GESTÃO DE PESSOAS DE TURISMO NA COPA DO MUNDO DE 2014 EM SALVADOR



GESTÃO DE PESSOAS DE TURISMO NA
COPA DO MUNDO DE 2014 EM SALVADOR


Fabricio Cidreira Cammarota


RESUMO

Este trabalho apresenta algumas propostas relativas à gestão de pessoas em turismo, em Salvador, para a Copa do Mundo de 2014, com intuito de diagnosticar a situação dos projetos que devem permitir a realização desse evento. Para tanto, se recorreu aos materiais disponíveis nas instituições encarregadas da sua efetivação, - Secretaria Estadual para Assuntos da Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 (SECOPA), Escritório da Copa do Mundo (ECOPA), Secretaria de Turismo (SETUR), Empresa de Turismo da Bahia S/A (BAHIATURSA), Empresa Salvador Turismo (SALTUR) -, além consultas a periódicos, como revistas e jornais que reportam às copas já realizadas e àquela a ser promovida em 1914. Quanto à gestão de pessoas se verificou que, até o presente, apenas foram compostas comissões especificas, tanto no âmbito estadual, quanto municipal, que ainda não dispõem de pessoal para dar informações concretas. Considerando esse fato, se fez uma proposta de consultoria em gestão de pessoas hipotética, voltada para o turismo, dentro do contexto histórico das realizações de eventos do gênero da Copa do Mundo.

Palavras chave: Gestão de pessoas, Turismo, Copa do Mundo de 2014, Salvador.

Introdução: Copas do Mundo
A Copa do Mundo é um evento que mobiliza grande parte da população de vários países. Ela foi idealizada por um francês, Jules Rimet, em 1904, no mesmo ano da criação da Federation International of Football Association (FIFA), cuja função seria organizar e fiscalizar os jogos de futebol em termos internacionais. Nacionalmente, o esporte é supervisionado pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e cada Estado é representado por sua respectiva federação.
A primeira Copa do Mundo foi realizada em 1930 no Uruguai. Nas primeiras copas do mundo as competições futebolísticas eram realizadas sem fins lucrativos e tinham como objetivo unicamente o entretenimento, o lazer e a união entre os países envolvidos.
Atualmente, as realizações das copas do mundo têm finalidade econômica, que resulta no aumento de investimentos nos países sedes. Pode-se citar, por exemplo, o investimento em infra-estrutura, - como transportes, hospedagem, mobilidade, lazer, etc. -, que provoca, naturalmente, o crescimento econômico, em especial nas áreas de turismo, comércio, arrecadação de impostos oriundos, direta ou indiretamente, dos fluxos de pessoas, provocados pelo evento, incluindo o comércio informal.
A Copa do Mundo propicia intercâmbios culturais entre os diferentes povos, bem como a repetição de uma tradição de competição de grande magnitude, fazendo com que haja o envolvimento de muitos países, voltados para esse evento, que ocorre de quatro em quatro anos, quando o país sede se prepara antecipadamente.
No Quadro 1, abaixo, pode-se ter informações sobre os países que já serviram de sede, até o presente momento, bem como as seleções competidoras e as vencedoras, cujos eventos foram caracterizados por competições nem sempre sadias, cujos prêmios consistiam em medalhas de ouro, prata aos melhores competidores, em várias modalidades, e uma taça , que leva, atualmente, o nome Taça FIFA, que muda de país de acordo com os vencedores.


ANO

SEDE
PAÍSES
COMPETIDORES

VENCEDOR

1930
Uruguai Argentina, Bélgica, Brasil, Chile, Estados Unidos, França, Iugoslávia, México, Paraguai, Peru, Romênia, Uruguai
Uruguai
Taça Vitória

1934
Itália Alemanha, Argentina, Áustria, Bélgica, Brasil, Checoslovaquia, Egito, Espanha, Estados Unidos, França, Holanda, Hungria, Itália, Romênia, Suécia, Suíça
Itália
Taça Vitória

1938
França Alemanha, Bélgica, Brasil, Checoslovaquia, Cuba, França, Holanda, Hungria, Índias Holanda, Itália, Noruega, Polônia, Romênia, Suécia, Suíça
Itália
Taça Vitória
1942
e
1946
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL


1950

Brasil
Bolívia, Brasil, Chile, Espanha, Estados Unidos, Inglaterra, Itália, Iugoslávia, México, Paraguai, Suécia, Suíça, Uruguai
Uruguai
Taça Jules Rimet

1954
Suíça Alemanha Ocidental, Áustria, Bélgica, Brasil, Checoslovaquia, Correia do Sul, Escócia, França, Hungria, Inglaterra, Itália, Iugoslávia, México, Suíça, Turquia, Uruguai Alemanha Ocidental
Taça Jules Rimet


1958

Suécia Alemanha, Ocidental, Argentina Áustria, Brasil, Checoslovaquia, Escócia, França, Hungria, Inglaterra, Irlanda do Norte, Iugoslávia, México, País de Gales, Paraguai, Suécia, União Soviética
Brasil
Taça Jules Rimet


1962

Chile Alemanha Ocidental, Argentina, Brasil, Bulgária, Chile, Checoslovaquia, Colombia, Espanha, Hungria, Inglaterra, Itália Iugoslávia, México, Suíça, União Soviética, Uruguai
Brasil
Taça Jules Rimet

1966
Inglaterra Alemanha Ocidental, Argentina, Brasil, Bul¬gária, Chile, Coréia do Norte, Espanha, França, Hungria, Inglaterra, Itália, México, Portugal, Suíça, União Soviética, Uruguai Inglaterra
Taça Jules Rimet



1970


México
Alemanha Ocidental, Bélgica, Brasil, Bulgária, Checoslovaquia, El Salvador, Inglaterra, Israel, Itália, Marrocos, México, Peru, Romênia, Sué-cia, União Soviética, Uruguai Brasil
Taça Jules Rimet (definitiva pelo tricampeonato. Roubada em 1984)

1974
Alemanha
Ocidental Alemanha Ocidental, Alemanha, Oriental, Argentina, Austrália, Brasil, Bulgária, Chile, Escócia, Haiti, Holanda, Itália, Iugoslávia, Polônia, Suécia, Uruguai. Zaire Alemanha Ocidental
Taça FIFA

1978
Argentina Alemanha Ocidental, Argentina, Áustria, Brasil, Escócia, Espanha, França, Holanda, Hungria, Irã, Itália, México, Peru, Polônia, Suécia, Tunísia
Argentina
Taça FIFA



1982


Espanha Alemanha Ocidental, Argélia, Argentina, Áustria, Brasil, Bélgica, Camarões, Chtecoslovaquia, Chile, El Salvador, Escócia, Espanha, França, Itália, Inglaterra, Irlanda do Norte, Honduras, Hungria, Iugoslávia, Kuwait, Nova Zelândia, Peru, Polônia, União Soviética
Itália
Taça FIFA

1986
México Alemanha Ocidental, Argélia, Argentina, Brasil, Bélgica, Bulgária Canadá, Coreia do Sul, Dinamarca, Escócia, Espanha, França, Hungria, Inglaterra, Iraque, Irlanda do Norte, Itália, Marrocos, México, Polônia, Paraguai, Portugal União Soviética, Uruguai
Argentina
Taça FIFA


1990

Itália Alemanha Ocidental, Argentina, Áustria, Bélgica, Brasil, Camarões, Checoslovaquia, Colômbia, Correia do Sul, Costa Rica, Egito, Emirados Árabes, Escócia, Espanha, Estados Uni¬dos, Holanda, Inglaterra, Irlanda, Itália, Iugos¬lávia, Romênia, Suécia União Soviética, Uruguai,

Alemanha Ocidental
Taça FIFA


1994

Estados Unidos Alemanha, Arábia Saudita, Argentina, Bélgica, Bolívia, Brasil, Bulgária, Camarões, Colômbia, Correia do Sul, Espanha, Estados Unidos, Grécia, Holanda, Irlanda, Inglaterra, Itália, Marrocos, México, Nigéria, Noruega Romênia, Suécia, Rússia, Suíça
Brasil
Taça FIFA



1998


França África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina, Áustria, Bélgica, Brasil, Bulgária, Camarões, Chile, Colômbia, Coreia do Sul, Croacia, Dinamarca, Escócia, Espanha, Estados Unidos, França, Holanda, Irlanda, Inglaterra, Irã, Itália, Iugoslávia, Jamaica, Japão, Marrocos, México, Nigéria, Noruega, Paraguai, Romênia, Tunísia

