NÃO É NADINHA, É NADISMO.



NÃO É NADINHA, É NADISMO.

(Autor: Antonio Brás Constante)

 

Outro dia deparei-me com um novo conceito, criado por Marcelo Bohrer, e denominado por ele de: Nadismo. Passei então a divagar, assim, bem devagar, sobre o assunto. Pelo que entendi, o nadismo seria a eterna busca pelo nada, e não encontrando nada estaríamos no caminho certo para chegar ao nadismo.

 

Podemos imaginar que o nadismo é algo muito anterior ao homem, aliás, ao próprio universo, já que tanto a teoria científica quanto à religiosa afirmam que antes da criação ou do Big Bang, não existia absolutamente nada. Ou seja, o nada já reinou de forma soberana até ser invadido pelo tudo (composto de muito vácuo, salpicado com alguns insignificantes punhadinhos de matéria) do qual fazemos parte, perdendo literalmente seu espaço para o espaço que nos cerca.

 

A prática do nadismo está sendo cada vez mais difundida (e quem sabe até mesmo confundida, como provavelmente estou fazendo agora), tanto que o autor apareceu inclusive no programa do Jô Soares (um dia chego lá... ou não), dando de presente um livro todo em branco ao apresentador (vale lembrar que aquilo foi apenas uma brincadeira, pois o livro sobre o nadismo tem conteúdo escrito). Penso que mesmo um livro em branco seria apenas um nadismo parcial, pois apesar de faltarem às palavras, ainda existiria a capa, as folhas de papel vazias, etc, mas é interessante imaginar alguém perguntando: “Sobre o que fala o tal livro?”, onde a resposta mais óbvia seria: “sobre nada...”.

 

Caso o nadismo ganhasse ares de religião, poderia transformar-se em uma ótima desculpa para todos aqueles empregados que vivem ociosos pelas empresas, e quando questionados por seus chefes sobre o que estariam fazendo, poderiam responder abertamente que não estavam fazendo nada, sem que isso comprometesse seus empregos, já que estariam apenas exercendo suas crenças (acessar a internet continuaria sendo proibido mesmo assim).

 

Diferente da meditação que auxilia muitas pessoas a entrarem em transe, alcançando a elevação da consciência em um nível transcendental e unindo a mente ao universo existente (ou em outros casos, deixando-as com dor nas pernas ao tentarem permanecer na tal posição de abelha ferroando uma flor de lótus), o nadismo, por sua vez, procuraria expulsar o tal universo de nossas consciências.

 

O nadista não faz meditação, ele simplesmente tenta não fazer nada por 45 minutos (provavelmente colocando um despertador como âncora para puxá-lo de volta ao mundo material ao término deste tempo). Tal mergulho ao nada se um dia chegar a ser executado de forma perfeita, poderá até mesmo provocar alguma forma de coma induzido ou causar algum tipo de catatonia nos nadistas mais fanáticos e determinados, como acontece, por exemplo, com algumas pessoas que assistem por muito tempo os Teletubbies ou qualquer enredo de novela mexicana.

 

Se o movimento (sem movimento) aumentar, poderão inclusive surgir teorias conspiratórias, dizendo que aquela história de responder: “De nada”, quando alguém lhe diz: “obrigado” tem suas raízes em seitas secretas, ou quem sabe até mesmo em uma facção dissidente dos templários, que enquanto estavam sem fazer nada criaram o nadismo.

 

Enfim, antes que o escritor Dan Brown (autor do livro: “O código de Da Vinci”) seja influenciado pela ideia do parágrafo acima deste meu singelo texto, e resolva utiliza-la para criar um novo best seller vendendo milhões às minhas custas, vou encerrando por aqui o assunto sobre o nadismo, visto que, se a premissa principal do nadismo é alcançar o nada, meu maior medo é que ele seja utilizado futuramente pelos políticos em geral, para justificarem o motivo de estarem sempre tentando tirar tudo que temos, sem nos dar nada em troca.

 

NOTA DO AUTOR: Os amantes da leitura agora dispõe de um excelente portal chamado: www.skoob.com.br, funciona como uma rede social (tipo orkut), mas com ferramentas de leitura, tipo: Estante virtual para cadastrar seus livros, histórico de leitura, resenhas, etc. Quem quiser participar vai encontrar por lá o meu singelo livro “Hoje é seu aniversário”, não esqueçam de adicioná-lo em suas estantes, ok? Quem quiser também pode me pedir uma cópia em PDF do livro, ou para fazer parte de minha lista de leitores, que recebem semanalmente meus textos, para isso basta enviar um e-mail para: [email protected]

 

SOBRE O AUTOR: Antonio Brás Constante se define como um eterno aprendiz de escritor, amigo e amante da musa inspiração. Lançou recentemente o livro: “Hoje é seu aniversário – PREPARE-SE”, disponível pela editora AGE (www.editoraage.com.br).

 

Site: recantodasletras.uol.com.br/autores/abrasc

 

SUGESTÃO: Divulgue este texto para seus amigos (vale tudo, o blog da titia, o orkut do cunhado, o MSN do vizinho, o importante é espalhar cada texto como sementes ao vento). Mas, caso não goste, tenha o prazer de divulga-lo aos seus inimigos (entenda-se como inimigo todo e qualquer desafeto ou chato que por ventura faça parte de um pedaço de sua vida ou tente fazer sua vida em pedaços).

 

 


Autor: Antonio Brás Constante


Artigos Relacionados


Cidade Mineira

Fragmentos...

Culpado Por OmissÃo

Gata Mineira

Ipanema

A Chave Da Felicidade

September, 11: Farenheit