Ergonomia:Em busca de uma melhor produtividade no trabalho



Autores: Carla Plantier Message, Joelma dos Santos Almeida

Fipp – Faculdade de Informática de Presidente Prudente
Universidade do Oeste Paulista (Unoeste) – Presidente Prudente, SP – Brasil.
cpmessage@fipp.unoeste.br, joelma@fipp.unoeste.br

Introdução
Atualmente muitos desconhecem o significado da ergonomia, a qual vem se transformando e afetando as organizações e o ser humano. Pensam que a Ergonomia serve para fazer somente prevenções de lesões musculares, mouse, teclados ergonômicos, mobílias adequadas e confortáveis para organização. Sim, a ergonomia não se aplica somente ao conforto físico do ser humano, mas também é aplicada em sistemas de informação, procurando fornecer ao usuário facilidade de compreensão do seu funcionamento.
Milhares de pessoas no mundo, em sua vida diária trabalham em um ambiente como: fábricas, escritórios, salões de beleza, na rua (motoristas, garis) e em seu próprio lar. Apesar de alguns possuírem conforto em seu ambiente de trabalho, se queixam de dores lombares, nas mãos e pescoço. Por esse motivo muitas pessoas passaram a estudar esses fatos. E é isso que propõe a ergonomia.
Segundo MORAES E MONT’ALVÃO. “A palavra ergonomia vem do termo grego ergo (trabalho) e nomos (normas)”. Trata da comunicação do homem com a máquina, trabalho e o ambiente para torná-lo seguro e confortável.
Tem como objetivo melhorar a condição do trabalho humano e a segurança no trabalho, minimizando a carga física e mental, aumentando a produtividade da organização.
No momento, esta tecnologia única e especial possui pelo menos quatro componentes principais identificáveis que, do mais antigo ao mais recente, são os seguintes: tecnologia da interface homem-máquina ou Ergonomia de hardware; tecnologia da interface homem-ambiente ou Ergonomia ambiental; tecnologia da interface usuário-sistema ou Ergonomia de software e tecnologia da interface organização-máquina ou macroergonomia. (HENDRICK, 1991, apud MORAES e MONT’ ALVÃO, 2000, p. 11).

”a ergonomia é, portanto o estudo do homem em suas relações com o ambiente de trabalho”. (MURREL, apud BARROS, 1999, p.62).

O aspecto singular que particulariza a Ergonomia – e que faz dela uma disciplina especifica – é a interseção do domínio comportamental com a tecnologia física, principalmente o design de equipamentos. Eu sei de muitos especialistas em Ergonomia que a consideram como uma forma de psicologia, mas eu contesto esta assunção veemente – ela deslegitima a Ergonomia. A psicologia não trata de tecnologia, a engenharia não se interessa pelo comportamento humano, a não ser quando a Ergonomia exige. O foco principal da Ergonomia é o desenvolvimento de sistemas, que é a tradução dos princípios comportamentais para o design de sistemas físicos. (MEISTER, 1998, apud MORAES e MONT’ALVÃO, 2000, p. 12). Quando é feito um sistema ou uma mudança no ambiente, o qual está centrado para o uso do ser humano, deve-se basear-se nas características físicas e mentais do usuário. Com o intuito de integrar o usuário com o que está sendo projetado. Isto significa que a ergonomia tem como objetivo adaptar o trabalhador ao trabalho e o usuário ao que está sendo projetado. A ergonomia realiza a interação entre seres humanos e outros elementos de um sistema, otimizando o bem-estar humano e o desempenho do sistema.
Uma pessoa em situações do seu cotidiano interage com vários componentes em seu trabalho com: equipamentos, mobílias, formando interfaces (energéticas e posturas), formando interfaces ambientais, cognitivas e organizacionais.

1. História da Ergonomia

Segundo LIDA (1990), citado por ROSARIO DA SILVA”, o período de gestão da ergonomia, provavelmente date ainda da Pré-História quando o homem preocupa-se em adaptar os objetos e o ambiente a suas necessidades”.
EM 1857, Wojciech Jastrzebowski, publica o artigo “ensaios de ergonomia ou ciência do trabalho”.
O livro “Administração Científica” foi lançado por Frederick Winslow Taylor no século XIX, o qual trata a melhor maneira de executar um trabalho e suas tarefas.
Durante a segunda guerra mundial, o impulso acelerativo das mudanças tecnológicas – aviões cada vez mais velozes e radares para detectar aviões inimigos, submarinos e sonares – colocam o homem em situações de extrema pressão ambiental, física e psicológica. Exacerbam-se as incompatibilidades entre o humano e o tecnológico, já que os equipamentos militares exigem dos operadores decisões rápidas e execução de atividades novas em condições críticas, que implicam quantidade de informações, novidade, complexidade e riscos de decisões que envolvem possibilidades de erros fatais. Ressaltam-se, então, as incompatibilidades entre o progresso humano e o progresso técnico. MORAES e MONT’ALVÃO (2000, p. 7),

