Inventário e Partilha em cartório e judicial - como fazer e quais os documentos, Impostos, ITCMD, etc



Inventário e Partilha em cartório e judicial - como fazer e quais os documentos, Impostos, ITCMD, etc
Advogados – Direito das Sucessões - Inventários

Dúvidas sobre inventários e sucessão – visite nosso site www.advbr.com.br e/ou envie para contato@advbr.com.br

Inventário e Partilha em Cartório
Atualmente é possível a realização de atos como o inventário, separação e divórcio diretamente no Cartório, sem a necessidade de ingressar com ação judicial.
Mas para que o inventário possa ser feito diretamente no cartório, as seguintes condições devem estar preenchidas:
• Falecimento da pessoa, deixando ou não bens;
• Que o falecido não tenha deixado testamento;
• Todos os herdeiros devem ser maiores e capazes;
• Que haja um acordo comum quanto à divisão dos bens.
Se estas condições forem atendidas, o inventário poderá ser realizado no cartório. Neste caso, é preciso procurar um advogado, que irá preparar a minuta e assistir a família, portando os seguintes documentos:
• Certidão de Óbito;
• Certidão de Casamento, caso falecido fosse casado;
• Carteira de identidade e CPF do falecido;
• Carteira de identidade e CPF do marido ou esposa do falecido;
• Certidão de nascimento ou RG e CPF dos filhos ou outros herdeiros;
• Documentos de propriedade dos bens móveis e imóveis deixados pelo falecido.
Haverá a incidência do Imposto de Transmissão Causa Mortis (ITCMD) sobre o valor da herança, exceto nas situações de isenção. Você receberá orientações do tabelião ou de seu advogado sobre como realizar o pagamento.
Com tudo pronto, feita a minuta de partilha e requerido o inventário junto ao cartório por meio do advogado, cada herdeiro receberá sua parte da herança.