França
Taça FIFA



2002

Japão e
Correia
do Sul África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Ar-gentina, Bélgica, Brasil, Camarões, China, Coreia do Sul, Costa Rica Croácia, Dinamarca, Equador, Eslovênia, Espanha, Estados Unidos, França, Inglaterra, Irlanda, Itália, Japão, México, Nigéria, Paraguai, Polônia, Portugal, Rússia, Senegal, Suécia, Tunísia, Turquia. Uruguai


Brasil
Taça FIFA




2006



Alemanha Alemanha, Angola, Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Brasil, Coreia do Sul, Costa do Mar-fim, Costa Rica Croácia, Equador, Espanha, Estados Unidos, França, Gana, Holanda, Inglaterra, Irã, Itália, Japão, México, Paraguai, Polônia, Portugal, Republica Checa, Sérvia-Montenegro, Suécia, Suíça, Togo, Trinidad Tobago, Tunísia, Ucrânia


Itália
Taça FIFA



2010


África do Sul África do Sul, Alemanha, Argélia, Argentina, Austrália, Brasil, Camarões, Chile, Coréia do Norte, Coréia do Sul, Costa do Marfim, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estados Unidos, França, Gana, Grécia, Holanda, Honduras, Inglaterra, Itália, Japão, México, Nigéria, Nova Zelândia, Paraguai, Portugal, Servia, Suíça, Uruguai

Espanha
Taça FIFA
Quadro 1 ? COPAS DO MUNDO ENTRE 1930 e 2010
Fonte: ALMANAQUE, 2010.
Os jogos da Copa do Mundo não foram realizados nos anos de 1942 e 1946 devido à Segunda Guerra Mundial, que durou de 1939 a 1945.
Os recursos financeiros, para realização dos jogos da Copa do Mundo, são oriundos da FIFA, do país sede, de alguns investidores/patrocinadores, como bancos, indústrias esportivas, alem das confederações e clubes, que também contribuem para realização dos jogos da Copa do Mundo.
Em relação aos recursos tecnológicos, e os meios de comunicação, como televisão, rádio, provedores de internet, estão, cada vez mais, investindo nas transmissões das copas do mundo, tornando-as acessíveis para todo planeta através de tecnologias mais avançadas, como televisões cada mais digitais -, e simultaneamente. Contudo, deve-se atentar que existem os direitos de transmissão dos jogos da Copa do Mundo, que permitem certas exclusividades para estas transmissões, conforme acordos econômico-comerciais entre redes de rádio/televisão com a FIFA.
Sediar uma copa do mundo, seja em um país de primeiro mundo, ou não, requer dele uma preparação preliminar, com cronograma rigoroso, para a sua realização, pois a Comissão da FIFA, encarregada da preparação do campeonato, estabelece uma agenda, contendo exigências às quais o pais sede deve se submeter, como construções de arenas multiuso, com estrutura digna para realização dos jogos. Alem disso, existe um Comitê organizador que deverá gerir toda preparação logística, nos Estados escolhidos, para a realização dos jogos, além de cuidar do trade turístico para atender aos fluxos de visitantes, estrutura de mobilidade e locomoção, não só no seu próprio território, mas também com outros países, especialmente os participantes da Copa.
No Quadro I observa-se que houve uma crescente inclusão de participação de países de fora da Europa, e países do continente americano para sediar as copas do mundo, principalmente os países da Ásia, da África, e a partir de 2002, como foi o caso da última Copa do Mundo, realizada em 2010, na África do Sul.
A Copa do Mundo tem, em si, grande importância em termos de dimensões mundiais, pois une algumas seleções e seus torcedores, na disputa do primeiro lugar e título de melhor do mundo, ao final do campeonato. Essa importância tem relevância para o país sede, pois este passa por um processo de reestruturação em vários niveis, quer sociais, urbanos, transportes, - nacionais e internacionais -, hospedagem e, também, no trade turístico, haja visto o potencial de visitantes no período da realização dos jogos.

Plano de ação: comitês de gestão de pessoal
Segundo Bicheutti (2011, p 74), a definição do conceito do conceito de gestão de pessoas é
a área de recursos humanos não pode desempenhar de um simples provedor de serviços à organização e aos seus gestores.Ela deve assumir atitudes proativas seja no planejamento , seja na execução da estratégia de recursos humanos como busca de ferramentas mais eficazes de gestão de pessoal e na sua interação com os gestores.
Já, na concepção de Chiavenato (apud. SILVA, 2009), "este tipo de gestão tem como base três aspectos fundamentais:
1. as pessoas como seres humanos;
2. as pessoas como ativadores inteligentes de recursos organizacionais;
3. as pessoas como parceiras da organização".
Portanto, a importância da gestão de pessoas, perpassa pela gerência de pessoas envolvidas no processo de trabalho em uma organização, considerando a necessidade de sua competência no grupo em gestão para alcançar os seus objetivos, que pressupõe seu sucesso em termos econômico-gerenciais, e mesmo ambientais, quando se visualiza claramente a necessidade da junção uniformizada de seus gestores com seus colaboradores e/ou funcionários.
O conceito de gestão de pessoas se faz necessária, pois o enfoque deste artigo deve estar ligado à reflexão sobre uma estrutura ideal, para garantir a gestão de pessoas, que devem atuar na Copa do Mundo, em Salvador, em 2014. Essa estrutura deverá partir da avaliação da situação atual, em que se faz necessário o aprimoramento dos profissionais envolvidos, sejam diretamente, ou não, com o referido evento.
A condução do gerenciamento de pessoas não é uma tarefa fácil. Gerir pessoas, num evento desse porte, requer profissionalismo, habilidade, atitude e competência. É o que este estudo deseja enfatizar como reflexão.
A gestão de pessoas é imprescindível, durante Copa do Mundo de 2014 no Brasil e, em especial, em Salvador, pois a cidade é caracterizada pela heterogeneidade de classes sociais, cultura, religiosidade e raças. Essas características necessitam de uma atenção especial, pois se deve partir de uma avaliação atual, das condições da cidade, e se realizar um estudo organizacional racionalizado para as ações a serem implementadas antes e durante o período dos jogos da Copa do Mundo. Nisso o turismo tem papel prevalente. Para tanto, o turismo deverá ser o portal de entrada da cidade, para receber os turistas, oriundos do interior da Bahia, de outros estados e de outros paises. Os efeitos sobre a economia, infra-estrutura e o desenvolvimento socioeconômico poderão ser impactantes, positiva ou negativamente.

Gestão da Copa do Mundo
Para organização da copa do mundo no Brasil, foi necessária a criação de comitês gestores nos âmbitos nacional, estadual e municipal. No âmbito nacional devem atuar o Ministério dos Esportes, o Ministério de Planejamento, o Ministério do Turismo e o Ministério da Fazenda que compõem todo aparato necessário junto à FIFA. No caso dos Estados foram constituídos grupos de trabalhos e, no caso da Bahia em especial, criou-se a SECOPA e, em Salvador, no nível municipal, foi criada a ECOPA, ambas com a finalidade de gerir os grupos de trabalho (GT) destinados à organização do evento. Tanto no Estado da Bahia, como no Município de Salvador, os Comitês foram divididos, por exemplo, nas seguintes equipes de trabalho:
a. equipe de qualificação;
b. equipe de turismo e hotelaria;
c. equipe de meio ambiente;equipe de infra-estrutura e urbanismo.
Para maior entendimento segue o Organograma da SECOPA, no qual estão os cargos, devidamente hierarquizados :



Quadro 2 ? SECOPA - ORGANOGRAMA DOS CARGOS
Fonte: BAHIA, 2011. Adaptação do autor.
Para composição do Organograma, em epigrafe, com seus cargos devidamente pontuados, a seguir tem-se o Quadro 3, nominativo dos cargos na SECOPA devidamente exemplificados:

CARGOS NOME E-Mail TELS. (71)
Secretário da SECOPA
Ney Campello
ney.campello@secopa.ba.gov.br

3115-9933
Chefe de Gabinete
Renan Araújo
renan.araujo@secopa.ba.gov.br

3115-1698
Assessora
Planejamento Líliam Pitanga
liliam.pitanga@secopa.ba.gov.br

3115-1699
Assessora
Comunicação
Maísa Amaral
maisa.amaral@secopa.ba.gov.br

3115-1697
Assessora
Comunicação
Selma Morais
selmamorais@secopa.ba.gov.br

3115-1697
Aassessora de Orçamento e Administrativo
Yolanda Checcucci

yolanda.checcucci@secopa.ba.gov.br


3115-1697
Assessoria de
Promoção e Eventos

Márcio Lima

marciolima@secopa.ba.gov.br


3115-1699
Assessoria de
Relações Internacionais e Esportivas


Marco Costa


marcocosta@secopa.ba.gov.br



3115-1699
Assistente Administrativo Alisson Bonfim
alisson.bonfim@secopa.ba.gov.br

3115-1697
Assistente Administrativo Diego Oliveira
diego.oliveira@secopa.ba.gov.br

3115-1699
Assistente Administrativo Eduardo Queiroz
eduardoqsa@secopa.ba.gov.br

3115-1699

Assistente Administrativo
Ivone Machado
ivone.machado@secopa.ba.gov.br

3115-1697

Assistente Administrativo
Maria Dulce Cruz
mariadulce.cruz@secopa.ba.gov.br

3115-9933

Assistente Administrativo
Nathália Mattos
nathalia.mattos@secopa.ba.gov.br

3115-1699

Assistente Administrativo
Gabriel Moura

gabriel.moura@secopa.ba.gov.br

3115-9933
Quadro 3 - SECOPA ? CARGOS E TITULARES
Fonte: BAHIA, 2011. Adaptação do autor.