Em 1949 surge à primeira Sociedade de Pesquisa de ergonomia, foi realizada uma reunião para retomada dos estudos sobre ergonomia e ciência do trabalho. Mas foi em 1950 durante segunda reunião do grupo que o neologismo “Ergonomia” foi adotado.
Em 1955, é publicada a obra "Análise do Trabalho" de Obredane & Faverge, que torna-se decisiva para a evolução da metodologia ergonômica. Nesta publicação é apresentada de forma clara a importância da observação das situações reais de trabalho para a melhoria dos meios, métodos e ambiente do trabalho.
Depois da guerra até os dias de hoje, a ergonomia continuou a desenvolvendo e diversificando.

3 Áreas da Ergonomia

De acordo com a Associação Internacional de Ergonomia, a ergonomia dividiu-se em três categorias, os quais serão descritos abaixo:

3.1 Ergonomia Física

Segundo VIDAL, trata da carga física, que o corpo humano sofre em uma situação de trabalho. A ergonomia física estuda fatores como: movimentos repetitivos, manuseio de matérias, força excessiva, posturas desfavorável, relacionada com desordens músculo-esquelético.

3.2 Ergonomia Cognitiva

Segundo VIDAL, conhecida também como engenharia psicológica, trata-se do aspecto mental (percepção, atenção, armazenamento e recuperação de memória, etc). Estuda a capacidade e os processos de formação e produção de conhecimentos em sistema em geral. Incluem carga mental de trabalho, desempenho de habilidades, erro humano, interação entre o ser humano e o computador.

3.3 Ergonomia Organizacional

Segundo Vidal, busca um equilíbrio sócio-técnico entre as pessoas, tecnologia, incluindo a estrutura organizacional, políticas e processos. É utilizada em três níveis da organização são eles: operacional, tático e estratégico. Top - Down (de cima para baixo) e Bottom – up (de baixo para cima) são dois tipos de decisórios utilizados de acordo com o fluxo de decisões e comunicações de uma organização.

4 Ergonomia nas Organizações

O número de funcionários com doenças por causa dos esforços repetitivos em seu ambiente de trabalho vem crescendo a cada dia, fazendo com que esses profissionais fiquem afastados de suas tarefas e em alguns casos pode até levar a afastamento definitivo.
Muitos funcionários realizam de maneira incorreta suas atividades, isso pode levar muitos a serem alvos de LER/DORT. Como por exemplo: o uso de microcomputadores (digitação), confecções, caixas de supermercado, metalúrgicos, marcenaria.

4.1 LER/DORT

LER significa Lesão por Esforço Repetitivo e é reconhecida também com o nome de DORT – Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (definição do INSS). A sigla foi criada para identificar um conjunto de doenças que atingem músculos, tendões e membros superiores (dedos, mãos, punhos, antebraço, braços e pescoço) e tem relação direta com as condições de trabalho, não favorecem bons relacionamentos e bem estar (condições psicossociais).
Não tem um ramo específico em qual a LER aparece, isto é, ela pode aparecer em qualquer ramo, nos quais as atividades são exercidas, com esforços repetitivos.
Em muitas empresas a LER/DORT se torna comum, pelo fato de não se preocuparem com a questão da ergonomia. Para muitas isso significa muitos gastos e acabam não se preocupando com o ambiente e as condições do trabalho.
Segundo a NR 17 “[...] cabe ao empregador realizar a análise ergonômica do trabalho [...]”. Para prevenir, as organizações devem estudar e fazer as alterações. Caso não seja realizado os devidos estudos e alterações necessárias, a LER/DORT continuará sendo um fator dentro das empresas.
Há empresas que conseguiram diminuir o número de funcionários afastados, por que começaram a aplicar a ergonomia, realizam ginástica laboral, conscientizaram seus funcionários em relação a postura e sobre o que isso pode acarretar em sua saúde, para oferecer maior conforto, segurança e melhoria as condições no ambiente de trabalho.
Muitas pessoas pensam que a ergonomia deve ser aplicada somente nas indústrias, empresas de grande porte; não ela também deve ser aplicada nos consultórios, nas pequenas empresas e até mesmo em nossos lares.
Segundo BARROS (1999), os cirurgiões-dentistas realizam vários movimentos no decorrer do dia. Os quais deviram ser realizados de acordo com a ergonomia, para obter menos fadiga e um maior rendimento na realização de suas atividades.
As empresas que começaram a realizar pausas para alongamentos, perceberam que, houve um aumento em sua produtividade e na qualidade de seus produtos e no bem estar de seus funcionários.