Importa observar aqui que, mesmo existindo um inventário já tramitando no judiciário, a família poderá conversar com seu advogado para verificar se o ideal é prosseguir por essa via ou ingressar diretamente no cartório. Neste caso, seria necessário desistir da ação judicial.
Sobre inventário e partilha em cartório, selecionamos um artigo disposto no respeitável site do escritório Pinheiro neto – Clique aqui:
http://www.pinheironeto.com.br/upload/tb_pinheironeto_artigo/pdf/020409103017anexo_bi2051a.pdf
As dúvidas para cálculo do imposto “causa mortis” no inventário e partilha
O Imposto sobre a Transmissão “Causa Mortis” e Doação de quaisquer bens ou Direitos (ITCMD), também conhecido como imposto “causa mortis”, criado pela Lei 10.705/00, tem como objetivo arrecadar recursos para custear os Estados e o Distrito Federal.
Considerando que o ITCMD é devido quando do processamento de inventários/arrolamentos, sendo sua quitação uma condição para a finalização da transferência e regularização dos bens do falecido, algumas dúvidas acabam por surgir durante seu curso: hipótese de incidência; responsável pelo pagamento; possibilidade de interferência da Fazenda Pública no processo, entre outros temas.
Apesar do imposto incidir sobre diversos tipos de transação e fatos jurídicos, para o tema desse trabalho devemos mencionar destacar sua incidência sobre a transmissão de qualquer bem ou direito havido em decorrência do falecimento.
No curso do processo de inventário, incertezas surgem sobre quem é o responsável pelo pagamento do imposto. Mas quanto a isso não há dúvidas: o pagamento deve ser realizado pelos herdeiros ou legatários, sendo cada um o responsável pela quitação do valor do tributo decorrente do seu quinhão da herança.
Mas qual o valor desse imposto? Como ele é calculado? O Estado de São Paulo, obedecendo o princípio da isonomia, criou uma tabela, prevista em lei, sendo o montante do imposto calculado escalonadamente, sempre tomando por base para cálculo a somatória do valor total dos bens a serem transmitidos. Relembre-se, porém, que estão os herdeiros isentos do pagamento quando a somatória da herança não atingir R$118.875,00 (cento e dezoito mil, oitocentos e setenta e cinco reais), valor esse equivalente a 7.500 UFESPs havendo, ainda a possibilidade de parcelamento do montante em até 12 parcelas.
Um detalhe importante sobre a base de cálculo do imposto é que a parte dos bens deixados pelo falecido que é, por direito, do cônjuge, em razão do regime de casamento escolhido – meação - não será incluída, informação importante tendo em vista a forma de lançamento do tributo.
Dizemos isso, pois é o próprio contribuinte ou o “administrador” do inventário quem faz o preenchimento da declaração do ITCMD, que nada mais é que um resumo dos bens deixados, dos herdeiros/legatários e dos valores a serem pagos. Diante disso, é evidente a importância da informação sobre a exclusão da meação da base de cálculo, já que pode ser que o preenchimento equivocado da declaração gere ao cônjuge a obrigação de pagamento, obrigação essa a qual não estaria obrigado.
Agora, vamos às regras de pagamento. A lei estabelece um prazo de 30 dias para que o imposto seja pago, sendo esses contados da decisão que homologar os cálculos apresentados nos autos do processo. Além disso, também prevê a legislação que o prazo para pagamento não seja superior a 180 dias da abertura da sucessão (falecimento). No entanto, devido à morosidade do Poder Judiciária, raríssimos são os casos em que esse prazo é obedecido.
Outro problema que se apresenta àqueles que estão envolvidos em processo de inventário é o não pronunciamento do magistrado sobre a homologação do cálculo, o que deve acontecer para que comecem a ser contados os dias para o pagamento. Muitas vezes, os juízes determinam o pagamento sem a devida homologação, o que pode ensejar inúmeras discussões, incidência de multa e juros, além da possibilidade de impugnação do valor recolhido pela Fazenda do Estado.
Por isso, o prazo para recolhimento do ITCMD deve ser interpretado à luz da súmula 114 do Supremo Tribunal Federal, que traz a homologação do cálculo como termo inicial para a contagem de prazo para pagamento e, consequentemente, condição imprescindível para a exigibilidade do crédito tributário pelo Fisco.
Outrossim, devemos destacar que, na quase totalidade dos casos, a Fazenda do Estado interfere no processo de inventário/arrolamento, obviamente por ser interessada na arrecadação do imposto “causa mortis”. No entanto, existe expressa previsão na legislação de que isso não poderia acontecer, já que quaisquer questões relativas ao lançamento, ao pagamento, ou à quitação de tributos incidentes sobre a transmissão da propriedade dos bens do espólio não devem ser apreciadas no processo de arrolamento ou inventário.
Além de não ser o processo de inventário o meio correto para o Fisco manifestar sua discordância com os cálculos ou requisitar a apresentação de determinados documentos, qualquer ato da Fazenda Pública contrário às declarações e pagamentos apresentados pelo inventariante ensejará um verdadeiro entrave ao regular andamento do processo.
Como se viu, o regramento do Imposto “causa mortis” é bastante detalhado e influencia diretamente o encerramento do processo de inventário ou arrolamento. Diante disso, e principalmente porque os envolvidos no processo de inventário são os próprios contribuintes do imposto e interessados na finalização do processo, é preciso se observar atentamente todas as regras previstas na legislação, a fim de evitar que a transferência dos bens da pessoa falecida e a regularização da situação do cônjuge se perdure no tempo.
Fonte: http://www.conjur.com.br/2009-dez-23/duvidas-processo-inventario-calculo-imposto-causa-mortis

