A caneta sem tinta na gestão empresarial



 

Os modelos de gestão empresarial são os mais diversos, encontramos centralizados, descentralizados, participativos, não participativos, ditatoriais, democráticos, tolerantes, intolerantes ,  espelhando a cultura da empresa e perfil dos principais e ou do principal dirigente.

O modelo pode ser responsável por períodos de instabilidade na manutenção de talentos, enfrentado a empresa um alto turnover no quadro de funcionários.

Vamos encontrar em anúncios oferecendo vagas algumas indicações da cultura da empresa , como acostumados a trabalhar sob pressão,  capacidade de liderar grupos, independência para tomar decisões , enfim a lista é bem variada, mas  nenhum que diga preparado para lidar com frustrações.Um  dos aspectos  mais difíceis de se administrar é  gestão com  caneta sem tinta.

Quando um profissional talentoso e experiente é contratado a liberdade de ação é  teórica ,  a limitação   só será constatada quando medidas efetivas e de impacto precisarem  ser tomadas.

O profissional pode levantar informações, reunir as equipes para debate, formular o plano de ação, estabelecer medidas e procedimentos, mas não pode implantá-los onde houver essa restrição.

Duas situações podem ser observadas:

1)      A ação de implantação dos procedimentos é  barrada antes de sua divulgação.

2)      Por  decreto as medidas implantadas são suspensas.

No primeiro caso  há a frustração, mas ainda sobra espaço para negociação  uma vez que esta atinge um grupo pequeno de pessoas e não há uma observação geral da falta de autonomia do profissional que comanda o grupo nesse trabalho.

No segundo caso  fica claro a falta de autonomia e que nenhuma autoridade foi delegada de fato.

Situações como essa levam à um desestímulo geral e perda de confiança, e não raro quando idéias são apresentadas as pessoas reagem negativamente com  frases como “ já recomendamos”, “tentamos fazer”, “funcionava assim”, “aqui isso não funciona “, ficando os problemas sem um tratamento adequado desde  que não sejam observados pelo principal gestor.Essa experiência desenvolve e fortalece a cultura do “não me envolva “.

Já tivemos que contornar situações complexas, uma das mais difíceis foi quando as pessoas  se recusavam,  fora das reuniões,  a falar de problemas, procedimentos e soluções.

Quando  questionados por que a resposta era uma só e objetiva : “ Ninguém vai conseguir implantar  nada e se  o problema se agravar irão dizer que eu também sabia,  portanto me deixem fora “.A brincadeira do “me  incluam fora disso “, já tinha tomado proporções sérias.

O  perfil do quadro de funcionários mostrava  baixa retenção de talentos, alto turn over, gastos enormes de contratação e demissões e dificuldades dos gestores de aceitarem os fatos.

Vamos encontrar na nossa carreira profissional pessoas que aceitam correr riscos mediante uma recompensa, caso contrário não mostram disposição, mas também um volume maior dispostos a se envolver em questões complexas por senso de responsabilidade, coragem e dedicação ao que faz, pedindo unicamente liberdade para agir.

Nada é mais frustrante à essas pessoas dedicadas e comprometidas do que receber uma caneta sem tinta, as chances desse relacionamento profissional durar são  pequenas.

Você pode ter na sua empresa o modelo de gestão que quiser, mas não se lamente de estar sobrecarregado com decisões tomar.

Uma alternativa interessante é contratar profissionais competentes, delegar e dar-lhes canetas novas com carga total .

 

 

    

Ivan Postigo

Economista,  Bacharel em contabilidade, pós-graduado em controladoria pela USP

Autor do livro: Por que não? Técnicas para  estruturação de carreira na área de vendas

Postigo Consultoria de Gestão Empresarial

Fones (11) 4526 1197  /  ( 11 )  9645 4652

www.postigoconsultoria.com.br

ipostigo@terra.com.br

 

 

 

 

 

 

  

 

 

 

 

  


Autor: Ivan Postigo


Artigos Relacionados


Novos Tempos

O Processo Da Independência Do Brasil

Quem Sabe ??!!....

Mostre Quem é Você

O Xiita E Sua Prece

Filipe Neves

Mar Dos Sonhos