4.1.1 Tipos

Além da tenossinovite, há outras doenças que também são consideradas LER/DORT.

• TENOSSINOVITE: inflamação do tecido que reveste os tendões.
• TENDINITE: inflamação dos tendões.
• EPICONDILITE: inflamação das estruturas do cotovelo.
• BURSITE: inflamação das bursas (pequenas bolsas que se situam entre os ossos e tendões das articulações do ombro).
• MIOSITES: inflamação dos músculos.
• SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO: compressão do nervo mediano na altura do punho.
• SÍNDROME CERVICOBRAQUIAL: compressão dos nervos em coluna cervical.
• SÍNDROME DO DESFILADEIRO TORÁCICO: compressão do plexo (nervos e vasos).
• SÍNDROME DO OMBRO DOLOROSO: compressão de nervos e vasos em região do ombro.
Fonte: Cartilha...


4.1.2 Conheça os estágios da doença

Segue abaixo os estágios da doença:
Grau I : Sensação de peso e desconforto no membro afetado. Dor espontânea no local, às vezes com pontadas ocasionais durante a jornada de trabalho, que não interferem na produtividade. Essa dor é leve e melhora com o repouso. Não há sinais clínicos.

Grau II : Dor mais persistente e mais intensa. Aparece durante a jornada de trabalho de forma contínua. É tolerável e permite o desempenho de atividade, mas afeta o rendimento nos períodos de maior esforço. É mais localizada e pode vir acompanhada de formigamento e calor, além de leves distúrbios de sensibilidade. Os sinais clínicos de modo geral continuam ausentes. Podem ser observados pequena nodulação e dor ao apalpar o músculo envolvido.

Grau III : A dor torna-se mais persistente, mais forte e tem irradiação mais definida. O repouso em geral só diminui a intensidade, nem sempre fazendo-a desaparecer por completo. Aparece mais vezes fora da jornada, especialmente à noite. Perde-se um pouco a força muscular. Há queda de produtividade, quando não impossibilidade de executar a função. Os trabalhos domésticos muitas vezes não podem ser executados. Os sinais clínicos estão presentes. O inchaço é freqüente assim como a transpiração à alteração da sensibilidade. Movimentar ou apalpar o local afetado causa dor forte. O retorno ao trabalho nesta fase é problemático.

Grau IV : Dor forte, que contínua, por vezes insuportável, levando a intenso sofrimento. A dor se acentua com os movimentos, estendendo-se a todo o membro afetado. Dói até quando o membro estiver imobilizado. A perda de força e controle dos movimentos são constantes. O inchaço é persistente e podem aparecer deformidades. As atrofias, principalmente dos dedos, são comuns em função do desuso. A capacidade do trabalho é anulada e a invalidez se caracteriza pela impossibilidade de um trabalho produtivo regular. As atividades do cotidiano são muito prejudicadas. Nesse estágio são comuns as alterações psicológicas, com quadros de depressão, ansiedade e angústia.
Fonte: Cartilha...

5 Recomendações Ergonômicas

Para ter um controle dos ricos da LER/DORT algumas empresas, previnem implementando, por exemplo: alongamento antes de iniciar as atividades ou realizam pausas durante as tarefas.
Segue abaixo exercícios de alongamentos para serem realizados no ambiente de trabalho.

1) Sente-se com as coxas apoiadas no assento da cadeira, coloque as mãos sobre as coxas e os pés encostados no chão. Inspire pelo nariz e deixe cair os ombros expirando pela boca. Permaneça assim por 20 segundos, puxando o ar pelo nariz e soltando-o pela boca, lentamente.

2) Coloque as mãos atrás da cabeça, deixe os cotovelos bem abertos e o tronco ereto, puxe os cotovelos para trás. Permaneça assim por 20 segundos.

3) Incline a cabeça para frente lentamente e volte à posição inicial. Ao fazer este movimento, mantenha a coluna bem apoiada no encosto da cadeira e não leve a cabeça para trás.

4) Incline a cabeça para o lado direito e tente aproximar a orelha do ombro, volte à posição inicial. Faça o mesmo para o lado esquerdo.

5) Incline a cabeça para o lado direito e tente aproximar a orelha do ombro empurrando com a mão direita por 20 segundos, volte à posição inicial. Faça o mesmo para o outro lado.

6) Eleve o ombro direito girando-o para trás e depois para frente. Faça o mesmo com o ombro esquerdo.

7) Coloque a mão direita sobre o ombro esquerdo, e com a mão esquerda empurre o cotovelo direito para trás, na direção das costas. Mantenha esta posição por 20 segundos. A seguir, inverta a posição das mãos.