Gestão de pessoal de turismo
Para a estruturação de um programa de gestão de pessoas, que trabalharão com atividades relacionadas ao turismo, na Copa do Mundo de 2014, em Salvador, seja direta ou indiretamente, deverá ser planejado com bastante brevidade. Por enquanto, o projeto distribuído pelo Ministério do Turismo (CATÁLOGO, 2011, s.p.) destaca apenas, em relação a Salvador, uma alusão à "Bahia preferência nacional dos turistas" e pontua atividades necessárias à Capacitação e reciclagem de profissionais da área de turismo, ou seja, programa "Bem Receber Copa 2014" e ensino de idiomas inglês e espanhol, sem, no entanto, indicar os meios ou quem executará essas tarefas.
O Estado da Bahia foi eleito o 31º lugar, na classificação de destinos imperdíveis no mundo, conforme a pesquisa do Vox Populli para o Ministério do Turismo (GUIA, 2011), entretanto, a rede hoteleira necessita de uma requalificação, modernização, cujo projeto já foi orçado e liberada uma linha crédito, concedida pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES) de em torno de R$1 bilhão. De concreto, soube-se, através da 2ª Reunião Pública, do PDITS (SALTUR/FEA, 2011), que o governo baiano pretende implementar o Programa de Capacitação Profissional, que é considerado o maior programa de capacitação, numa parceira com o Instituto João Havelange, para que o Estado da Bahia possa estar apto a receber turistas, especificamente quanto aos meios de hospedagem.

Nesse sentido se indica hipoteticamente, como foi apontado desde o início, um projeto no qual as autoridades governamentais, seja no âmbito estadual ou municipal, poderão contratar serviços terceirizados de consultoria, com intuito do implementar essa gestão de pessoas, com o objetivo de atender à demanda de visitantes, tendo como parâmetro a competência humano-profissional, já que nenhum dos Comitês oficiais têm informações objetivas ou não se predispuseram a ceder materiais específicos para esta pesquisa
O Quadro 4, a seguir, apresenta resumidamente a proposta hipotética acima referida.


PROFISSÃO SITUAÇÃO ATUAL PROPOSTA
Guias de turismo
Falta de profissionalismo no tratamento dos turistas. Uso do imaginário para dar informações em relação aos monumentos. Os guias estão mal instruídos sobre a história dos monumentos, igrejas ou história da Bahia. Realização de cursos de re-ciclagem para os guias, com aulas de inglês e espanhol básicos, aulas de história de cultura e arte soteropolitana.
Vendedores lojistas e ambulantes Falta de profissionalismo no tratamento dos visitantes, falta de educação na abordagem. Ausência de identificação ou credenciais de ambulantes. Realização de curso de educação postural, creden-ciamento dos ambulantes e curso básico dos idiomas inglês e espanhol para lojistas e ambulantes.
Taxistas ou motoristas de micro-ônibus e vans Falta de informação sobre conhecimento geral da cidade de Salvador. Desconhecimento de línguas estrangeiras Realização de cursos básicos dos idiomas inglês e espanhol e de geografia e historia da cidade, além de instruções para o trato com o público.
Garçons Falta de profissionalismo no trato com o público e desconhecimento profissional Realização de cursos básicos dos idiomas inglês e espanhol e da profissão de garçom , além de curso de educação postural.
Recepcionistas de hotéis e pousadas Falta de profissionalismo no tratamento aos visitantes, atendimento a informações e indicações importantes. Realização de cursos básicos dos idiomas inglês e espanhol, cursos básicos de geografia e história da cidade e de boas maneiras.
Baianas de acarajé Falta de profissionalismo no bom tratamento dos visitantes, cuidados com a higiene dos alimentos Realização de cursos básicos dos idiomas inglês e espanhol, de historia das baianas, do acarajé e do abará, e curso de higiene alimentar básico.
Policiais Falta de número de policiais e de profissionalismo no tratamento dos visitantes, Realização de cursos básicos dos idiomas inglês e espanhol e de geografia e historia da cidade para ajudar os visitantes
Quadro 4 - PROPOSTA DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS PARA COPA DE 2014
Fonte: Fabrício Cidreira Cammarota. 2011.
Os profissionais pontuados, no Quadro acima, serão gerenciados pelo SINDETUR (Sindicato de Turismo da Bahia), devidamente credenciado, com serviços de consultoria prestados pelo autor desta proposta de gestão de pessoal . Dessa forma se deverá programar as atividades de capacitação profissional necessárias para o bom desenvolvimento das atividades durante a Copa, especialmente organizar os cursos de acordo com as necessidades descritas no quadro em epigrafe. Os cursos deverão ser ministrados por profissionais de cada área, devidamente contratados, para a programação e execução das tarefas propostas, visando formar pessoas capazes de desempenhar suas funções adequadamente. Esta oferta de cursos, bem como a sua realização, deverá contar com o apoio das Secretarias de Educação, Planejamento e Turismo e as demais áreas relacionadas, alem da cooperação da SECOPA e ECOPA, tendo como parceiros o SENAC (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial), SIMM (Serviço Municipal de Intermediação de Mão-de-Obra) e o SINGTUR (Sindicato dos Guias de Turismo).
Em relação ao pessoal de assistência ao turista será devidamente credenciado pelas secretaria de turismo, municipal e estadual, através da SECOPA e ECOPA. A convocação para seleção de pessoal, preferentemente voluntário, deverá ser feita através de publicação nos meios de comunicação e gerenciada pelas entidades pontuadas, O pessoal a ser admitido deverá, em principio, ter formação acadêmica, preferentemente em nível superior, ou técnico nas áreas de turismo, gestão, hospitalidade, administração, e outros cursos técnicos e do nível superior afins.
Os cursos a serem realizados deverão atingir maior número de profissionais citados no Quadro 4, pois a Copa do Mundo em Salvador requererá qualificação e profissionalismo do pessoal envolvido, que esteja direta ou indiretamente ligados aos serviços que necessários ao bom andamento do evento.
Para maior conforto dos turistas, esta gestão de pessoas para o turismo em Salvador na Copa do Mundo em 2014, pretende implementar transportes programados, apresentando calendário dos jogos e roteiros pré-estabelecidos, atendendo às diversas regiões que concentram hotéis e pousadas na cidade. Por exemplo: Roteiro 1 - Praias do Flamengo-Fonte Nova: via orla marítima, Ondina, avenida Centenário, Dique do Tororó (ida e volta); Roteiro 2 - Vilas do Atlântico-Fonte Nova: via Paralela, Bonocô, Fonte Nova (ida e volta); Roteiro 3 - Terreiro de Jesus-Fonte Nova - via Carlos Gomes, avenida Sete, Barra, Ondina, Garibaldi, Fonte Nova (ida e volta); Roteiro 4 - Cidade Baixa (Associação Comercial) - via Contorno, Campo Grande, Vale dos Barris, Fonte Nova (ida e volta), etc. Estes roteiros deverão estar ativos durante o período de realização dos jogos em Salvador.
O transporte poderá ser feito por microônibus ou vans, com ar condicionado e um guia-cobrador de tarifas, cujas taxas terão valor ou custo popular. Esses veículos poderão estar equipados com vídeo aptos a exibir imagens relativas às copas e/ou Cidade do Salvador. De comum acordo com empresários de transporte se elaborará mapas com os roteiros, indicando os pontos de parada em hotéis, pousadas, ruas ou praças e horários.
Desafios e problemas
Os desafios e problemas relativos à Copa do Mundo, em Salvador, são dois elos significativos que podem resultar no sucesso, ou não, da participação soteropolitana no período de realização da Copa de 2014.
Entre os diversos desafios que Salvador enfrenta, está no cumprimento pontual das exigências do agendamento de tarefas da FIFA. Caso as exigências não sejam cumpridas, isso pode acarretar o descredenciamento da idade como sede.
A cidade do Salvador, apesar de possuir grande potencial cultural e turístico, - sua gente calorosa -, e uma "indústria do carnaval" que faz convergir mais de 2 milhões de visitantes, todos os anos. Presume-se que pelo menos, até o presente momento, não está preparada para uma demanda de visitantes, que se pensa seja bem superior à do carnaval e com foco de realização numa arena localizada em local problemático. A cidade está desprovida de transportes públicos adequados, de vias de acesso, - aeroporto ao centro da cidade e à arena -, bem como são deficientes, também, os equipamentos de lazer e sistema hoteleiro, além do estado decadente do patrimônio turísticos que necessita de restauro e de revitalização.
Os problemas, ora pontuados, poderão ser sanados ou suavizados, no decorrer do período que antecede o evento em Salvador. São os grandes desafios que a organização da Copa em Salvador enfrenta. Eles requerem um esforço das autoridades envolvidas, - Governo do Estado, da Prefeitura, empresas privadas, pessoas escolhidas para a sua administração, políticos -, com intuito de desenvolver com celeridade as obras necessárias, além de promover maior conforto, agilidade e, especialmente, a segurança aos torcedores e especialmente aos visitantes.
Pelo Quadro 5 abaixo, cujos dados foram extraídos da revista Veja (COURA, 2011, p 88-100) informa que a situação atual das Arenas esportivas. Pela análise desses dados verifica-se que, na maioria, o término das arenas é inviável para a realização da Copa do Mundo de 2014, quanto mais para a Copa das Confederações, com exceção da arena da cidade de Fortaleza, cujo cronograma de desembolso de recursos e de execução das obras está adequado para o tempo determinado. A grande parte dessas arenas apresentadas ainda está na fase da fundação, na qual o tempo de construção é maior do que a do levantamento do resto da estrutura das obras projetadas. A aceleração dessas obras fica na dependência do desempenho das empreiteiras e sua administração para cumprir os prazos estabelecidos para a conclusão, possibilitando o uso na Copa do Mundo.

