Comportamento de ecotipos de feijoeiro carioca sob déficit hídrico



Rener Luciano de Souza Ferraz1, Alexson Filgueiras Dutra1, Flaviana de Andrade Vieira1, Alberto Soares de Melo2, Pedro Dantas Fernandes3, Otavio Cosme de Lima1

1Graduandos do curso de Licenciatura Plena em Ciências Agrárias, Campus IV da UEPB, CEP: 58884-000.Catolé do Rocha-PB.email:[email protected] 2Prof. Dr. do Departamento de Ciências Agrárias, Campus IV da UEPB. CEP: 58884-000. Catolé do Rocha-PB. email: [email protected];3Professor, Dr.Sc., [email protected]

Objetivou-se com este trabalho avaliar aspectos qualitativos em sementes de genótipos de feijoeiro resistentes ao déficit hídrico nas condições edafoclimáticas do semiárido paraibano. O experimento foi conduzido no mês de novembro de 2008 em condições de campo, obedecendo-se a um delineamento em blocos casualizados, com 3 genótipos e 12 repetições, adotando-se 30 sementes por parcela. Os genótipos de feijoeiro foram obtidos no programa de melhoramento genético de feijão da Embrapa Arroz e Feijão, sendo estes: G1 – BRA 130583 CIAT G6490; G2 – BRS Pontal e G3 - FT 84-292. Transcorrido 24h de quebra de dormência sob potencial osmótico, as sementes foram semeadas em um Neossolo Flúvico próximo à capacidade de campo. Mantendo-se a umidade do solo com lâminas de reposição, foram analisadas diariamente as variáveis: Percentagem de emergência (PE%), índice de velocidade de emergência (IVE) e emergências diárias após a semeadura (EDAS). Transcorridos 10 DAS, observou-se que o genótipo G3 apresentou maior PE (86.6%) divergindo de G1(81,6%) e G2 (85,5%). No entanto, G2 obteve melhor desempenho quanto aos atributos IVE (27,2) e EDAS (21,7), respectivamente. O genótipo G1 apresentou baixo desempenho para todos os atributos avaliados embora as diferenças não tenham sido significativas para PE, IVE e EDAS (DMS= 8,5; 2,8; e 2,1) pela comparação das médias a 5% de significância pelo teste de Tukey. Os genótipos de feijoeiro apresentam bons atributos qualitativos para percentagem de emergência, índice de velocidade de emergência e emergência em função de dias após a semeadura para as condições edafoclimáticas do semiárido.

Palavras-chave: Phaseolus vulgaris L, germinação, emergência de plântulas

Órgão Financiador: PROPESQ/Universidade Estadual da Paraíba – UEPB


Autor: RENER LUCIANO DE SOUZA FERRAZ


Artigos Relacionados


Produção De Mudas De Mamoeiro Caliman/uenf Irrigado Com água Salina

Por Que Fazer Estágio?

Viver Em Curitiba

Arborização: Prática De Educação Ambiental Com A Comunidade

Áreas Verdes: Necessidades Urbanas

Poluição Atmosférica

Estágio: A Oportunidade Do Primeiro Emprego