Sobre o escritório
Nosso escritório reúne uma equipe de advogados com experiência e conhecimento em diversas especialidades do Direito, habilitada a empreender a mais ampla gama de serviços jurídicos teste comunicação.
Atingir os resultados que o cliente necessita e ultrapassar as suas expectativas é o nosso maior compromisso.
A defesa de seus direitos é a satisfação dos nossos serviços
Atuamos na Grande São Paulo (São Paulo, Osasco, Barueri, Carapicuíba, Itapevi, Jandira, e região), Interior (Sorocaba, Itu, Indaiatuba, Jundiaí, Campinas, etc) e Litoral bem como em outros estados através de advogados parceiros.
Atendimento 24 hs – Fone: 011 3424-0666 e 011 9911 4671
Envie suas dúvidas por email: contato@advbr.com.br
Respondemos suas dúvidas em até 24 hs
________________________________________
Escritório 1 - Av. Prof. Francisco Morato, 2347, Cj. 02, Morumbi, SP CEP: 05513-300
Fone: (11) 3424-0666 e (11) 9911-4671 – Mapa – Clique aqui
Escritório 2 - Av. das Flores, 660 – Sala 5 Em Frente ao Forum de Osasco
Palavras chaves: Tags:
inventario,
inventario online,
inventario familiar,
inventários,
inventario de casa,
inventario final,
sobre inventarios,
sobre inventario,
inventario papeis,
inventario litigioso,
minuta de inventario,
inventario por morte,
escritura de inventario,
inventario patrimonial,
inventario gratis,
herança,
inventario negativo extrajudicial,
procedimento inventario,
carta de adjudicação inventario,
advogado inventario,
como fazer inventario de bens,
documentos para inventario,
arrolamento,
partilha,
herdeiro,
como fazer inventario de imovel,
como fazer um inventario de bens,
inventario publico,
inventario gratuito,
partilhar,
"partilhar",
"inventário",
inventário,
"a partilha",
a partilha,
"partilha",
partilha,
formal partilha,
"formal partilha",
partilha escritura pública,
"partilha escritura pública",
formal de partilha,
"formal de partilha",
modelo formal partilha,
"modelo formal partilha",
inventário partilha cartório,
"inventário partilha cartório",
"partilha judicial de bens",
partilha judicial de bens,
direito das sucessões inventário e partilha,
"direito das sucessões inventário e partilha",
plano de partilha arrolamento,
"plano de partilha arrolamento",
formol de partilha,
"formol de partilha",
"inventário e partilha em cartório",
inventário e partilha em cartório,
"ação anulatória de partilha",
ação anulatória de partilha,
"da partilha",
da partilha,
sobre partilha,
"sobre partilha",
"inventário software",
inventário software,
"esboço de partilha amigável",
"formal de partilha cpc",
formal de partilha cpc,
inventário partilha amigável,
"inventário partilha amigável",
modelo de formal de partilha,
"modelo de formal de partilha",
"formal de partilha modelo",
formal de partilha modelo,
"inventariante",
inventariante,
arrolamento,
"arrolamento",
herdeiro,
"herdeiro",
"plano de partilha transmissão causa mortis",
plano de partilha transmissão causa mortis,
partilha bens separação,
"partilha bens separação",
partilha de bens financiados,
"partilha de bens financiados",
partilha após divórcio,
"partilha após divórcio",
meação,
"meação",
"inventário partilha cartório",
inventário partilha cartório,
"inventário cartório",
inventário cartório,
"inventário e partilha em cartório",
inventário e partilha em cartório,
"inventário procedimento",
inventário procedimento,
inventário via cartório,
"inventário via cartório",
arrolamento cartório,
"arrolamento cartório",
inventário partilha amigável,
"inventário partilha amigável",
cessão de direitos hereditários inventário,
"cessão de direitos hereditários inventário",
arrolamento de bens inventário,
"arrolamento de bens inventário",
"sobrepartilha cartório",
sobrepartilha cartório,
"inventário software",
inventário software,
inventário judicial documentos necessários,
"inventário judicial documentos necessários",
inventário modelo,
"inventário modelo",
documentos inventário,
"documentos inventário",
testamento cartório,
"testamento cartório",
"separação cartório",
separação cartório,
inventários,
"inventários",
inventario extra judicial,
"inventario extra judicial",
inventario via cartorio,
"inventario via cartorio",
lei 11.441 inventário,
"lei 11.441 inventário",
"inventário extra judicial",
inventário extra judicial,
divorcio cartório,
"divorcio cartório",
inventario em cartorio de notas,
"inventario em cartorio de notas",
"como fazer inventario em cartorio",
como fazer inventario em cartorio,
"inventário administrativo",
inventário administrativo,
Inventário em cartório,
Inventário no cartório,
Inventário e partilha cartório,
Inventário Advogado,
Inventário advocacia,
Inventário em cartório,
Inventário no cartório,
Inventário e partilha cartório,
Inventário Advogado,
Inventário advocacia,
Autor: Jeferson Santos


Artigos Relacionados


SeparaÇÃo E DivÓrcio,suas DiferenÇas, Regime De Bens,

Rapidez E Economia No Processo De Inventário E Partilha De Bens. (lei Nº11.441/07)

Inventario E Partilha De Bens

Sobrepartilha

Nova Lei Do Divórcio – Como Fica O Divórcio Com A Nova Lei?

Inventário,divórcio E Separação Por Escritura Pública

SeparaÇÃo E DivÓrcio Judicial, Extra Judicial E CartÓrio - Requisitos E Documentos