CIDADE SEDE ARENA SITUAÇÃO ATUAL PREVISÃO PARA 2014
Brasília Estádio Nacional Já foram inves-tidos R$ 670 mi-lhões. Está no i-nicio da obra Pela previsão, no ritmo atual, ficará pronta em outubro 2021, caso haja aumento de investimento de 291 % mensais
Belo Horizonte Mineirão Já foram inves-tidos R$ 86,6 milhões. Está no inicio da obra Pela previsão, no ritmo atual, ficará pronta em abril de 2020, caso haja aumento de investimento de 235 % mensais
Fortaleza Castelão Já foram inves-tidos R$ 80 mi-lhões. Se encon-tra quase com 80% construído Pela previsão, no ritmo atual, ficará pronta em agosto de 2013. Esta é a única arena que está com cronograma de obras cumprindo, ideal para o previsto
Manaus Arena Amazônia Já foram inves-tidos R$ 86,6 milhões. Está no inicio da obra, sem fundação Pela previsão, no ritmo atual, ficará pronta em maio de 2024, caso haja aumento de investimento de 389 % mensais
Cuiabá Arena Pantanal Já foram inves-tidos R$ 48 mi-lhões. Está no i-nicio da obra, sem fundação Pela previsão no ritmo atual, ficará pronta em agosto de 2017, caso haja aumento de investimento de 140 % mensais
São Lourenço da Mata - PE Arena Pernambuco Já foram inves-tidos R$ 60 mi-lhões. Está no inicio da obra, sem fundação Pela previsão, no ritmo atual, ficará pronta em dezembro de 2015, caso haja aumento de investimento de 72 % mensais
Porto alegre Beira Rio Já foram inves-tidos R$ 30 mi-lhões Pela previsão, no ritmo atual, ficará pronta em fevereiro de 2017, caso haja aumento de investimento de 116 % mensais
Salvador Fonte Nova Já foram inves-tido R$ 99,9 milhões Pela previsão, no ritmo atual, ficará pronta em novembro de 2015, caso haja aumento de investimento de 9 % mensal
Natal Arenas das Dunas Nada foi investido Sem previsão, pois não se iniciaram as obras e as verbas também não foram liberadas, contudo para ficar pronta, o investimento mensal deverá ser da ordem de R$12,5 milhões mensais
São Paulo Estádio do Corinthians Nada foi investido
Sem previsão, pois não se ini-ciaram as obras e as verbas tam-bém não foram liberadas, contudo para ficar pronta, o investimento mensal deverá ser da ordem de R$31,2 milhões mensais.
Curitiba Arena da Baixada Nada foi investido Sem previsão, pois não se inicia-ram as obras e as verbas também não foram liberadas, contudo para ficar pronta, o investimento mensal deverá ser da ordem de R$ 6,9 milhões mensais
Quadro 5 - SITUAÇÃO DAS ARENAS EM JULHO DE 2011
Fonte: COURA, 2011, p. 88-100. Adaptações do autor.

Em Salvador, o estádio da Fonte Nova, devido a fatores estruturais, estava destinado apenas para uso em campeonatos estaduais e municipais . Com a escolha da capital baiana para sediar jogos, foi projetada a demolição do estádio então existente, que já ocorreu em 29 de agosto de 2010. A demolição está dando lugar à construção de uma arena esportiva moderna (Fig. 1), de acordo com as exigências da FIFA, cujo projeto foi avaliado em R$ 591 milhões e já foram gastos R$ 99,9 milhões. Deverão compor, ainda, esse computo, os investimentos nas vias de acesso à arena da Fonte Nova que, apesar do atraso das obras e com previsão matemática para novembro de 2015, deverá ser feito um empenho para o termino no prazo, antes do inicio da Copa do Mundo em 2014.

Fig. 1- PROJETO VIRTUAL DA ARENA FONTE NOVA
Fonte: BRASIL, 2011.

Conforme exigências da FIFA poderão ser escolhidas cidades de apoio aos treinos dos jogos de acordo com sua infra-estrutura hoteleira. As acomodações deverão contar com dependências, pelo menos a partir de 50 quartos, com ar acondicionado, serviços de banquete, restaurante com capacidade mínima para 50 pessoas, sala para conferências de impressa, com capacidade mínima para 100 pessoas, centro de treinamentos com SPA, piscina e área de fitness, campo de futebol para treinamento, na distancia de 15 a 20 minutos de ônibus, na proximidade a um aeroporto.
Para maior mobilidade turística no Estado da Bahia, é pretensão da organização, implementar e aprimorar as diversas modalidades de turismo existentes no Estado da Bahia, como o turismo étnico, turismo náutico, turismo de golf, turismo religioso, turismo de negócios, ecoturismo, turismo do vinho, turismo do esporte e aventura, turismo LGBTTT, - lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, travestis e transgêneros -, turismo de pesca esportiva, turismo rural, turismo cultural.
Para ampliar o turismo baiano, o Governo do Estado pretende realizar o Programa de Interiorização da Copa ? com incentivo do Estado da Bahia para a participação dos 417 municípios baianos -, com a inclusão de novas rotas áreas, objetivando propagar esses municípios que, provavelmente, resultará no desenvolvimento socioeconômico, pelo viés turístico, principalmente em várias localidades baianas, que têm um grande potencial turístico.
Em relação às vias de acesso na, Região Metropolitana de Salvador, de acordo com as necessidades para Copa do Mundo de 2014, está sendo implementado um investimento na ordem de R$ 570 milhões do Governo Federal para as obras acessibilidade do trânsito para novas vias de acesso, para vias de deslocamento aeroporto, - rede hoteleira, estádio -, dois novos berços no porto de atracação, nova pista de pouso-decolagem no Aeroporto. A verba destina-se, ainda, à viabilização de corredores expressos, como corredor estruturante aeroporto/acesso norte, corredor estruturante/Lauro de Freitas, corredor estruturante Iguatemi /Lapa, corredor Gal Costa, Ligação Gal Costa via regional, corredor Pinto de Aguiar, Metrô, além do sistema viário 2 de Julho de acesso ao Aeroporto e Litoral Norte, já existente, com a recuperação de mais de 1800 km de entradas, construção de rodovias como a BA-001, ligando Camamu a Itararé no sul do Estado (Mapa 1) (BRASIL. Ministério, 2011).

