Publicação de Artigos é Ferramenta de Marketing Jurídico



Grandes juristas do passado, e da atualidade utilizaram a publicação de textos para difundir suas idéias e consolidar sua marca.

"A imprensa é o dever da verdade." Rui Barbosa

Sabemos que promover a carreira de um advogado, exige certos cuidados, uma vez que o código de ética da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) impõe uma série de limitações aos operadores do Direito na utilização de ações de marketing. Dentre as diversas ações possíveis de praticar, sem ferir o código, pode-se destacar a publicação de artigos, que, além de ser eficaz na conquista de novos clientes, tem o poder de consolidar a marca do escritório e o nome do profissional na sociedade, quesitos fundamentais em uma carreira de sucesso.

Cada vez mais, a complexidade da sociedade exige esclarecimento de questões polêmicas. Assuntos como: direito do consumidor, comércio via internet, direito de família, nova lei da falência para pequenas empresas, assédio profissional, nova lei geral do turismo, entre outras demandas sociais, são motivo de dúvidas e necessitam de aconselhamento adequado. Em todos estes casos, o profissional capaz de oferecer esses esclarecimentos é o advogado.

Juristas do passado como Rui Barbosa e Miguel Reale, utilizavam a publicação de artigos em33 jornais de circulação nacional para defender posições políticas ou teses jurídicas, e, com isso, facilitaram a construção de suas carreiras. Atualmente podemos acompanhar com freqüência a publicação de artigos, de inúmeros e importantes juristas, dentre eles Ives Gandra da Silva Martins, que além da publicar textos em revistas e jornais de circulação nacional, publica frequentemente artigos em sites e portais da internet.

Todo advogado pode publicar artigos de interesse de seu público alvo em sites, blogs e portais da internet, além do envio de matérias a jornais e revistas, para eventual publicação. Este é um ótimo expediente, que a ser utilizado regularmente pelos escritórios de advocacia e seus profissionais. Certamente dentro da área de atuação do advogado existem diversos assuntos que despertam interesses em setores da comunidade. Vejamos alguns:

Advogados trabalhistas podem escrever sobre como as empresas devem se prevenir contra ações trabalhistas específicas, ou mesmo sobre possibilidades reais de empregados protegerem seus direitos baseados em uma lei específica.

Tributaristas podem escrever sobre como as empresas podem diminuir o recolhimento de impostos ou mesmo buscar o reembolso de eventuais impostos pagos a mais, e ainda orientar diversas formas de consumidores e empresas evitarem pagar impostos indevidos.

Advogados especializados em Direito do Consumidor podem escrever artigos sobre novas formas de empresas evitarem ações no PROCON, ou de consumidores protegerem seus direitos ao realizar contratos com empresas.

Contratos com planos de saúde, operadoras de telefonia celular, sistema bancário, consórcio de automóveis, entre outros, resultam freqüentemente em conflitos. Em geral essas questões necessitam de esclarecimento público.

Um exemplo de uma situação em que escrever artigos poderia ter evitado problemas ocorreu em 2006, quando houve uma grande polêmica em torno da atuação de escritórios de advocacia que procuraram oferecer seus serviços à parentes de vitimas de um acidente aéreo num momento imediatamente posterior ao fato. De maneira totalmente inadequada, esses profissionais acabaram causando transtorno em um momento emocional delicado na vida dessas pessoas.

Neste caso específico, no acidente com o avião da Gol, vôo 1907, que culminou com a morte de 154 pessoas, os parentes das vítimas reclamaram à imprensa que foram inadequadamente abordados por alguns advogados de escritórios, que chegaram a se hospedar nos mesmos hotéis que as famílias com o intuito de se aproximarem. Alguns, inclusive, chegaram a introduzir cartões de visitas e currículos embaixo da porta dos quartos onde os parentes estavam hospedados.

Se estes profissionais tivessem publicado artigos sobre o assunto, esclarecendo sobre os direitos das pessoas em caso de acidente aéreo, mostrando a melhor forma de proceder nestas situações, teriam prestado um ótimo serviço á sociedade, e evitariam o constrangimento às famílias, e eventualmente poderiam ser procurados pelas mesmas para uma assessoria.

Esses são apenas alguns exemplos, mas existem muitos temas interessantes que podem ser explorados em artigos e despertar interesse do público em geral, de consumidores e de possíveis clientes. No entanto, é importante salientar que se devem evitar conotações mercantilistas nestes artigos. O objetivo destas matérias é informar, e em função deste serviço prestado à comunidade, o profissional torna-se reconhecido como autoridade no assunto.
No entanto, é preciso fazer algumas ressalvas sobre os tipos de artigos escritos por advogados e encontrados nos diversos meios de comunicação. Alguns artigos são escritos de forma técnica, em uma linguagem pouco acessível ao público em geral. Estes artigos são importantes como teses jurídicas e devem ser dirigidos a acadêmicos e profissionais do setor, que na verdade não é seu público alvo.

