina virtual" – Era por isso que eu queria me destruir? Ou seria por amor e por tantas promessas que juntos construímos?

Deveriam ser nove horas da noite, minha mãe já tinha tentado me visitar várias vezes, mas eu não abrir a porta, minha mãe deveria está desesperada por que não sabia o que estava acontecendo comigo, eu sim sabia.

Me sentir tão exausto que peguei no sono por alguns estantes e...

Acordei em lugar escuro, completamente escuro, ouvir Kate chamar o meu nome...

- Kate é você minha princesa?

- Jonny, sou eu meu amor, me dê a sua mão, me deixa tirar você dessa escuridão.

- Mas eu não consigo tiver Kate, por que está tudo escuro? Onde estamos?

Alguém tocou minha mão, era uma mão tão macia, colocou a outra mão em meus olhos e como se fosse um apagador, apagou toda a escuridão que me cercava.

Em instantes meus olhos tiveram que se adequar a grande quantidade de luzes que me envolvia. E para a minha felicidade eu a vi. Estava na minha frente segurando as minhas mãos. Carregado de emoções, abracei ela e Kate da mesma forma me segurou e começou a falar que me amava muito.

Eu logo não hesitei em perguntar – Por que você fez isso comigo minha princesa? Fiquei sozinho o dia todo, eu precisei tanto de você?

- Eu estou aqui meu amado, me perdoa por ter te deixado sozinho, eu te amo muito e não poderia ter ido embora antes de te fazer uma visita.

- O quê? Disse que está indo embora, para onde?

- Estou indo para um lugar muito bonito morar com Deus, já cansei de tanto sofrimento.

Entrei em desespero – Sofrimento? Que tipo de sofrimento você está falando? Não me quer mais?

- Eu te quero sim, e vou te amar sempre. Eu lutava contra uma doença que não tinha cura, lembra quando eu disse que não poderia falar com detalhes do meu quarto quando você perguntou um dia?

- O quê isso tem a ver com você?

- Era o quarto de um hospital, o hospital onde eu passei mais de seis anos internada. Esse ano os médicos já havia falado que seria o meu último, e sabe quem foi a única pessoa que me fez feliz durante todo esse tempo?

Foi você Jonny, o meu príncipe humilde que mora em um distante lugar do Brasil...

- Está dizendo que vai me deixar sozinho para sempre?

- Lembra quando eu disse pra você pensar muito em mim?

- Lembro sim – ainda jorrando lágrimas dos meus olhos.

- Foi a força dos seus pensamentos e a vontade de Deus que nos uniu nessa noite de Natal.

- Por que tem que ir embora Kate, por quê?

- Porque papai do céu quis que fosse assim Jonny.

- Por que Ele quis que fosse assim, por quê?

- Por que é Ele quem escreve os nossos caminhos, Jonny. e eu precisava aparecer na sua vida para que Ele fizesse o seu caminho também.

- Mas Deus me fez sofrer. - Olhei para o céu distante e disse: Por que fez isso comigo Deus?

- Ele gosta muito de você Jonny, hoje mesmo estarei com ele para todo o sempre e vou pedir a ele que cuide de você muito bem como eu gostaria de ter cuidado.

Agora você precisa ir meu amor, sua mãe quer te dar feliz Natal, deixa ela fazer isso por mim meu amor.

- Pra você ir embora e me deixar sozinho?

- Eu nunca te deixarei sozinho, você ainda terá muitas surpresas por ser alguém tão especial para sua família, para mim e para Deus. Agora me dê um abraço Jonny e lembre-se desse abraço por toda a vida.

Kate então me abraçou me deu um beijo e falou: - Feliz Natal meu amor, você será sempre lembrado por mim onde quer que eu esteja.