Mapa 1 ? PROJETO VIRTUAL DOS ACESSOS PARA COPA 2014
Fonte: BRASIL, Ministério, 2011.
A cidade do Salvador, apesar de possuir belos monumentos culturais turísticos, está necessitando de uma revitalização, em grande parte mal conservada e, também, a sua própria valorização o que contrasta pela sua riqueza cultural e a diversidade de religiosidade que a capital baiana e todo seu estado têm.
A demanda prevista, para a época da realização da copa, está em torno de 6 milhões de visitantes em Salvador, oriundos do interior da Bahia, dos demais estados do Brasil e de outros países, o que faz com que os turistas forçosamente venham visitar e apreciar os atrativos que Salvador possui, apesar de mal organizados e maltratados.
No Quadro 6, a seguir, é apresentada uma avaliação turística geral dos diversos itens que envolvem a atividade e os monumentos turísticos culturais e as possibilidades de mobilidade.



CLASSIFICAÇÃO DAS ÁREAS TURÍSTICAS SELECIONADAS

Critérios de hierarquização
Centro antigo
Orla oceânica

Orla BTS

Parques

Ilhas

Total

Concentração e relevância do patrimônio
4
3
3
3
2
15

Saneamento


4
4
3
2
1
14

Resíduos sólidos

2
3
2

2
1
10

Segurança

2
2
2
1
1
8

Acessibilidade

2
4
3
3
2
14

Conectividade entre áreas Turísticas

4
4
2
1
1
12

Atratividade

3
2
2
3
3
13

Marketing e comercialização

3
2
1
1
1
8

Quadro institucional

2
3
2
2
2
11

Oferta de equipamentos e serviços turísticos

4
2
2
2
1
11

Características naturais para uso

2
3
3
3
4
15

Totais

32
32
25
23
19

Quadro 6 - CLASSIFICAÇÃO DAS ÁREAS TURÍSTICAS SELECIONADAS
Fonte: SALTUR/FEA, 2011. Adaptações do autor.

A Classificação das Áreas Turísticas Selecionadas acima se baseiam em pontos classificatórios, de 1 a 4, equivalendo:
1 = estado ruim, necessitando ajuste e/ou implementos;
2 = certa possibilidade de ajuste e bom uso;
3 = uso e instalações em excelente estado e
4 = totalmente habilitado para uso total das áreas, equipamentos e mobilidade turística.

Mapa 2 - BAIA DE TODOS OS SANTOS - SALVADOR
Fonte: BRASIL, Ministério, 2011.
No Mapa 2 visualizam-se claramente as aéreas, bairros de Salvador. As áreas Centro antigo, Orla oceânica, Orla BTS, parques e ilhas estão dimensionadas geograficamente, conforme o abaixo relacionado:
1. Centro Antigo - Centro Histórico, Lapinha, Comércio, Barbalho, Macaúbas, Saúde, Nazaré, Tororó, Barris e Centro, ampliado com a inclusão de um trecho maior da Liberdade e Curuzu, e da avenida Sete de Setembro, do trecho da Vitória até o bairro da Graça onde se situa o Palacete das Artes, Museu Rodin, Museu Carlos Costa Pinto, Museu de Arte da Bahia;
2. Orla da Baía de Todos os Santos: trecho do Farol da Barra até o final de São Tomé de Parípe;
3. Orla Oceânica: trecho do Farol da Barra até o final da Praia do Flamengo;
4. Ilhas: Ilhas dos Frades, Ilha de Maré e Ilha de Bom Jesus e os parques: Parque de Pituaçu, Parque da Cidade, Parque São Bartolomeu e Parque Metropolitano do Abaeté.
Numa análise geral do Quadro 6, se verifica que as pontuações da segurança não passam de 2, o que significa que, nas áreas turísticas, como: Centro Antigo, Orla Oceânica, Orla BTS, Parques e Ilhas, a segurança está necessitando urgentemente de um plano de ação para a segurança dessas localidades.
Quanto à acessibilidade se constata uma certa facilidade para alguns locais, em especial a orla marítima e nos parques da cidade, contudo no Centro Histórico, considera a acessibilidade apresenta dificuldades, devido às áreas em declives com várias ladeiras com pisos não asfaltados. Deve-se salientar que a acessibilidade da orla é dificultada, enormemente pela mobilidade, especialmente nas horas de rush.

Fig. 2 ? PROJETO VIRTUAL DE VIAS DE ACESSO
Fonte: BRASIL, Ministério, 2011.
O Centro Histórico Antigo (Mapa 3), conforme os indicativos do Plano de Desenvolvimento Integrado do Turismo Sustentável, de Salvador, possui as seguintes características:
1. Reúne os principais atrativos culturais da cidade e dois circuitos do carnaval que compreendem o Pelourinho e avenida Sete;
2. há parcerias entre a SALTUR e o setor privado para a dinamização e ampliação dos negócios na região;
3. o acesso é restrito para os portadores de deficiência de locomoção, contudo é aparamente satisfatório de modo geral;
4. há desinteresse por parte da população local em visitar o Centro Histórico, entretanto, é bem visitado pelos turistas, o que indica a necessidade de valorização de nossa cultura pelos baianos;
5. tem oportunidades de se beneficiar com projetos de melhorias no que deve resultar no desenvolvimento socioeconômico cultural de Salvador e seus residentes, através de diversos projetos e propostas por vários órgãos do governo;
6. pretende-se agilizar e implementar os seguintes ações: conservação e manutenção do patrimônio material e imaterial; melhorias na infra-estrutura local; formatação de novos produtos; dinamização dos espaços marketing e promoção, melhoria na qualidade dos serviços ofertados; aperfeiçoar a conectividade com outras áreas da cidade, que podem beneficiar o turismo cultural e o de negócios e eventos.
Em relação à conectividade entre áreas turísticas, pela pontuação apresentada entre as áreas delimitadas, constata-se que Centro antigo e a Orla oceânica há uma grande conectividade, contudo quase não há conectividade dos Parques e as Ilhas o que talvez resultou numa das menores pontuações. O item melhor avaliado, em todas as áreas é o de Concentração e relevância do patrimônio, o que corrobora o destino turístico de Salvador.
O quesito atratividade é preocupante, haja visto que a pontuação resultou em muita deficiência, cujo resultado não é promissor. Atratividade é a palavra chave para a vocação de Salvador, o turismo, para um conseqüente desenvolvimento socioeconômico da cidade e seu entorno. A atratividade é um dos pontos básicos para o turismo cultural, cujo patrimônio mais representativo necessita ser restaurado, conservado, valorizado e, principalmente, ser visitado. O descaso pelos bens atrativos do turismo, nos últimos 5 ou 6 anos, pelos governos, - municipal, estadual e federal -, é notório, pois estão deixando o tempo consumir o seu patrimônio, com edifícios que desabam ou se incendeiam, edifícios religiosos sem assistência, ou empregando restauradores pouco profissionais, ou ainda, tirando as verbas que sustentavam os museus da cidade.
Uma grande preocupação constatada no Quadro 6, com menor pontuação é o marketing e comercialização em pontos culturais turísticos os quais são considerados de grande importância, para atrair e conservar fluxos turísticos para a cidade, em questão que pontua o Centro antigo, Orla oceânica, Orla BTS, os parques e as ilhas necessitam urgentemente de uma revitalização urbanística, do patrimônio e paisagística para compor todos trajetos e locais de maior afluxo turístico, para se apresentar como uma cidade turística a nível internacional para os visitantes durante a realização da Copa do Mundo, em 2014.

Mapa 3 - CENTRO ANTIGO DE SALVADOR
Fonte: BRASIL, Ministério, 2011.
Quanto ao saneamento, a cidade de Salvador está caminhando bem, conforme pontuação apresentada no Quadro 6 ressaltando que essa avaliação diz respeito apenas às áreas de acesso ao turismo. A sua evolução se deve a alguns programas de saneamento básico, como exemplo: Programa Bahia Azul, o Ribeira Azul, no entanto, em relação aos resíduos sólidos possuem pontuações preocupantes abaixo de 3. Esses resíduos ocupam grandes áreas, reservados à de mobilidade, em Salvador, com problemas de lixo público.
Em relação ao quesito Quadro institucional observa-se que, também, é preocupante, pelo demonstrativo no Quadro 6, pois suas pontuações se situam no nível da critica de ruim e/ou necessitando ajuste, o que coincide com as pontuações de Oferta de equipamentos e Serviços turísticos, nos quais constata-se que, no presente momento, somente o Centro histórico antigo tem condições mínima de oferta desses serviços, somados à insegurança que o vem ocupando ultimamente
Já em relação às Características naturais para uso, conforme dados pontuados no Quadro 6, nenhuma das localidades oferece maior perfeição. As Ilhas são aquinhoadas pela natureza, mas são de difícil acesso, as áreas da Orla, tanto dentro da baia, como ao longo do litoral, não tem infra-estrutura adequada depois da derrubada das barracas. Os parques também, no momento, estão com deficiência de áreas naturais. Além disso, observa-se um crescimento urbanístico desordenado da cidade, cada dia mais crescente.

