VOLTA AS AULAS SEM REVOLTA



VOLTA AS AULAS SEM REVOLTA

(Autor: Antonio Brás Constante)

 

Dizem que a grande maioria dos estudantes não gosta da chamada volta às aulas. Eu particularmente não lhes tiro a razão. Afinal, depois de passarem alguns meses em deliciosa ociosidade, curtindo praias, festas, viradas de ano e belas mulheres desfilando seus corpos esculturais ou mesmo rapazes fazendo o mesmo para elas, tudo isto embalado em um clima de descontração e alegria, agora se vêem obrigados a voltar a estudar (para garantir seus futuros é o que ouvem). Quem consegue manter o bom humor em uma situação dessas?

 

De uma hora para outra os jovens (de toda e qualquer idade), são tirados do paraíso e jogados novamente no mundo das normas, tendo que trocar as roupas de praia por uniformes, as noites de festas por madrugadas de estudos, os filmes, barzinhos e baladas, por provas, testes e aquelas matérias que insistem em não entrar em suas cabeças.

 

Realmente se pararmos para pensar, não dá para querer ouvir gritos de felicidade dizendo: Até que enfim as aulas voltaram. Viva a geometria analítica!. Ou Adoro álgebra, cálculo diferencial e amo a fórmula de Bhaskara, de tal forma que cheguei a tatuá-la em meu braço! (daí eu tirei zero porque a professora achou que eu estava colando).

 

Na realidade, o mundo em que vivemos é regido por regras e padrões, onde aprender faz parte do jogo. Aliás, se analisarmos bem, as aulas são uma espécie de jogo, em que os participantes podem vencer (sendo aprovados), ou perder e ter que repetir o ano.

 

Se os estudantes resolverem mergulhar nesta competição e encararem a escola como um desafio, demonstrando que eles são inteligentes o suficiente para superarem suas fases (digo, seus semestres), poderão assim demonstrar o seu valor (pois querendo ou não, somos uma marca que é forjada a partir da escola para alimentar um monstro chamado de mercado de trabalho). Superar limites na vida real traz recompensas bem maiores e melhores do que superar os desafios que possam existir em qualquer tipo de game, e ainda temos o bônus de poder aprender muitas coisas interessantes, mesmo que tenhamos de nos sujeitar a aprender também muita coisa inútil.

 

Sem falar que o mundo estudantil é ótimo lugar para se fazer amigos, paquerar e ficar por dentro de tudo que diz respeito ao universo jovem  só peço que fiquem longe das drogas, porque se fosse para fazer coisas burras como se drogar, não haveria necessidade de se estudar, não é?

 

Sei que muitos dos ídolos que andam por aí ganhando milhões, não têm muito estudo. Mas se pensarmos que de cada dez pessoas que estudam, uma grande parcela delas consegue emprego (inclusive bons empregos), enquanto os milhares de outros indivíduos que não estudam, passando o dia jogando o seu precioso tempo fora, acabam sem emprego, sem futuro e na miséria, vou deixar para vocês a analise de qual caminho escolher. Mas pensem bem, pois na escola quando erramos podemos tentar novamente, porém, na vida nem sempre temos outra chance.

 

NOTA DO AUTOR: Os amantes da leitura agora dispõem de um excelente portal chamado: www.skoob.com.br, funciona como uma rede social (tipo orkut), mas com ferramentas de leitura, tipo: Estante virtual para cadastrar seus livros, histórico de leitura, resenhas, etc. Quem quiser participar vai encontrar por lá o meu singelo livro Hoje é seu aniversário, não esqueçam de adicioná-lo em suas estantes, ok? Quem quiser também pode me pedir uma cópia em PDF do livro, ou para fazer parte de minha lista de leitores, que recebem semanalmente meus textos, para isso basta enviar um e-mail para: [email protected]

 

SOBRE O AUTOR: Antonio Brás Constante se define como um eterno aprendiz de escritor, amigo e amante da musa inspiração. Lançou recentemente o livro: Hoje é seu aniversário  PREPARE-SE, disponível pela editora AGE (www.editoraage.com.br).

 

Site: recantodasletras.uol.com.br/autores/abrasc

 

ULTIMA DICA: Divulgue este texto aos seus amigos (vale tudo, o blog da titia, o orkut do cunhado, o MSN do vizinho, o importante é espalhar cada texto como sementes ao vento). Mas, caso não goste, tenha o prazer de divulgá-lo aos seus inimigos (entenda-se como inimigo, todo e qualquer desafeto ou chato que por ventura faça parte de um pedaço de sua vida ou tente fazer sua vida em pedaços).

 

 


Autor: Antonio Brás Constante


Artigos Relacionados


A Morte Vai Acabar Me Matando

Novas E Pequenas PÉrolas Para Pensar

A Viagem Que Se Faz Dentro Da Viagem

O Homem, O Carteiro, E O Cachorro (homenagem Ao Dia Do Carteiro)

Arruda DÁ Sorte, Azar Ou Um Bom ChÁ?

Nascer, Trabalhar E Aposentar (humorizando Tudo)

Um CalorÃo Que Faz Suar Frio