Ser Herói Ou Ser Humano? (humor De Guerra)



SER HEROI OU SER HUMANO?

(Autor: Antonio Brás Constante)

Para quem está acompanhando as eleições americanas (que não é o meu caso), as cartas já estão postas na mesa (algumas ainda estão na manga, outras foram parar embaixo do tapete e outras ainda estão dentro da privada). Cartas que decidirão os rumos de uma das maiores nações de nosso pequeno mundo.

 

Nesta guerra violentamente pacífica, que está ocorrendo de forma democrática por lá, vemos a tentativa dos republicanos de novamente inserir um de seus "aguerridos" homens no centro do poder (com o apoio de Bush, um fardo que eles serão obrigados a carregar). Para alcançar este intento, resolveram apelar para um herói de guerra.

Sempre achei que a guerra não fazia heróis, fazia vítimas. Mas, com alguns milhões de dólares em publicidade através da mídia (este ser quase mitológico que consegue transformar monstruosidades em glórias), é possível demonstrar que existem heróis de guerra, só não sabem explicar muito bem que tipo de atos heróicos eles fizeram. Seguindo a linha de raciocínio que cria tais heróis, podemos dizer que, de modo geral, heróis são homens dispostos a erguer uma arma para servir e proteger, lutando contra outros homens também dispostos a servir e proteger, e que ganhe quem tiver o maior canhão.

Não faz muito tempo, os jornais anunciaram a ida de um desses príncipes britânicos para a guerra. Bem, na verdade noticiaram sua volta, já que sua ida e permanência por lá foram devidamente escondidas para preservar sua integridade física. Até porque, ninguém quer morrer numa batalha, e esta preocupação ganha peso, principalmente, se o alguém for um príncipe. As batalhas travadas por ele devem ter sido literalmente da nobreza contra a pobreza. E assim se fabricou um novo herói de guerra, pronto para governar o seu País, espelhando e refletindo suas ações de forma mais bélica do que bela.

Imagino se a história fosse diferente, onde o valor das pessoas fosse balizado pela paz que praticam e não pelo sangue derramado por suas mãos, já que toda guerra tem seu preço, enquanto a paz é inestimável. Príncipes demonstrando exemplos de vida, através de gestos em prol de seus semelhantes, lutando sem armas contra opressões e barbáries, munidos da inteligência e diplomacia que se espera que tenham.

Em um mundo assim, talvez os fracos aclamassem quem estivesse disposto a ouvir o seu clamor, alguém forjado para liderar e não apenas politicar. Neste utópico universo não haveria uma meia dúzia de heróis de guerra, mas milhares de anônimos de paz. Afinal, em um mundo tão cheio de ódio e violência, o que devemos esperar dos novos "lideres" mundiais? Que eles sejam heróis de guerra, ou que demonstrem ser humanos?

Gostaria de encerrar compartilhando com vocês mais um significativo passo em minha carreira de escritor, pois fui aceito como membro da AGES (Associação Gaúcha de Escritores). Deixo aqui registrado a todos os meus leitores e aos veículos de comunicação que divulgam minhas pérolas textuais, em especial ao amigo e escritor Oscar Bessi Filho, por seu apoio junto a AGES, o meu sincero muito obrigado!

E-mail: abrasc@terra.com.br

Site: www.recantodasletras.com.br/autores/abrasc

 

NOTA DO AUTOR: Divulgue este texto para seus amigos. (Caso não tenha gostado do texto, divulgue-o então para seus inimigos).

NOVA NOTA DO AUTOR (agora com muito mais conteúdo na nota): Caso queira receber os textos do escritor Antonio Brás Constante via e-mail, basta enviar uma mensagem para: abrasc@terra.com.br pedindo para incluí-lo na lista do autor. Caso você já os receba e não queira mais recebe-los, basta enviar uma mensagem pedindo sua retirada da lista. E por último, caso você receba os textos e queira continuar recebendo, só posso lhe dizer: "Também amo você! Obrigado pela preferência".

ULTIMA NOVA NOTA DO AUTOR: Agora disponho também de ORKUT, basta procurar por "Antonio Brás Constante".


Autor: Antonio Brás Constante


Artigos Relacionados


Em Sete Palmos De Barro

Verduras E Verdades

A Revelação Sobre A Humanidade

A Reação Do Homem Que Não Reagia

Brincadeira De Criança (homenagem Ao Dia Dos Pais)

Celulares – Só Faltam Dominar O Mundo

As Loucas Cadeiras De Faculdade