Mapa 4 - Orla Oceânica
Fonte: BRASIL, Ministério, 2011.
A Orla oceânica, no Mapa 4 acima, tem as seguintes características, diagnosticadas até o presente momento:
1. Singularidade da área pela extensão de praias, que com extensão em torno de 30 km e, pela paisagem variada, com dunas e coqueirais,- estes quase extintos -, o que representa uma boa visibilidade em dia ensolarado;
2. possui dois dos principais eventos da cidade: festa de Iemanjá e carnaval no circuito Barra-Ondina. Estes dois eventos são bem, conhecidos nacionalmente e internacionalmente, pois representam atratividade religiosa e cultural respectivamente;
3. acessibilidade restrita para os portadores de deficiência de locomoção, contudo possui boa conectividade de uma maneira geral entre os acessos da região, fora as horas de rush e de entrada e saída de escolas;
4. mal aproveitamento da área para o segmento de sol & praia, esportes, tanto para a população quanto para os turistas, haja visto que, em decorrência da demolição das barracas de praia, ressaltando que algumas destas possuíam grandes estruturas confortáveis contudo condenadas pelas pela sua construção em tijolos que não é próprio para praia. Hoje as praias estão pouco conservadas e com amontoados de lixo;
5. essa região marítima possui dimensão para a ampliação das opções de eventos;
6. a orla marítima possui baixa capacidade inovadora e empreendedora, para criar negócios criativos e singulares, mantendo-se no status de lugar comum, "sem atrativos";
7. ações necessárias: revitalização, melhorias na infra-estrutura, planejamento urbanístico da orla definindo os espaços de uso e de contemplação da paisagem; formatação de novos produtos, marketing, promoção e melhoria na qualidade dos serviços ofertados.
A Orla da Baia de Todos os Santos tem as seguintes características, de acordo com Mapa 5, apresentado abaixo:
1. Águas propícias ao banho e classificadas dentre as melhores praias, no caso da praia do Porto da Barra;
2. possui as celebrações culturais anuais de importância: lavagem do Bonfim e a procissão marítima do Bom Jesus dos Navegantes;
3. simbolismo da arquitetura civil, militar e religiosa, que são representadas pelos fortes e igrejas, vários edifícios tradicionais;
4. são espaços desarticulados dificultando para visitação de turistas, como o exemplo das áreas do Porto da Barra, Mercado Modelo, Bahia Marina, Igreja do Bonfim, forte do Monte Serrat;
5. aproveitamento inadequado do seu potencial para o turismo náutico, para o qual os espaços, atualmente, são improvisados;
6. possibilidade de implantação de projetos no âmbito do Plano de Turismo Náutico do Governo do Estado, pois o turismo marítimo é mais um portal de acessibilidade para Salvador.

Mapa 5 - Orla na Baia de Todos os Santos
Fonte: BRASIL, Ministério, 2011.

Têm meios para ações nos segmentos de: Turismo náutico, Turismo cultural, Turismo de sol e Praia são: Conservação e manutenção do patrimônio material e imaterial Melhorias na infra-estrutura.
São poucos os parques metropolitanos em Salvador. Em função de sua situação, esses parques possuem as seguintes características:
1. Locais propícios para realização de eventos musicais e recreativos e teatrais, por ex: Música no parque; importância dos parques que contem espaços com reservas de Mata Atlântica;
2. dunas que, além da sua função paisagística, permitem manifestações culturais que são resgatadas por apresentações de teatro, danças etc.;
3. acessibilidade restritiva para os portadores de deficiência de locomoção e relativa conectividade com outras áreas turísticas;
4. ocupação desordenada e invasões no entorno dos parques, que ocasionam a falta de segurança pública;
5. aumento do interesse dos visitantes com a qualidade de vida e a grande necessidade de manutenção de espaços naturais em centros urbanos;
6. abandono por parte do poder público;
7. segmentos: ecoturismo, turismo de esportes, turismo cultural;
8. são necessárias as seguintes ações: conservação e manutenção do patrimônio material e imaterial;
9. melhorias na infra-estrutura e nas ações de segurança, alem da formatação de novos produtos e dinamização dos espaços marketing e promoção, controle e fiscalização das áreas delimitadas.
No mapa 6, a seguir, estão as ilhas que rodeiam a cidade de Salvador e a Baia de Todos os Santos. Nela estão a Ilha dos Frades, a Ilha da Maré e a Ilha do Bom Jesus dos Passos.


Mapa 6 - Orla na Baia de Todos os Santos
Fonte: BRASIL, Ministério, 2011.

Considera-se como as principais características destas ilhas são:
1. Patrimônio natural em grande risco de degradação;
2. áreas inseridas nas APA (Área de Proteção ambiental);
3. Baia de Todos os Santos;
4. gastronomia e artesanato com possibilidades de potencializar a localizar as ilhas que denota um difícil acesso a elas;
5. carência de estrutura de serviços turísticos e de infra-estrutura ;
6. condições de limpeza e serviços básicos em geral em decadência.
Há planos de desenvolvimento da cadeia náutica. Através estudo desenvolvido pela SETUR e Ministério do Turismo, porém, obedecendo à determinação judicial federal sobre o Projeto Orla, prevê disciplina do uso e ocupação da orla marítima nacional, visto a área pertencer à Marinha. Isso se deve, sobretudo, ao atendimento irregular do sistema de saneamento básico.
Para composição das ações nos Segmentos do Turismo de sol e praia, Turismo náutico e Turismo cultural existem os seguintes pareceres:
1. Conservação e manutenção do patrimônio material e imaterial;
2. ordenamento do uso do solo;
3. melhorias na infra-estrutura;
4. formatação de novos produtos;
5. dinamização dos espaços~
6. marketing e promoção
7. melhoria na qualidade dos serviços ofertados turisticamente.
Em relação à infra-estrutura da cidade do Salvador, pode-se considerar as seguintes características, como a interligação entre a Cidade Alta e a Cidade Baixa que, em principio, está restrita ao Elevador Lacerda e ao Plano Inclinado Gonçalves, havendo necessidade de estudo maior sobre o acesso mais rápido entre os dois níveis da cidade. Outro foco a ser observado é a implementação de calçadões e ciclovias ao longo da borda marítima, havendo já trechos de ciclovias em alguns lugares da orla de Salvador, como também a recuperação da Orla oceânica e da Baía, em especial destaque para as áreas de embarque e desembarque, que constituem elementos de transição entre o mar e as áreas edificadas.

