A Incrível Ligação Da Soja Com A Bolsa De Chicago



A INCRÍVEL LIGAÇÃO DA SOJA COM A BOLSA DE CHICAGO

Fernando Zeilmann Ceccon

O nome é CHICAGO BOARD OF TRADE ou na sua sigla CBOT.

O  cenário é  um prédio antigo, localizado na cidade norte americana de Chicago. No seu interior, pessoas falam alto e gesticulam uma com as outras numa aparente desordem coletiva.

O motivo dos gestos e do barulho é sempre o mesmo: comprar ou vender.

Fundada em 1845 por 82 comerciantes que viram a necessidade de organizar o comercio já existente entre eles, de forma justa e com regras claras de contratos.

Assim estabeleceram normas e parâmetros para os contratos, tornando os valores e os vencimentos as únicas variáveis existentes nos negócios, simplificando a compra e venda dos produtos por eles comercializados.

Durante o pregão são negociados contratos de commodities agrícolas e outros papéis.

A importância e referência desse centro de negócios se resumem em suas cifras colossais. Diariamente são transacionados em média  US$ 500.000.000.000,00 ( ½ trilhão de dólares) em contratos futuros e a vista.

No mercado da Soja são negociados em média 900.000 contratos, isso equivale a impressionante cifra de mais de 2,045 trilhões de sacas de 60Kg negociadas diariamente. Como isso é possível? Simples, compradores e vendedores  do mundo inteiro negociando num só lugar, e ainda um mesmo contrato pode ser negociado varias vezes, até o dia do seu vencimento.  

Ao longo dos anos esta bolsa se tornaria, permanecendo até hoje, balizadora dos preços internacionais das principais commodities agrícolas, como  Grão, farelo e óleo de Soja, Grão de milho e trigo, entre outras.

Sendo o Brasil o atual segundo maior produtor de Soja, atrás apenas dos E.U.A., a safra é comercializada seguindo como base de preços, as cotações praticadas nessa bolsa, descontado algumas variáveis internas Brasileiras, como transporte, tarifas externas e internas, impostos, oferta e demanda regional, entre algumas outras influências.

Sendo a Soja produzida na China ou no Brasil a regra é basicamente o preço da CBOT.

Isso se deve ao simples fato de que, se um comprador externo estiver pagando um valor maior do que o praticado no seu país/região de produção, este tenderá a exportar seu produto, caso descontado impostos e tarifas alfandegárias, ainda continuar mais rentável a exportação do seu produto.

 Por outro lado, se um comprador ver os preços mais baixos em outros países,  este irá buscar e importá-lo, se a diferença entre os preços, calculados os custos, forem mais em conta.

De um modo geral essa é e lei de mercado, o que faz os preços se equilibrarem e seguirem uma determinada cotação praticada em algum mercado ou país de referência, conhecidos como formador de preços.  

Com a atual desenvoltura da globalização e abertura de mercados internacionais, é visto que cada vez mais os produtos de consumo cosmopolitas, sejam quais forem suas origens, seguem uma tendência global de precificações. O mesmo ocorre com o petróleo e seu derivados.

Isto é benéfico, pois evita, em parte,  que grandes empresas e seus poderes de mercado, distorçam os preços pagos aos produtores e vice-versa.

No Brasil os produtores e processadores dispõem de uma bolsa  nos mesmos moldes da CBOT , a BOLSA DE MERCADORIAS E FUTUROS – BM&F, porém atualmente tem  um menor volume de negócios, conseqüentemente menor liquidez das operações.

fernandozeilmann@hotmail.com


Autor: Fernando Zeilmann Ceccon


Artigos Relacionados


País De Duas Faces

SolidÃo...

Quem Sou Eu...quem és Tu ?!

Moradores Do Tempo

Nordeste Que JÁ Morreu

Maior LiÇÃo De Vida

No Vale Terá Tura