E depois disso tomei um susto, me acordei e percebi que tudo tinha sido um sonho, mas eu estava chorando. Olhei para o relógio faltavam menos de 15 minutos para meia-noite. Enxuguei as lágrimas dos meus olhos, abrir a porta do quarto, desci correndo as escadas, minha mãe deixara a mesa toda arrumada, minha avó estava na cozinha, perguntei da minha mãe ela respondeu que ela estava no quarto. Devagar bati a porta e vi que minha mãe chorava. Entrei no quarto e disse: - Minha mãe eu te amo, me perdoa por ter sido um filho tão rebelde com a senhora, me perdoa mãe.

Ela olhou em meus olhos, enxugou as lágrimas e me abraçou, através do seu abraço e vi que ela tinha me perdoado, fomos para a cozinha, meus irmãos e minha avó já estavam lá esperando por nós, fizemos uma festa e tanto, foi a noite mais especial da minha vida.

Não me veio a cabeça de imediato ligar o computador a fim de noticias de Kate, eu acreditava que realmente a gente havia se encontrado naquela noite. Dormi bem, detalhes: - Naquela noite eu não contei para minha mãe por que eu tinha me trancado no quarto por todo aquele tempo. Na manhã seguinte me deu coragem e ligar o computador e foi então que...

A página de Kate na internet estava desativada, na pasta de recados, mensagens dolorosas que eu fui obrigado a ler.

"Descanse em paz querida Kate"

"Você foi guerreira, lutou até o fim" – Essas e outras centenas de mensagens me fizeram voltar na noite passada e em silencio deixei escapar minhas lágrimas, na mesma pasta de mensagens eu também escrevi. "Minha querida Kate, ninguém jamais irá acreditar que a gente viveu uma linda história de amor, para mim não importa o que as outras pessoas vão pensar. Podem dizer que estou louco, que tudo isso foi ilusão. O importante é que aqui no meu coração e na minha memória eu te guardarei para sempre. Eu sempre vou te amar minha princesa, minha querida Kate."

O tempo passou, minha mãe ficou sabendo de tudo que tinha acontecido comigo, emocionada chorou ela e chorou minha avó também, fiquei um longo período afastado da internet. Em um belo dia quando eu voltava do emprego que eu havia conseguido em uma lanchonete, minha mãe mostrava uma carta dizendo que era pra mim. Era uma carta azul como a cor do céu, com bordas douradas, na frente da carta estava descrito meu nome, endereço e no verso algo surpreendente! "de alguém que te ama muito".

Não havia remetente apenas a frase que eu hesitava em dizer: - De alguém que te ama muito.

Dentro da carta, mais surpresas, um perfume agradável que me fez lembrar o sonho da noite de Natal, um cheque no valor de um milhão de dólares e um bilhete escrito a mão que dizia. "Use esse dinheiro para fazer o bem, somente o bem"

Minha mãe ficou sem palavras, pensou até que tivesse sido uma brincadeira de mau gosto, mas para provar se aquilo era verdade ou não, fui até o banco e o gerente também ficou espantado, realmente aquele dinheiro existia. Na hora eu fiquei sem reação, demorou algum tempo para eu acreditar naquilo. Depois do susto, resolvi recomeçar a vida.

Ajudei a minha mãe a reformar a nossa casa, paguei o tratamento intensivo da minha avó que logo ficou curada. Doei parte do dinheiro para várias instituições de caridade do Brasil e na capital com o restante do dinheiro, criei uma fundação para cuidar de crianças e adolescente com câncer. Me sentir realizado após ter feito todas essas coisas. Hoje continuo a trabalhar para meu sustento agora no meu próprio restaurante. Creio que Kate esteja feliz por mim e detalhes: Eu ainda guardo no meu computador uma foto da minha eterna princesa Kate.


Autor: Jocinei dos Santos


Artigos Relacionados


Estupro Mental

Meus Sobrinhos

A Minha Ultima Ficha

O Que é O Amor

Livre ArbÍtrio.

O Doutor E O Caboclo

Minha Vida! Razão Da Minha Vida!