Possíveis soluções
Há planos de recuperação e integração urbanística entre o Plano Inclinado da Liberdade, como também se aponta a necessidade de modernização do sistema ferroviário urbano e sua integração aos outros modais, para atender a cerca de 1/3 da população, que reside na área do Subúrbio Ferroviário, que se integra ao espaço turístico da cidade.
O Aeroporto Internacional de Salvador, Luiz Eduardo Magalhães, deverá passar por ampliação, cujas estas obras são emergenciais, visando a expectativa de 150 mil turistas desembarcando na cidade para a Copa do Mundo de 2014.
A infra-estrutura básica do sistema de esgotamento sanitário deverá ser implementado o Sistema de Disposição Oceânica (SDO) de Jaguaribe. Em 2012 a cidade do Salvador atingirá em torno de 90% de cobertura do esgotamento sanitário, que compõe as Bacias de Águas Claras, Cambunas e Trobogy, além da drenagem e manejo de águas pluviais. No entanto, a cidade é carente de ações planejadas que sejam capazes de diagnosticar a real situação do sistema de esgotamento da cidade, bem como da limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos, como também existem áreas que necessitam de serviços regulares de limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos. Há ainda áreas consideradas de difícil acesso que precisam primordialmente desses serviços.
Em relação à questão da gestão ambiental, está planejada a Elaboração de Plano de Manejo e Ordenamento do Uso do Solo, através da Secretaria de Urbanização do Município da Bahia nas Ilhas, porem, a ocupação desordenada e o uso turístico potencial das ilhas, pode gerar uma gradativa perda dos recursos naturais existentes. Por outro lado, o Programa de Educação Ambiental (PEA) para a população, através da Secretaria do Meio Ambiente e com a parceria da Comissão Interinstitucional de Educação Ambiental do Estado da Bahia (CIEA-BA), está voltado para o saneamento básico, cuja situação atual é de degradação dos atrativos naturais e turísticos, que é oriunda de práticas inadequadas da população.
Em relação aos parques de Salvador, há um Plano de Manejo e Gestão Integrada através da Secretaria do Meio Ambiente do Estado da Bahia, para as deficiências apontadas, que decorrem da ausência de uma gestão integrada dos parques entre os diferentes órgãos públicos. Para tanto, há estudos de viabilização e implantação de um programa de monitoramento e avaliação da qualidade das faixas de areias, que compõem as praias para controlá-las, com a finalidade de manter dentro dos padrões sanitários e ambientais, que sejam aceitáveis. A qualidade da areia das praias está necessitando de um estudo profundo de Manutenção e Ampliação do Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas das Praias.
A manutenção do programa é executado pelo Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (INEMA) de avaliação da qualidade e balneabilidade das águas das praias de Salvador, expandindo para as praias das ilhas e outras que não estão incluídas na análise atual. Também está a seu cargo a elaboração do Programa de Ordenamento da Ocupação e Urbanização das Encostas, Calhas e Várzeas dos Rios, sob a responsabilidade do INEMA, visto que a degradação da qualidade dos recursos hídricos de Salvador decorre, em grande parte, da ocupação desordenada destas áreas de drenagem direta, cujas conseqüências são catastróficas para o meio ambiente, causando prejuízos incalculáveis para o meio ambiente, que necessita de uma uniformização para sua sobrevivência. As áreas paisagísticas de Salvador são fortemente influenciadas por essas áreas que perpassam as conseqüências ora mencionadas (SALTUR/FEA, 2011)
Em relação ao patrimônio histórico cultural de Salvador, há projetos de criação de Câmara Temática do Patrimônio Histórico, no Conselho Municipal do Turismo (COMTUR) de Salvador, com o objetivo de identificar e promover ações que visem tornar o patrimônio cultural um vetor de grande importância e ser um atrativo para o desenvolvimento turístico de Salvador, como também a criação de núcleo de fiscalização e monitoramento do patrimônio cultural da cidade de Salvador que está subordinado ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) com finalidade de fiscalização e, como missão objetiva, de monitorar, de forma efetiva e permanente, edificações e manifestações culturais, com o objetivo de alimentar um banco de dados com informações atualizadas e disponibilizadas para a sociedade.
A instalação de um Centro de Referência da Cidade de Salvador servirá para suprir a carência de uma instituição devidamente estruturada para a apresentação, de forma interativa, de informações sobre a cidade e sua evolução histórico-cultural, que são de suma importância.
Em relação aos fortes de Salvador, existem planos de restauração do Forte São Marcelo, pelo IPHAN. Este forte que é um dos ícones de referência da cidade de Salvador. A Prefeitura Municipal do Salvador poderá desenvolver, no seu espaço, uma referência à atividade náutica, na baia de Todos os Santos, entretanto, neste forte já havia sido feito um trabalho de turismo náutico-cultural, no qual diariamente eram realizadas saídas de passeio da caravela Príncipe Regente, que fazia o percurso Mont Serrat-Barra e, durante a viagem, era também realizado um resgate cultural, explicitando a evolução cultural, geográfica e ambiental dessa região. Este forte, no fim dos anos 1990, estava completamente abandonado, no meio do mar, com uso ilícito e foi devidamente restaurado com ajuda da Associação Brasileira das Fortificações Militares (ABRAF) e, por motivos judiciais, devido à ação do IPHAN, de março de 2011, foi fechado e atualmente está se deteriorando por abandono (CERQUEIRA, 2011)
No que se refere ao patrimônio imaterial e intangível, vê-se a necessidade da criação do Distrito Cultural e Turístico de Salvador (DCT-Salvador), com o objetivo de montar um "sistema policêntrico de atividades" e "locais de atratividades turísticas e culturais", cuja participação, com melhor oferta e produção, associada ao fortalecimento turístico-cultural são fundamentais. Constituídos por grupos de atividades intersetoriais interdependentes, tendo em vista as conexões territoriais e a valorização das suas comunidades, buscam preservar os direitos de seu distrito.

Por outro lado, a cidade de Salvador necessita de um plano de marketing, capaz de interagir com todos os componentes que precisam de impulso para atender à demanda da Copa de 2014. Para tanto, deverá ser realizado estudo sobre a demanda e avaliação das ofertas locais, pois atualmente não existem dados seguros e oficiais sobre o perfil dessas demandas e ofertas que permitam definir os mercados prioritários e avaliar a oferta e roteirização turística. Por exemplo, quanto às visitas, o autor deste artigo foi responsável pela elaboração de um Roteiro Cultural, que indica a visitação a sete museus com obras de estilo barroco em seus acervos, conforme Mapa 7 abaixo:


Mapa 7 - ROTEIRO CULTURAL: BARROCO NOS MUSEUS DE SALVADOR
Fonte: Ana Maria Lopes Figueiredo; Fabricio Cidreira Cammarota (coord.), 2010
A cidade de Salvador possui uma grande pluralidade cultural, ainda pouco explorada de forma sistematizada, haja visto que apenas os atrativos tradicionais, "maquiados", se destacam para aos turistas. O turismo alternativo é pouco explorado. Existem muitas localidades a serem visitadas turisticamente, contudo isso deve acontecer de forma gradual para não se tornar um turismo de massa, destrutivo.
O desenvolvimento de campanha publicitária, para o marketing turístico de Salvador, é necessário definir e fortalecer a identidade da cidade do Salvador, conquistando o turista, com a elaboração de um estudo estratégico com a criação de slogan, jingles, material promocional, além de campanhas de engajamento e envolvimento da população, o que poderá obter resultados, tanto para município, como para a sociedade soteropolitana. Atualmente, o marketing tem possibilidades de promoção de rodadas de negócio e capacitação de agentes de viagem, com o destino para Salvador e, em conseqüência, dar continuidade ao trabalho que já vem sendo realizado pela SALTUR em parceria com o trade turístico. Entretanto, é necessário o desenvolvimento de estratégias, especialmente com marketing digital, que consiste na atualização contínua do site já existente e, ainda, na criação de mídias digitais, e uso de redes sociais, como: twitter, facebook, youtube, slideshare, foursquare, tumblr, google, HI5, mySpace, orkut, sonico e respectivas estratégias de engajamento, visibilidade e interação com o site já existente (SALTUR/FEA, 2011).
Há um fortalecimento institucional para a criação do Observatório Turístico de Salvador, pois os dados e informações existentes, no momento, não são confiáveis e nem permitem uma avaliação histórica do desempenho do turismo na cidade e, por outro lado, há necessidade da reestruturação da SALTUR -, instalações físicas, disponibilidades de equipamentos, ferramentas e sistemas de gestão -, pois o espaço físico da SALTUR é insuficiente para abrigar a nova estrutura organizacional, na qual foi implementada a nova Diretoria de Turismo, criada em 2009, como também a implantação da ISO 9000 na SALTUR , em que esta a adoção de ações voltadas para a melhoria contínua do seu desempenho (SALTUR/FEA, 2011).
A certificação A ISO 9000 representa uma oportunidade para a SALTUR consolidar a rede de instâncias de governo existentes, com objetivo de análise global, que compõe o setor privado, como o poder público em buscar de bons resultados inerentes ao aperfeiçoamento e melhorias do desempenho da SALTUR, que permitem alcançar haja visto os resultados atuais de incrementação política e sustentabilidade são inexpressivos.
A capacitação do quadro técnico da SALTUR, órgãos específicos da Prefeitura e professores da rede municipal de ensino também devem passar por um fortalecimento, visto a necessidade de adequar o seu corpo funcional a um modelo de gestão que promova a integração, inovação e participação nas ações voltadas para o desenvolvimento da atividade turística do município, que são necessárias. Deve, também, promover a capacitação dos conselheiros dos órgãos colegiados e sua inserção da gestão compartilhada, dinâmicas de redes e mudanças da cultura política, que podem contribuir diretamente para uma maior eficácia do papel governamental do município(SALTUR/FEA, 2011).

1. A seguir Quadro 7 apresenta a equipe de trabalho do Plano de Desenvolvimento Integrado do Turismo Sustentável (PDITS) e suas devidas funções




NOME FUNÇÃO/CARGO
Anésio Miranda Fernandes Especialista em infra-estrutura, arquitetura e urbanismo

Dalva Sant'Anna
Especialista em fortalecimento da gestão municipal

Symona Berenstein
Especialista em fortalecimento da gestão municipal

Emiliano Santiago
Especialista em meio ambiente

Erico Mendonça
Coordenação técnica

Etelvina Fernandes
Especialista em patrimônio histórico

Graça Gondim
Especialista em infra-estrutura, arquitetura e urbanismo

Mara Castagno
Especialista em infra-estrutura, arquitetura e urbanismo

Lídia Kroger
Assistente de coordenação

Lívia Fauaze
Especialista em marketing

Félix Manhiça Especialista em Estudos e análises de viabilidade econômica

Maria Cândida Moussinho
Turismóloga

Thiago Duraes
Cartografia e informação espacializada

Robert Phillips
Especialista em marketing

Vera Lyra
Coordenação administrativa
Quadro 7 ? EQUIPE E FUNÇÕES DO PDITS
Fonte: SALTUR/FEA, 2011. Adaptações do autor.