8) Coloque os braços para trás da cadeira, entrelace as mãos e empurre os braços para cima com os cotovelos esticados, contraindo simultaneamente os músculos abdominais. Mantenha o alongamento por 20 segundos.

9) Coloque a mão direita nas costas e o antebraço por trás da cabeça. Com a mão esquerda empurre o cotovelo direito para baixo. Mantenha o alongamento por 20 segundos. Inverta a posição dos braços.

10) Levante os braços acima da cabeça, entrelace os dedos de forma que as palmas das mãos fiquem para cima. Estique os braços para cima e para trás. Mantenha o alongamento por 20 segundos

11) Coloque os braços para frente na altura dos ombros. Entrelace as mãos e empurre os braços para frente com os cotovelos esticados. Mantenha por 20 segundos.

12) Solte os braços e sacuda as mãos, com os dedos e punhos bem relaxados. Mantenha esse movimento por 20 segundos.

13) Una as mãos entrelaçando os dedos, gire para a esquerda, depois para a direita.

14) Una a ponta dos dedos e empurre uma mão contra a outra, mantendo o punho em posição neutra. Mantenha o esforço por 10 segundos.

15) Abra os braços lateralmente na altura dos ombros, dobre o punho e a mão para baixo em direção ao corpo. Mantenha esta posição por 20 segundos. Solte o ar pela boca enquanto realiza o alongamento.

16) Pare o que você estiver fazendo, olhe pela sala ou pela janela e focalize um objeto numa distância demais ou menos 6 metros para que os músculos dos olhos se movam, se expanda e descanse.

Fonte: Fisioterapeuta Tatiane Balestero Cardoso Alessi.

6 Considerações Finais

Obeserva-se que as doenças relacionadas por falta da aplicação da ergonomia existem há muitos anos, mas com o avanço da tecnologia tornam-se mais frequentes atualmente.
Existem muitas empresas que ainda não aplicam as normas da ergonomia. Este fato deveria ocorrer, pois só traz benefícios para a empresa e de seus funcionários. Algumas conseguiram aumentar sua produtividade quando passaram a realizar prevenções como: ginásticas, variações das tarefas, pausas, adequação de iluminações. Com isso, reduziram também o número de funcionários com LER/DORT melhorando o ambiente e as condições de trabalho.
As empresas que não aderem às regras ergonômicas sofrem perdas, pois um funcionário afastado traz mais prejuízo, acarretando na contratação de outro para exercer suas tarefas. Além disso, a empresa é responsável pelos gastos com esse funcionário.
A LER/DORT em sua fase inicial, quando diagnosticada pode obter um completo restabelecimento orgânico e funcional. Nas fases mais avançadas pode ter um o controle e o equilíbrio dos sintomas, mas dificilmente a sua regressão total.
A prevenção é a única maneira de combater este tipo de doença.

Referências Bibliográficas

BARROS, Olavo Bergamaschi. Ergonomia A eficiência ou Rendimento e a Filosofia correta de Trabalho em Odontologia. 2º ed.ver. e ampl. – São Paulo: Pancast, 1999.

CARTILHA DA LER/DORT. Disponível em: . Acesso em: 18 de junho de 2007.

ERGONOMIA conceitos, origens, cronologia. Disponível em: . Acesso em: 13 de abril de 2007.

ERGONOMIA. Disponível em: Wikipédia, a enciclopédia livre . Acesso em: 19 de março de 2007.

MORAES, Anamaria de; MONT’ ALVÃO, Cláudia. “Ergonomia: conceitos e aplicações”. 2º ed. Rio de Janeiro: 2AB, 2000.

ROSÁRIO DA SILVA, Fernanda. “ERGONOMIA: Uma necessidade apenas industrial ou também social”. Bacharel em Serviço Social pela UFSC, aluna-ouvinte do Mestrado em Ergonomia na Pós-Graduação da Engenharia de Produção (UFSC). Disponível em: UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) . Acesso em: 20 de março de 2007.

VIDAL CESAR, Mario, Introdução à Ergonomia. Disponível em: . Acesso: 04 de março de 2007.

Normas Regulamentadoras. Disponível em: . Acesso em: 11 de Junho de 2007.
Autor: Joelma dos Santos Almeida


Artigos Relacionados


Importância Da Ergonomia No Escritório

Móveis Para Escritório Curitiba

Ergonomia E Atividade De Movimentação De Carga Em Uma Fábrica De Fertilizantes

Ergonomia Em Sistemas Computacionais

Qualidade De Vida Voltada Para O Bem-estar Do Trabalhador

Cadeiras De Escritório Ergonômicas

Programa De Ergonomia (proergo)