Devemos classificar os artigos em duas categorias, os artigos técnicos e os artigos informativos. Vamos explicar:

• Artigos técnicos ou acadêmicos - destinam-se a estudantes e profissionais, advogados ou não, que necessitam entender melhor algum dispositivo legal, ou conhecer outras aplicações de uma lei, por exemplo.
• Artigos informativos - têm como objetivo informar o público em geral ou um setor da sociedade sobre algum aspecto legal de uma determinada situação.

Os dois tipos de artigos são importantes para a carreira de um advogado. No entanto, o artigo informativo tem um alcance mais amplo, e permite que o profissional exponha suas idéias com maior freqüência, pois a elaboração de um artigo informativo demanda menos tempo e exige menor pesquisa de dados. É como se fosse uma conversa com um cliente, explicando um determinado assunto. Seria uma espécie de consulta gratuita ao público.

Em nossas palestras e no trabalho como consultor de marketing jurídico, temos sugerido aos advogados que criem o hábito de escrever artigos informativos, periodicamente, e os publiquem com a maior freqüência possível. Mas, também, que procurem desenvolver sua capacidade de escrever de forma simples, objetiva e em uma linguagem acessível ao leigo.

Existe uma enorme demanda social por informações jurídicas sobre aspectos do cotidiano das pessoas e das empresas. Executivos, gerentes e pequenos empresários gostariam de conhecer melhor os aspectos da legislação fiscal, tributária e trabalhista, por exemplo, a partir de uma leitura rápida, objetiva e agradável.

O cidadão comum, a dona de casa, o profissional liberal, o motorista de táxi, enfim, todos gostariam de conhecer, de uma maneira simples, objetiva e fácil, aspectos da lei que interferem em seu cotidiano. Muitas vezes, o cidadão tem o direito prejudicado por pessoas, empresas ou pelo próprio governo, sem que saiba se defender, por desconhecimento da lei.

O seguro obrigatório, DPVAT, por exemplo, garante uma série de direitos ao cidadão comum em caso de acidente de trânsito, porém, a maioria das pessoas desconhece estes direitos. Seria um ótimo tema para um artigo por parte de advogados.

Pode ocorrer de advogados transgredirem o código de ética da OAB, sem necessidade, ao oferecer seus serviços a clientes. Mas, através de artigos, poderiam realizar a mesma tarefa, de maneira mais sutil, ética e eficaz.

No caso citado sobre o acidente de avião, a publicação de artigos, apresentando os diversos aspectos legais da tragédia, bem como o direito dos familiares, em uma abordagem que respeitasse, não apenas o código de ética do setor, mas, principalmente, o momento emocional dos familiares, teria alcançado um resultado melhor, além de prestar um serviço àquelas famílias.

Em vista do exposto, sugerimos que a elaboração de artigos informativos, por parte de advogados, seja realizada com as seguintes preocupações:

• Devem explorar temas que sejam relevantes e despertem interesse social;
• Cada artigo deve ser dirigido a um público específico;
• Procure apresentar um tema central que seja de domínio do profissional;
• Precisa apresentar as idéias de forma clara e objetiva;
• É importante que prestem informações úteis e apresentem as soluções;
• Deve possibilitar uma leitura fácil e rápida.

Portanto, acreditamos que a elaboração e publicação de artigos por parte de advogados é uma prática eficaz para a promoção da carreira do profissional. Possibilita também que os advogados prestem relevantes serviços à comunidade, tornando-se uma fonte de informações úteis para os cidadãos e as organizações. Assim, este profissional ajudará a manter, defender e preservar o direito na sociedade.

Ari Lima
Empresário, engenheiro civil, especialista em marketing jurídico e gestão de escritórios de advocacia.
e-mail arilima@arilima.com
site www.arilima.com
(31) 3324 1861
Autor: Ari Lima


Artigos Relacionados


Marketing Eficaz Na Advocacia

Relações Públicas Na Advocacia

Novas Idéias Para Captar Clientes Na Advocacia

Novas Idéias Para Captar Clientes Na Advocacia

Novas Idéias Para Captar Clientes Na Advocacia

Novas Idéias Para Captar Clientes Na Advocacia

10 Dicas Para Captar Clientes Na Advocacia