Os resultados do trabalho dessa equipe deram subsídios inestimáveis para este artigo, especialmente em relação ao estado atual da cidade do Salvador, cujos pontos negativos estão indicados, através de fotos, como exemplos, no Anexo 1.

Conclusões
Gerir um evento do porte da Copa do Mundo, que se realizará em 2014 no Brasil, não é uma tarefa fácil, devido às razões aqui pontuadas, pois cidades-sedes necessitam de um suporte administrativo, que compõe a infra-estrutura das cidades, arenas esportivas de acordo com os parâmetros da FIFA.
As exigências de grande importância, para a implementação da copa nas cidades-sedes, no Brasil e, em especial na cidade de Salvador, são as vias de acesso com possibilidade de fácil de locomoção, meios de transportes modernos, limpos, rápidos e com grande capacidade, hospedagem satisfatória para os visitantes, bem como serviços turísticos que incluam alimentação, visitas culturais com monumentos, paisagens, praias em perfeitas condições.
Viu-se que Salvador passa por grandes dificuldades nos quesitos essênciais para satisfazer a demanda turística em geral e, em especial, em relação ao evento da Copa do Mundo, apesar dos planos turísticos, da ECOPA e da SECOPA, que são os elos entre o Governo Federal, o Estado e o município na Bahia, respectivamente.
Praticamente faltam três anos para o inicio da Copa do Mundo. Para que seja realizado um evento desse porte é necessário um esforço incondicional, das partes envolvidas, pois a depender da situação atual, que se está observando, deixará muitos prejuízos conceituais junto aos países envolvidos na Copa como também em relação à FIFA.
Sobre as questões mencionadas anteriormente, a mais importante, para o presente artigo, é a visão do turista visitante que, em caso negativo, afetará o sentimento adverso em relação a Salvador que ficará a mercê de marketing pouco saudável à indústria que sustenta a cidade. Essa é uma das grandes preocupações, visto que os Comitês nomeados ainda não têm nenhum programa traçado, nenhuma previsão de melhorias dos pontos turísticos, da segurança, da limpeza, da assistência aos visitantes. Também há a preocupação com a arena esportiva que poderá se transformar em "elefante branco" sem uso, como se vê no caso da África do Sul, portanto é muito necessário um planejamento estratégico pós-evento.
Portanto, mesmo sumariamente, se apresenta uma idéia hipotética de gestão de pessoas, voltadas para o turismo para o período da Copa do Mundo, visto que nenhuma providência ainda desponta no horizonte, por parte dos Comitês encarregados dessa tarefa. Nem o sindicato ou associação da classe dos trabalhadores em turismo têm noção de como vão se comportar durante o evento. Três anos serão suficientes para melhorar ampliação do aeroporto, as vias de acesso, meios de transportes eficientes, construção da arena e acessibilidade a ela, melhoria da segurança, dos restaurantes, hotéis e o programa subsidiário de turismo que possam trazer benefícios para a velha Cidade do Salvador?



TITLE: PEOPLE MANAGEMENT IN TOURISM WORLD CUP 2014 AT SALVADOR

ABSTRACT

This paper presents some proposals concerning the management of people in tourism in Salvador for the World Cup 2014, aiming to diagnose the status of projects which should allow the realization of this event. For this, the materials used at the institutions charged with its implementation, - Secretary of State for Affairs of the FIFA World Cup Brazil 2014 (SECOPA), Office of the World Cup (ECOPA), Department of Tourism (SETUR) Tourism Company of Bahia (BAHIATURSA), Salvador Tourism Company (SALTUR) - in addition to periodic queries, such as magazines and newspapers that report the cup already made and to that being promoted in 1914. For the management of people found that, to date, only specific committees were composed, at the state, and municipal that do not have staff to give concrete information. Considering this fact, it has proposed a management consultancy hypothetical people, devoted to tourism within the historical context of the achievements of events of its kind in the World Cup.

Keywords: People management, Tourism, World Cup 2014, Salvador.

Referências
Fontes impressas e eletrônicas
ALMANAQUE das copas do mundo. São Caetano/SP: Yendis, 2010.
BAHIA. Governo do Estado. SECOPA. Equipe. 2011. Disponível em http://www.secopa.ba.gov.br/institucional/equipe-secopa. Acesso em 22 mai. 2011.
BAHIA. Governo do Estado. SECOPA. Organograma. 2011. Disponível em http://www.secopa.ba.gov.br/institucional/organograma-0. Acesso em 22 mai. 2011.
BICHUETTI, Jose Luiz. Gestão de pessoas não é como RH. São Paulo: Lafonte, 2011.
BRASIL. Governo Federal, Ministério do Turismo. Copa 2014 na Bahia. Catálogo. Brasília/DF, 2011.
CERQUEIRA, Roberta. Forte São Marcelo de portas fechadas. Tribuna da Bahia. 11 fev. 2011. Disponível em http://www.tribunadabahia.com.br/news.php?idAtual=73920 Acesso em 23 jul. 2011.
COURA, Kalleo, Prontos para a copa de 2038, Veja, São Paulo, nº. 2218, ano 44, nº. 21, p. 88-100, 25 mai, 2011.
GUIA YOBA. Revista Guia!Yoba. Dicas de Turismo. Rio de Janeiro/São Paulo, 2011. Disponível em http://www.guiayoba.com.br. Acesso em 25 mai. 2011.
HISTÓRIA da copa do mundo. Sua Pesquisa, s.d. Disponível em http://www.suapesquisa.com/educacaoesportes/historiadacopa.htm. Acesso em 12 jul. 2011.
MINISTERIO DO TURISMO. Secretaria Extraordinária ,da Copa de 2014, na Bahia. Brasília/DF: Ministério do Turismo, s.d.
SALTUR/FEA. PDTIS ? Plano de Desenvolvimento Integrado do Turismo Sustentável. 2ª Reunião Pública, Salvador, 21 jun, 2011.
SILVA, Daianny Brito da. Mudanças e desafios em gestão de pessoas. 2009, Disponível em http://www.administradores.com.br/informe-se/artigos/mudancas-e-desafios-em-gestao-de-pessoas/28684/. Acesso 25 mai. 2011.

Fontes orais: entrevistas
CARVALHO, Maisa. Entrevista ao autor, Salvador, 1 jul. de 2011.
COSTA, Sergio. Entrevista ao autor, Salvador, 1 jul. 2011.
MENDONÇA, Erico. Entrevista ao autor, Salvador, 21 jun. de 2011.

ANEXO 1 ? FOTOS DA SITUAÇÃO EM JULHO DE 2011


Fig. 3 - Arena Fonte Nova ? Julho 2011



Fig. 4 - Acessos ao Dique do Tororó e Fonte Nova - Julho 2011
Fonte: Google maps. Acesso 23 jul. 2011.




Fig. 5 - Trânsito da Avenida Paralela - Julho 2011



Fig. 6 - Acesso da Orla Marítima - Julho 2011



Agradecimentos

A Deus pela força durante o período em que foi efetuado o Curso de Pós-graduação em Gestão de Pessoas, na Faculdade da Cidade.

À minha Orientadora Profa. Dra. Maria Helena Ochi Flexor, pelo apoio incondicional a este trabalho.

A meus pais, José Cammarota e Solange Cidreira Cammarota, por me apoiarem de todas as formas no percurso acadêmico.

À minha companheira, Cândida Rosa Almeida Brito Silva, pelo apoio moral.

Aos meus colegas, em especial, a Carolina Campos da Silva, Cilene Brito Santana, Gilmar Sousa Santos, Luciano da Silva Santos pelo companheirismo no período acadêmico.

Agradeço a todos os mestres, em especial, a Christiane Marchi, Clerrison Torres, Malu Follador, Renato Aparecido Ribeiro.


Trabalho entregue em 30 de julho de 2011

Autor: Fabricio Cidreira Cammarota


Artigos Relacionados


Curso De Inglês Movimenta Capitais

Turismos Em Salvador - Bahia

Desenvolvimento Do Patrimônio Histórico E Cultural De Tiradentes - Mg

Desenvolvimento Do Patrimônio Histórico E Cultural De Tiradentes - Mg

Fiscalização Das Obras Da Copa Do Mundo De 2014

Sustentabilidade Do Turismo Em Pernambuco: A Copa De 2014.

O Desafio De Falar Inglês ? 4 Anos Para A Copa Do Mundo 2014